Economia

Feira Hippie já tem local definido; obras na Praça do Trabalhador começam dia 10

Decisão foi anunciada nesta segunda-feira (3/6), durante reunião com feirantes. Obras devem sem concluídas em novembro.
04/06/2019, 08h04

Em reunião com os feirantes, nesta segunda-feira (3/6), a Prefeitura de Goiânia decidiu que a Feira Hippie funcionará, em caráter temporário, nas imediações da Rua 44, na parte norte da rodoviária. Com o acordo firmado, as obras de revitalização da Praça do Trabalhador começam nas próxima segunda-feira (10/6). A previsão é de que o espaço seja entregue até novembro.

Durante as obras, a Feira circulará a Praça do Trabalhador pela Rua 44, Rua 67 A, avançando até a Avenida Oeste, na parte norte da Rodoviária de Goiânia. Após a conclusão, a Feira Hippie voltará a funcionar na Praça, às sextas, sábados e domingos. A Feira da Madrugada retornará às quartas e quintas-feiras. Durante a semana funcionará no local um estacionamento com 1.272 vagas.

Proposta para a Praça do Trabalhador

O projeto de revitalização da Praça do Trabalhador prevê um ambiente totalmente inclusivo, confortável aos pedestres e cadeirantes, além da utilização de piso podotátil em todos os passeios, para facilitar a acessibilidade de pessoas com problemas visuais.

As passarelas para pedestres ficarão nas laterais dos canteiros, interligadas por escadas e rampas acessíveis e as áreas pavimentadas contarão com áreas verdes para aumentar a permeabilidade.

As bancas da Feira Hippie serão projetadas em metalon e uniformizadas na dimensão de 2,00 x 1,00, fixadas em conjunto de 30 bancas, sendo 15 de cada lado, cobertas com lona bege com fundo branco e beirais.

Com a revitalização, a Praça também passa a contar com um posto da Guarda Municipal, três sanitários públicos, sendo um familiar, com 101 m² cada um, e o prédio da administração será equipado com uma enfermaria.

Obras devem durar cinco meses

Com investimento de quase R$ 7 milhões, conforme a prefeitura, a obra conta ainda com a conclusão da parte Leste da Avenida Leste/Oeste que terá início nos próximos meses. O prazo para execução dos trabalhos será de cinco meses e deve ser entregue antes do início do próximo período chuvoso.

“Nosso objetivo é cumprir o cronograma e o prazo de cinco meses para a entrega”, afirma o secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Dolzonan da Cunha Mattos.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Duas crianças brasileiras morrem no Chile

A irmã caçula morreu no local, enquanto a maior ainda chegou a ser socorrida, mas morreu em um centro médico.
04/06/2019, 08h41

Duas crianças brasileiras, de 3 e 7 anos, morreram nesta segunda-feira, 3, após serem atingidas por uma rocha no entorno da represa El Yeso, em San José de Maipo, a cerca de 60 quilômetros de Santiago. Conforme a polícia chilena, na hora do acidente as duas meninas estavam em uma área cujo acesso era proibido. A responsabilidade do gestor turístico da área está sob apuração.

As duas viajavam com seus pais em um micro-ônibus de turismo com outros 20 passageiros. Segundo a polícia, a irmã caçula morreu no local, enquanto a maior ainda chegou a ser socorrida, mas morreu em um centro médico.

O governo local informou que no local há sinais de advertência sobre o perigo da área. A administração provincial acrescentou que pode haver responsabilização por parte dos agentes de turismo. “Há sinais, os operadores turísticos sabem como isso funciona, há uma lei municipal, o município está constantemente em contato com eles”, disse Mireya Chocai, do governo local.

Segundo a investigação policial, o veículo que levava os 20 turistas passou por uma barreira que impede o tráfego por razões de segurança. Nesse local, os turistas começaram a fazer uma caminhada, quando aconteceu o deslizamento.

O acidente ocorre quase duas semanas após a morte de seis turistas brasileiros em um apartamento no bairro Bellas Artes, no centro de Santiago, intoxicados por monóxido de carbono. A polícia ainda investiga esse caso. (Com agências internacionais).

Imagens: O Globo 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Goiás registrou queda em todos os crimes de violência em 2019, diz SSP

A comparação é de janeiro a maio deste ano com igual período de 2018.

Por Ton Paulo
04/06/2019, 08h44

Em dados apresentados na última segunda-feira (3/6) referentes a 2019, a Secretaria de Segurança Pública do Estado de Goiás (SSP-GO) mostrou uma queda em diversos crimes envolvendo violência no estado. A comparação é de janeiro a maio deste ano com igual período de 2018.

De acordo com a Secretaria, os crimes de homicídios tiveram redução de 9,02%, enquanto que tentativas do mesmo crime recuaram 3,88%. De acordo com a pasta, também foram verificadas reduções em latrocínios (-33,33%) e estupros (-0,62%). Crimes violentos letais intencionais regrediram 9,54%.

Ao apresentar os números, o secretário de Segurança Pública, Rodney Miranda, comemorou os resultados que, segundo ele, são fruto das ações das forças policiais. “Com muita técnica, integração e inteligência, estamos mostrando que é possível garantir mais sensação de paz ao cidadão de bem”, afirmou.

Ainda segundo a SSP, outras quedas foram verificadas em crimes como roubos de veículo (-57,96%); roubos ao comércio (-52,57%); roubos de cargas (-65,12%); roubos em instituições financeiras (-64,29%) roubos a transeuntes (-50,79%), roubos de residências (-3%) e crimes violentos contra o patrimônio (-36,42%).

Furtos de veículos caíram 27,7% e furtos a transeuntes 65,98%. Os únicos indicadores que oscilaram para cima foram furtos ao comércio (43,88%) e furtos em residências (15,70%). “Instituímos uma nova modalidade de registro online desses crimes e as pessoas estão confiando mais ao abrir as ocorrências. São crimes que nos preocupam e já estamos trabalhando em ações para coibi-los”, destacou o secretário.

Além de crimes de violência, SSP destaca apreensão de drogas

Na comparação entre maio de 2019 e o mesmo mês do ano passado, homicídios apresentaram queda de 9,26%. Tentativas deste mesmo crime caíram 20,73%. Destaque, ainda, para a redução de 81,82% nos casos de latrocínio.

Além disso, a Secretaria enfatizou a apreensão de entorpecentes pelas forças policiais. Conforme a SSP, de janeiro a maio deste ano, as polícias Civil e Militar apreenderam 30,7 toneladas de drogas em todo o estado, o que representa um aumento de 156,56% na comparação com o mesmo período do ano passado. O número de mandados de prisão cumpridos cresceu 42,28% e o de prisões em flagrante 6,89%

Foram realizadas 8.620 operações de segurança pública. O aumento, nos primeiros cinco meses de 2019, é de 221,88%. As forças policiais apreenderam 2.781 armas de fogo. O aumento, neste sentido, é de 1,27%.

Via: SSP-GO 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Homens se passam por delegados para roubar empresa de gás, em Valparaíso

Crime ocorreu no dia 4 de maio. De acordo com a PC, os suspeitos usavam camisas idênticas ao uniforme funcional da Polícia Civil.
04/06/2019, 10h15

Um homem foi preso por policiais civis da 2ª Delegacia Distrital de Polícia (DDP) de Valparaíso de Goiás, suspeito de se passar por delegado para entrar, por meio de uma ordem judicial falsa, e roubar uma empresa distribuidora de gás na cidade. O crime ocorreu no dia 4 de maio. Um comparsa já havia sido preso. Os falsos delegados responderão por roubo e outras contravenções.

De acordo com informações da Polícia Civil, no dia do crime, Jairo Junio Gomes de Oliveira e o comparsa, que não teve o nome divulgado, se passaram por delegados de polícia e, sob o argumento de que detinham uma ordem judicial para adentrar no imóvel, conseguiram permissão para acessar as dependências da empresa e praticar o crime.

Homens se passam por delegados para roubar empresa de gás, em Valparaíso
Foto: Reprodução/PCGO

Homens que se passaram por delegados usavam uniformes da PC

Ainda conforme a corporação, os homens se apresentaram na empresa ‘Dinah Gás’ vestidos com camisas que imitavam o uniforme funcional da Polícia Civil. Câmeras de segurança do estabelecimento flagraram toda a ação dos suspeitos.

O comparsa de Jairo já havia sido preso. Nesta segunda-feira (3/6), o Jairo foi identificado e localizado por agentes civis plantonistas da 2ª Delegacia Distrital de Polícia (DDP) de Valparaíso de Goiás, que cumpriram o mandado de prisão preventiva em aberto contra ele.

De acordo com a PC, após a prisão dos envolvidos, eles foram indiciados pelo crime de roubo circunstanciado, bem como pelas contravenções praticadas, tanto por se passarem por funcionário público, quanto por usarem, publicamente, uniforme de função pública que não exerciam.

Conforme o artigo 307 do Código Penal, nesses casos, além dos outros crimes, os suspeitos podem responder por falsa identidade, que consiste em “atribuir-se ou atribuir a terceiro falsa identidade para obter vantagem, em proveito próprio ou alheio, ou para causar dano a outrem”. Só para essa contravenção, a pena pode ser de 3 meses a 1 ano de prisão.

Imagens: Facebook 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Educação

Onda de violência em escola de Goiânia provoca desespero e protesto de mães

Organizadas, mães de alunos fizeram um protesto na manhã desta terça-feira (4/6) na entrada da Escola Municipal Renascer, em Goiânia.

Por Ton Paulo
04/06/2019, 10h18

Alegando descaso por parte da pasta responsável e temor pela segurança dos filhos, mães de alunos fizeram um protesto na manhã desta terça-feira (4/6) na entrada de uma escola de Goiânia, de gestão municipal, bloqueando a entrada de estudantes e reivindicando medidas de segurança emergenciais para a escola. Elas defendem que o ato foi a última alternativa para chamar a atenção do Poder Público, uma vez que alunos armados, ameaças de morte e casos de violência se tornaram rotina no lugar.

O grupo de aproximadamente 15 mães chegou à Escola Municipal Renascer, no Residencial Real Conquista, por volta das 6h30 de hoje, bloqueando a entrada do local e impedindo a entrada dos alunos que chegavam. As mulheres, mães de alunos, contam que se organizaram depois que se mostraram infrutíferas as tentativas de negociação com a Secretaria Municipal de Educação (SME) para aumentar a segurança da escola.

Uma mãe ouvida pela reportagem do Dia Online, que não quis se identificar, disse que sente medo ao deixar a filha de 8 anos na escola todos os dias. Segundo a mulher, a Escola Municipal Renascer, que oferece Educação Infantil, Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos – Supletivo para a população da região, tem sido um lugar totalmente inseguro para as crianças e adolescentes. “Os casos de violência são frequentes, são muitos. Alunos que vêm armados com facas, que ameaçam os outros dentro da escola e na saída. Teve uma vez que um rapaz ficou armado na porta da escola ameaçando os estudantes que saíam”, revela.

Onda de violência em escola de Goiânia provoca desespero e protesto de mães
Foto: Facebook

Ainda conforme a mãe, a direção da escola faz o possível para conter o clima de violência que se instala no ambiente composto majoritariamente por crianças e adolescentes, mas a escola já não conta com o apoio do Poder Público. Uma reunião realizada na escola na última segunda-feira (3/6) com um representante da SME e pais de alunos teria sido um demonstrativo do que as mães chamam de “descaso”.

“A Secretaria não faz nada! Nada! Nós já desistimos. Ontem teve a reunião aqui na escola, ele [representante da SME] falou o que quis, disse que iria implantar medidas de longo prazo contra a violência na escola, mas quando quisemos falar e expor as demandas, ele simples nos ignorou e foi embora. Precisamos medidas de curto prazo, isso é urgente!”, desabafa.

Mães relatam ameaças de morte

O clima de violência na escola, de acordo com as mães, tem se tornado insustentável. Uma das mães conta que existe um grupo no WhatsApp onde elas conversam sobre a insegurança na escola. Segundo ela, recentemente um desconhecido conseguiu se infiltrar no grupo e, após adquirir conhecimento do teor das conversas das mães, fez ameaças de morte a várias delas.

Elas contam que o protesto, que teve início por volta das 6h30, teve que se dissipar depois da chegada da Polícia Militar (PM), que chegou por volta das 8h30 e ordenou a abertura da entrada para os alunos.

SME se manifesta sobre protesto de mães contra onda de violência em escola de Goiânia

Procurada pela reportagem do Dia Online, a Secretaria Municipal de Educação disse que está a par dos acontecimentos na escola. A secretaria informou ainda que já tomou as medidas cabíveis em relação à segurança dos alunos.

Veja abaixo:

“NOTA

A Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME) informa que está a par dos acontecimentos na Escola Municipal Renascer e já tomou todas as medidas cabíveis. O atendimento dos alunos foi regularizado desde a última segunda-feira, 3. A Pasta esclarece, ainda, que a Guarda Civil Metropolitana está fazendo rondas diárias no entorno da unidade e atuando com mais ênfase na entrada, recreio e saída dos estudantes para dar mais seguridade à comunidade escolar.”

A reportagem do Dia Online também entrou em contato com a escola, mas segundo uma funcionária a diretora estava em reunião no momento.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.