Trânsito

Carro invade drogaria no Setor Coimbra, em Goiânia, e deixa local destruído

Apesar do grande susto, não há informações de feridos.

Por Ton Paulo
12/06/2019, 11h31

Um drogaria no Setor Coimbra, em Goiânia, ficou com o interior destruído depois que um carro desgovernado invadiu o recinto no início da manhã desta quarta-feira (12/6). Apesar do grande susto, ainda não há informações de feridos.

O caso aconteceu nesta manhã em uma unidade da Drogasil localizada na Avenida Castelo Branco, próximo à Praça Ciro Lisita, no Setor Coimbra. Em informações levantadas pela reportagem do Dia Online, a condutora do veículo modelo Golf teria perdido o controle da direção e entrado no estabelecimento. Não há registro de feridos.

Conforme a Secretaria Municipal de Trânsito Transporte e Mobilidade (SMT), nenhuma equipe chegou a ser deslocada, uma vez que não houve nenhum dano ou desequilíbrio da via pública ou do tráfego no local. A reportagem tentou contato com a drogaria, mas até o fechamento desta matéria, as ligações não foram atendidas.

Veja as fotos de como ficou a drogaria após a invasão do carro desgovernado:

Além de carro que invadiu drogaria no Setor Coimbra, outro matou uma pessoa em Anápolis

Em fevereiro deste ano, um entregador de uma farmácia de Anápolis, a cerca de 58 quilômetros de Goiânia, morreu depois de ser atingido por uma caminhonete desgovernada. Com o impacto, Marlon Régis Santana de Souza, de 43 anos, que estava na porta do estabelecimento, foi arremessado para dentro da loja. O acidente ocorreu na noite de domingo (24/2), quando o homem entrava no carro para ir embora após o expediente.

Imagens das câmeras de segurança da farmácia na época (veja aqui) registraram o exato momento em que o homem, que saía do trabalho, é atingido pelo carro. No vídeo é possível ver uma caminhonete preta desgovernada pela Avenida Brasil, local do acidente, que em seguida atinge o carro que Marlon Régis entraria.

Além de Marlon, uma cliente da farmácia também foi atingida, mas não se feriu com gravidade. Já a mulher do entregador, que o aguardava dentro do carro, precisou ser levada ao hospital, mas não teve risco de morrer, de acordo com a família.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Educação

Selecionados no Sisu podem fazer matrícula a partir de hoje

Prazo vai até o dia 17. Cabe aos candidatos verificar os dias, horários e locais de atendimento definidos por cada instituição em edital próprio.
12/06/2019, 11h35

Os estudantes selecionados na chamada regular do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) podem, a partir de hoje (12/6), fazer matrícula nas instituições de ensino para as quais foram selecionados. O prazo vai até o dia 17. Cabe aos candidatos verificar os dias, horários e locais de atendimento definidos por cada instituição em edital próprio.

O resultado da chamada única do Sisu foi divulgado segunda-feira (10/6) e está disponível no site do programa.

Os estudantes selecionados podem pleitear auxílio para pagar transporte, moradia e outras despesas nas próprias instituições de ensino superior, de acordo com determinados critérios, como renda familiar. Os programas de assistência estudantil são implementados diretamente pelas instituições.

Lista de espera

As vagas que não forem preenchidas serão ofertadas para os estudantes em lista de espera. Quem não foi selecionado em nenhuma das duas opções de curso feitas na hora da inscrição na chamada única e quiser integrar a lista tem até o dia 17 para fazer a adesão, no site do Sisu.

O candidato deve acessar o sistema e, em seu boletim, clicar no botão que corresponde à confirmação de interesse em participar da lista de espera do Sisu. O estudante poderá manifestar interesse para a primeira ou segunda opção de curso. Ao finalizar a manifestação, o sistema emitirá uma mensagem de confirmação.

Esses estudantes serão convocados a partir do dia 19. A convocação para a matrícula será feita pelas próprias instituições de ensino. Nessa etapa caberá aos próprios candidatos acompanhar a convocação na instituição na qual estiverem pleiteando uma vaga.

Sisu 2019

Nesta edição, o Sisu oferece 59.028 vagas em 76 instituições públicas de ensino em todo o país. A seleção é feita com base no desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2018. Para participar é preciso ter obtido nota acima de zero na redação do exame. Ao todo, 640.205 estudantes se inscreveram no programa, de acordo com balanço divulgado pelo MEC.

Imagens: Rede Tiradentes 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Operário morre após cair de andaime em 5º andar de prédio, em Águas Claras

Dois homens trabalhavam no andaime no quinto andar de um prédio, e sofreram queda de uma altura de 15 metros.

Por Ton Paulo
12/06/2019, 12h31

Dois operários caíram de um andaime e um deles morreu na manhã desta quarta-feira (12/6), em Águas Claras, região do Distrito Federal (DF). Os homens trabalhavam no andaime no quinto andar de um prédio, e a queda foi de uma altura de 15 metros.

Conforme adiantado por um veículo local, um dos operários conseguiu se segurar na estrutura do 4º andar e foi levado para o Hospital Regional de Taguatinga (HRT) consciente, orientado, com suspeita de fratura no braço esquerdo. Já o outro não teve a mesma sorte.

Um encarregado no prédio ao lado da obra, Rodrigo Figueiredo, conta que a situação foi de pânico no momento da queda dos operários. Segundo ele, alguns colegas da obra choravam e gritavam frases como “Eu avisei!”.

Uma mulher que mora no prédio em frente relatou ter visto um dos cabos de aço do andaime onde os operários estavam se romper. De acordo com ela, o trabalhador que estava na esquerda passou por cima do da direita e caiu. “Eles estavam com o cinto de segurança, mas se soltou. Isso foi no 5º andar e o andaime desceu até o 4º andar”, conta.

Além de caso de Águas Claras, queda de elevador com 16 pessoas dentro foi registrado este ano, em Brasília

No dia 13 de março deste ano, um grupo de pessoas que utilizava o elevador do Hospital Santa Lúcia Norte, localizado em Brasília, levou uma baita susto. Isso porque o elevador, com 16 pessoas dentro, despencou cinco andares do hospital, e só parou quando atingiu, com impacto, o chão. Felizmente, as pessoas sofreram apenas ferimentos leves.

Conforme informações de um jornal local na época, 16 operários ficaram presos no elevador do Hospital Santa Lúcia, na Asa Norte, que despencou cinco andares, do terceiro até o -2. O Corpo de Bombeiros não chegou a ser acionado. A assessoria de imprensa da unidade de saúde relatou que as pessoas sofreram ferimentos leves, receberam atendimento e foram rapidamente liberadas.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Justiça decreta prisão de suspeito de matar ator de 'Chiquititas'

Usado por Matias para fugir do local dos assassinatos, um Volkswagen Up, de cor vermelha e com a placa clonada, foi localizado pelos investigadores na tarde de terça.
12/06/2019, 14h07

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) decretou na noite da terça-feira, 11, a prisão temporária do comerciante Paulo Cupertino Matias, de 48 anos, suspeito de matar a tiros o ator Rafael Henrique Miguel, de 22, e os pais dele, João Alcisio Miguel, de 52, e Miriam Selma Miguel, de 50. O crime aconteceu neste domingo, 9, e desde então Matias está foragido.

A decisão é assinada pela juíza Débora Faitarone, do 1º Tribunal do Júri de São Paulo. Na terça, agentes da Polícia Civil fizeram buscas no bairro do Jardim Pedreira, na zona sul de São Paulo, região onde o crime aconteceu, para tentar localizar o comerciante.

Usado por Matias para fugir do local dos assassinatos, um Volkswagen Up, de cor vermelha e com a placa clonada, foi localizado pelos investigadores na tarde de terça. O carro havia sido abandonado na Avenida Batista Maciel, próxima à Estrada do Alvarenga.

No dia do crime, Rafael foi encontrar com a namorada, Isabela Tibcherani, de 18 anos, em uma praça perto da casa dela. Depois, o casal foi levado pelos pais do garoto até a casa de Matias, que é pai de Isabela.

Justiça decreta prisão de suspeito de matar ator de 'Chiquititas
Foto: Reprodução

Segundo as investigações, Matias não aceitava o relacionamento entre a filha e o ator. Descrito como “possessivo”, o comerciante não deixava Isabela sair de casa e a “vigiava de perto”, de acordo com familiares.

Ainda do lado de fora do portão, Rafael e os pais foram baleados pelo comerciante e morreram na hora. Matias fugiu logo em seguida.

O caso é investigado pelo 98º Distrito Policial (Jardim Miriam). Matias deve responder por três homicídios qualificados, por motivo torpe. Ele já tinha passagem pela polícia por furto, roubo, agressão e ameaça.

Rafael ficou conhecido ainda criança por protagonizar um comercial de sucesso, em que pedia para a mãe comprar brócolis e chicória. Na TV, também interpretou o personagem Paçoca na novela Chiquititas, do SBT, transmitida entre 2013 e 2015. Atualmente, ele dava aulas de inglês.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

MPF investiga coação em sindicância que apura tortura em unidade do exército, em Jataí

Segundo o ministério, durante a gravação o capitão afirma que é típico do homem “descer a porrada”, como se aquilo fosse comum ocorrer naquele meio.
12/06/2019, 14h20

Uma ação civil pública (ACP) foi protocolada pelo Ministério Público Federal (MPF) em desfavor da União, para investigar as denúncias de coação de testemunha em práticas reincidentes de tortura contra recrutas do Exército da unidade de Jataí,  a 327 quilômetros de Goiânia. O MPF exige na ação que o capitão seja afastado da sindicância imediatamente e que sejam aplicadas medidas administrativas de forma preventiva a outros três oficiais da unidade.

De acordo com o órgão, os oficiais estão praticando diversas irregularidades para impedir a investigação sobre as práticas de tortura contra recrutas do Exército Brasileiro (EB), durante um treinamento do 41º Batalhão de Infantaria Motorizada, em Jataí. O MPF investiga o caso, após 11 recrutas com idades entre 18 e 19 anos darem entrada no Hospital das Clínicas em abril deste ano, após passarem pelos treinamentos físicos.

Segundo os familiares dos jovens relataram ao ministério, os rapazes foram submetidos a uma série de exercícios e a agressões dos instrutores. Os parentes dos recrutas ainda informaram ao órgão que a unidade demorou a informá-los sobre a entrada dos rapazes na unidade hospitalar.

Após os recrutas pararem no hospital, foi instaurada uma sindicância para apurar as denúncias. Entretanto, o MPF afirma o processo que era para investigar a situação que levou os recrutas ao hospital vem sendo utilizada para inibir as testemunhas, ao invés de conseguir informações para esclarecer o caso. O procurador da República Jorge Medeiros afirmou que “não há outro objetivo a não ser obstruir as investigações, por medo imposto as testemunhas”.

Em áudio capitão afirmou durante sindicância que é típico do homem “descer a porrada”

O MPF afirmou que as provas encontradas são robustas e contundentes, com destaque para um áudio gravado por um familiar de um dos recrutas. Durante o processo de sindicância instaurado na unidade, onde o capitão questiona ao jovem “quem procurou o MPF ou a imprensa” após o rapaz dar entrada no hospital da cidade. Segundo o ministério, durante a gravação o capitão afirma que é típico do homem “descer a porrada”, como se aquilo fosse comum ocorrer naquele meio.

Após ter ciência do áudio, o ministério recomendou que o recruta fosse afastado, porém a recomendação não foi atendida pelo EB, que proporcionou o aumento das intimidações contra o jovem. Conforme o órgão, além do áudio, o capitão teria intimidado os médicos militares para eles fornecerem por meios não oficiais os contatos dos profissionais de saúde do hospital que atenderam os recrutas. Segundo o MPF, a intenção do comandante era coagir os profissionais por terem procurado o ministério e a imprensa.

Com base nas informações levantadas durante as investigações, o MPF pediu o afastamento do capitão e que a União adote medidas administrativas contra outros três oficiais da unidade. O MPF requereu também que a sindicância seja suspensa até a análise e sua anulação. Além disso o MPF, pediu a condenação da União por danos morais coletivos de R$ 5 milhões em favor do Fundo de Direitos Difusos (FNDD).

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.