Goiás

Guarda civil de Aparecida de Goiânia baleado ao reagir a assalto passa por cirurgia e segue internado

Contudo, segundo o comandante da GCM de Aparecida de Goiânia, o quadro do agente é regular e não há motivo para preocupação.

Por Ton Paulo
16/03/2019, 10h47

O agente da Guarda Civil Municipal (GCM) de Aparecida de Goiânia que foi baleado na noite da última sexta-feira (15/3) ao reagir a um assalto, numa distribuidora do Setor dos Girassóis, segue internado no hospital em estado estável e está fora de perigo. Ele já foi submetido a uma cirurgia de emergência e passará por outra.

O caso aconteceu por volta das 22h de ontem (15/3), no Setor dos Girassóis, em Aparecida de Goiânia. De acordo com o Comandante Cândido, da GCM, o agente David Cardoso estava em seu momento de folga numa distribuidora com amigos, quando dois homens numa moto chegaram a deram voz de assalto.

O comandante levanta a hipótese de que os bandidos reconheceram David como guarda civil, uma vez que, conforme é possível ver nas imagens de câmeras, um deles vai direto para o GCM. É possível ver também o momento em que David reage e troca tiros com os bandidos.

Instantes depois de efetuar os disparos, David, como visto nas imagens, começa a andar com dificuldade e percebe que foi atingido na barriga. Segundo o Comandante Cândido, o agente da GCM foi alvejado no estômago, e o disparo acabou perfurando o intestino. Felizmente, segundo ele, o estado de David é regular. “Ele está sedado e respirando por aparelhos, mas felizmente está fora de perigo”.

O comandante informou ainda que David, que está internado no Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia (Huapa), foi submetido a uma cirurgia de emergência, e em 72 horas passará por outra. Contudo, segundo ele, não há motivo para preocupação.

Câmeras de segurança flagraram o momento em que o guarda civil de Aparecida de Goiânia troca tiros com os bandidos e é baleado

As câmeras de segurança do local capturaram o momento exato em que o GCM troca tiros com os assaltantes. É possível ver, inclusive, o momento em que David cai no chão, visivelmente em dor extrema, após ser atingido no estômago.

A Guarda Civil de Aparecida de Goiânia divulgou uma nota onde lamenta o ocorrido e “deseja uma ótima recuperação ao GCM David Cardoso”.

O caso foi registrado na Polícia Civil (PC) que vai investigar a autoria do crime. Até o momento, ninguém foi preso.

Veja o vídeo do momento do crime:

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Mundo

Nova Zelândia: australiano é acusado formalmente por homicídio após disparos

Enquanto isso, os neozelandeses prestaram solidariedade aos muçulmanos em todo o país neste sábado.
16/03/2019, 11h17

O australiano Brenton Tarrant, preso após disparos que mataram ao menos 49 pessoas em duas mesquitas na Nova Zelândia, compareceu a um tribunal neozelandês e foi formalmente acusado de assassinato. Enquanto isso, os neozelandeses prestaram solidariedade aos muçulmanos em todo o país neste sábado.

Dois guardas armados levaram Tarrant à corte. Ele não demonstrou nenhuma expressão quando o juiz do Tribunal Distrital Paul Kellar leu a acusação de assassinato para ele. A aparição no tribunal durou apenas um minuto, e ele foi levado de volta algemado. Tarran foi ordenado a voltar ao tribunal novamente em 5 de abril. Depois que ele saiu do local, o juiz disse que, embora “uma acusação de assassinato tenha sido trazida no momento, é razoável supor que haverá outras”.

O atirador publicou um manifesto de 74 páginas no Facebook no qual ele se identificou como Tarrant e disse que ele era um australiano de 28 anos de idade e supremacista branco que queria vingar ataques na Europa perpetrados por muçulmanos.

Neste sábado, neozelandeses acenderam velas e colocaram flores em memoriais improvisados na cidade de Christchurch. Alguns enlutados abraçaram seus vizinhos, enquanto outros permaneceram em silêncio em locais no centro da cidade, não muito longe das duas mesquitas onde ocorreram os disparos.

A primeira-ministra Jacinda Ardern disse que o atirador, um nativo australiano, escolheu atacar na Nova Zelândia “porque nós representamos diversidade, bondade, compaixão”.

Neozelandeses ofereceram carona ou companhia para caminhar aos seus vizinhos muçulmanos que não se sentissem seguros. “O amor sempre vence o ódio. Muito amor para nossos irmãos muçulmanos”, dizia um cartão escrito à mão em uma parede com flores em uma parte histórica da cidade.

Ainda assim, os muçulmanos foram aconselhados a ficar longe das mesquitas, enquanto o alerta de segurança do país permanecia no segundo nível mais alto um dia após os ataques. Trinta e nove sobreviventes permaneciam hospitalizados no sábado, com 11 gravemente feridos. As atualizações demoravam a chegar, e muitas famílias ainda aguardavam para saber se seus entes queridos estavam entre as vítimas.

O presidente dos EUA, Donald Trump, minimizou qualquer ameaça representada pelo nacionalismo branco racista depois que o atirador acusado do massacre da mesquita da Nova Zelândia chamou o presidente de “um símbolo de identidade branca renovada”. Trump expressou simpatia pelas vítimas que morreram em “locais de culto transformados em cenas de um assassinato brutal”.

Mas ele se recusou a se juntar às expressões de crescente preocupação com o nacionalismo branco. Questionado se pensava que era uma ameaça crescente no mundo, ele respondeu que não. “Eu acho que é um pequeno grupo de pessoas que tem problemas muito, muito sérios, eu acho”, disse Trump. “Se você olhar o que aconteceu na Nova Zelândia, talvez seja o caso. Eu não sei o suficiente sobre isso ainda. Mas é certamente uma coisa terrível.” Questionado sobre a referência do atirador a ele, Trump professou ignorância. “Eu não vi isso”, afirmou. “Mas eu acho que é um evento horrível … uma coisa horrível, vergonhosa e um ato horrível.” Fonte: Associated Press.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Por inadimplência, Goiás perde direito de obter financiamentos com garantias da União

Conforme documento divulgado, Goiás está impossibilitado de obter garantias da União em novos contratos de financiamento até o mês de setembro de 2019.

Por Ton Paulo
16/03/2019, 12h49

O Tesouro Nacional divulgou recentemente o Relatório Mensal de Garantias Honradas, documento que traz dados sobre a quitação por parte da União das garantias dadas aos estados brasileiros em contratos e financiamentos realizados. Conforme o documento, o Estado de Goiás está impossibilitado de obter garantias da União em novos contratos de financiamento até o mês de setembro de 2019.

O relatório de refere a dados de fevereiro de 2019. A Secretaria do Tesouro Nacional (STN) monitora os eventuais atrasos de pagamentos dos contratos garantidos pela União, estabelecendo prazos para regularização das pendências e alertando os devedores para as sanções, penalidades e consequências previstas nos contratos e na legislação pertinente. Conforme apresentado pelo Tesouro, no total, desde 2016, a União realizou o pagamento de R$ 12,69 bilhões com o objetivo de honrar garantias concedidas a operações de crédito.

Em fevereiro, a União pagou R$ 864,42 milhões em dívidas garantidas dos entes subnacionais, sendo R$ 116,16 milhões relativos a inadimplências do Estado do Rio de Janeiro e R$ 748,26 milhões do Estado de Minas Gerais. Em 2019, o total chegou a R$ 1.429,47 milhões.

Segundo os Critérios de Atrasos e Honras para Contratação de Novas Operações de Crédito com Garantia da União, Goiás entrou para a lista dos estados que não podem pedir garantias da União em novos contratos de financiamento. De acordo com o documento, na posição de 28/02/2019, os mutuários se enquadram nos critérios estabelecidos no art. 13, incisos I e II, da Portaria MF nº 501, de 23 de novembro de 2017, que diz que estabelecem os critérios para vedar “a concessão de garantia da União a novos contratos de financiamento de Unidade da Federação”.

Agora, por determinação, o Estado de Goiás só pode voltar a pedir tais garantias da União a partir de 11 de setembro de 2019.

Em 2018, Tesouro Nacional pagou R$ 33 milhões em dívidas atrasadas do Estado de Goiás

Conforme dados divulgados no dia 15/1, a crise em Goiás fez com que o Tesouro Nacional tivesse que quitar um total de R$ 33,6 milhões em dívidas atrasadas do Estado, no ano de 2018.

Segundo os dados, em todo o ano passado, o Tesouro pagou R$ 4,82 bilhões em dívidas de estados e municípios. Do total, R$ 4,03 bilhões referem-se a débitos não quitados pelo estado do Rio de Janeiro, R$ 777,7 milhões dizem respeito a mais quatro estados (Goiás, Minas Gerais, Roraima e Piauí), e R$ 17,49 milhões deixaram de ser honrados pela prefeitura de Natal.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Dois alunos de escola alvo de atentado em Suzano recebem alta hospitalar

Cinco pessoas, vítimas do ataque, continuam internadas em hospitais.
16/03/2019, 13h51

Duas vítimas do massacre na Escola Estadual Raul Brasil, que estavam internadas no Hospital Santa Maria, em Suzano, tiveram alta na manhã deste sábado, 16, informa a Agência Brasil. Segundo o hospital, elas foram liberadas por volta das 8h e já deixaram a unidade.

Ainda há cinco pessoas internadas em hospitais. No último balanço, divulgado nesta sexta-feira, 15, pela assessoria do governo paulista, dois estudantes, de 15 e 16 anos de idade, estavam internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC/FMUSP). O estado delas era estável na tarde sexta-feira.

Uma adolescente está internada na UTI do Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo, em Mogi das Cruzes. O estado de saúde da adolescente também era estável até sexta-feira. Um adolescente de 16 anos, que foi levado ao Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo, passou por cirurgia, sem intercorrências e segue internado, em estado estável. Já um outro jovem, de 15 anos, está estável, na enfermaria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP.

Na manhã de sexta-feira, um paciente que estava internado na Santa Casa de Suzano recebeu alta após passar por uma cirurgia em um dos joelhos no dia anterior. Ele agora fará tratamento no setor de ortopedia da Santa Casa de Misericórdia.

O ataque à escola, ocorrido na manhã da última quarta-feira, 13, e provocado por dois adolescentes encapuzados e armados, deixou dez mortos, dos quais duas funcionárias da escola, cinco alunos, um comerciante e os dois atiradores.

Imagens: Veja 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Homens envenenam e arrastam cachorro preso a motocicleta, em Jataí

Caso, denunciado por motorista de caminhão da coleta de lixo, ocorreu na tarde de sexta-feira (15/3).
16/03/2019, 14h44

Dois homens, sendo um adulto e um adolescente, foram flagrados arrastando um cachorro que estava preso a uma motocicleta, em Jataí, região Sudoeste de Goiás. Conforme constatado por uma Organização Não Governamental (OVG) de atendimento aos animais, que acolheu o cachorro após a denúncia, os homens haviam envenenado o animal.

O caso ocorreu na tarde desta sexta-feira (15/3). Os supostos agressores foram flagrados pelo motorista do caminhão de coleta de lixo da cidade. Ele acionou a Polícia Militar de Goiás (PMGO) e narrou que havia visto dois homens em uma moto arrastando um cachorro por uma via da cidade.

Dupla abandonaria cachorro envenenado em estrada vicinal, em Jataí

A dupla foi seguida pelos policiais e flagrados no momento em que abandonavam o bichinho, com diversos ferimentos, em uma estrada vicinal. O homem, de 36 anos, e o adolescente, de 16, foram encaminhados à delegacia local. Ambos já tinham passagens por outros crimes.

O cachorro foi resgatado pelos PMs e entregue a uma ONG de proteção aos animais. Após atendimento em uma clínica veterinária, foi constatado que o animal havia sido envenenado antes de ser preso e arrastado em uma motocicleta.

Multa para prática de violência contra animais

Os vereadores de Goiânia aprovaram, em segunda e definitiva votação, o projeto de lei que aumenta a pena para prática de violência contra animais na capital. Conforme lei em vigor, as multas para esse crime podem variar de R$ 200 a R$ 200.000, de acordo com a infração. Já segundo a emenda prevista no projeto, o valor inicial seria de R$ 2.000.

Segundo descreve a lei 9.843, em vigor desde 2016, são considerados maus-tratos contra animais as seguintes condições: obrigar os animais a trabalhos excessivos ou superiores às suas forças e todo ato que resulte em sofrimento; Castigá-los, física ou mentalmente, ainda que para aprendizagem ou adestramento; Utilizá-los em confrontos ou lutas, entre animais da mesma espécie ou de diferentes espécies; Provocar-lhes envenenamento, podendo causar-lhes morte ou não.

Imagens: Cães Online 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.