Economia

Estado de Goiás paga 3ª parcela do salário de dezembro a servidores nesta sexta (31)

Conforme a Secretaria da Economia, as outras parcelas já quitadas foram liberadas em março e de abril.

Por Ton Paulo
30/05/2019, 12h01

Secretaria da Economia do Estado de Goiás anunciou que a terceira parcela do pagamento escalonado do salário de dezembro de 2018 será paga aos servidores nesta sexta-feira (31/5), seguindo o cronograma divulgado anteriormente. Conforme a pasta, as outras parcelas já quitadas foram liberadas em março e de abril.

Segundo a secretaria, a intenção do governo de Goiás agora é “quitar os vencimentos de ativos, inativos e pensionistas que recebem valor líquido de até R$ 5.660,00 de todas as Secretarias e órgãos”. Entretanto, para membros da Educação, a faixa salarial dos ativos será de até R$ 5.800,00, e para os inativos, de R$ 4.392,00; e para a Segurança Pública, tanto ativos como inativos, no valor de até R$ 8.500,00. Ainde de acordo com a secretaria, estes valores são líquidos.

Estão incluídos na Segurança Pública o Corpo de Bombeiros, Casa Militar, Secretaria da Segurança Pública, Polícias Civil e Militar, Superintendência Geral de Administração Penitenciária e os servidores de estabelecimentos sócios-educativos. A Secretaria da Economia informou também que com a liberação dessa parcela, que atinge 21.511 servidores, o governo estadual vai quitar o vencimento de dezembro de 81,89% dos servidores do Executivo.

Todos os servidores dos demais Poderes, segundo a pasta, já receberam o salário de dezembro em janeiro, assim como o Ministério Público, a Defensoria Pública e os servidores das Secretarias de Saúde e do Trabalho.

MP havia pedido bloqueio de dinheiro do Estado para pagamento de salário de dezembro dos servidores

Uma ação movida pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO) em fevereiro deste ano, na pessoa da promotora Carmen Lúcia Santana de Freitas, pediu o bloqueio de R$ 763 milhões de reais das contas do Estado de Goiás para o pagamento de salário de servidores, referente a dezembro do ano passado, em atraso. Na ação, a promotora chegou a citar relatos recebidos de servidores desesperados pelo não pagamento dos salários.

Constava no pedido do MP-GO que o bloqueio do valor em questão era o suficiente para pagar os servidores ativos e inativos que esperavam receber o pagamento do salário de dezembro.

Via: Sefaz 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Saúde

Bombeiros descartam risco de incêndio e aprovam reparos no Materno Infantil

Segundo a Saúde de Goiás, as 17 adequações na estrutura do prédio, exigidas pela Justiça do Trabalho, já foram finalizadas.
30/05/2019, 12h10

O Corpo de Bombeiros de Goiás (CBMGO) atestou as adequações na estrutura do prédio do Hospital Materno Infantil (HMI), em Goiânia, além de descartar o risco de incêndio no local. O Certificado de Conformidade (Cercon) da unidade de saúde foi emitido nesta quarta-feira (29/5). De acordo com a Secretaria de Saúde de Goiás (SES-GO), foram realizadas as 17 adequações exigidas pela Justiça do Trabalho, após uma vistoria constatar irregularidades como superlotação,  degradação do prédio, além de problemas no sistemas hidráulico e elétrico.

A Justiça do Trabalho, que suspendeu termo de interdição emitido pelo Ministério do Trabalho, exigiu que as adequações fossem feitas até esta quinta-feira (30/5), após pedido de dilação de prazo. As obras de reparos incluíram a troca do teto do hospital, climatização da cozinha, adequação do piso das escadas e rampas, manutenção nas instalações elétricas e no sistema de detecção de incêndio, a retirada de cilindros de GLP da central de gás, construção de rotas de fuga sinalizadas, além de documentações exigidas, como o certificado de brigada de incêndio.

A perícia técnica, que deve aprovar ou não essas adequações no Materno Infantil, está marcada para 11 de junho e deve ser feita pela engenheira mecânica e de segurança do trabalho e perita nomeada pela Justiça no processo, Raquel Cicutto de Faria.

MP de Goiás chegou a pedir interdição total do Materno Infantil

No mês de abril, após uma auditoria de quatro meses na unidade, acompanhada de perto pelo Ministério Público Federal (MPF), a Superintedência Regional do Trabalho (SRT) determinou a interdição total da unidade hospitalar. Além da SRT e o MPF, participaram da ação fiscais do Conselho Regional de Farmácia.

De acordo com levantamento feito pelo MPF e pela SRT-GO, foram encontrados na unidade, além de outras irregularidades, péssima estrutura arquitetônica e hidráulica; superlotação e degradação predial; risco de degradação de medicamentos nos postos de enfermagem; insuficiência de medicamentos; ineficiência do controle de pragas e vetores e completa desorganização ocupacional imposta aos trabalhadores.

O Governo de Goiás impetrou uma ação cautelar pedindo a anulação do termo de interdição do HMI, em Goiânia. No dia 3 de maio a Justiça do Trabalho suspendeu a interdição da unidade e exigiu que as adequações fossem realizadas em caráter de urgência.

Imagens: Portal 6 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Suspeita de sequestro de bebê na Nascer Cidadão saiu mais cedo do plantão

Técnica de enfermagem está sendo ouvida pela polícia.
30/05/2019, 12h37

Técnica de enfermagem suspeita de sequestrar um bebê de quatro dias na Maternidade Nascer Cidadão é funcionária da unidade há pelo menos 7 meses na unidade, Goiânia. Ela entrou com contrato temporário pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) após processo seletivo.

A suspeita, que prestou depoimento no final da manhã no 22° Distrito Policial de Goiânia, pediu para sair mais cedo no final do plantão de ontem (29/5), dia em que criança desapareceu. Após o depoimento, a suspeita com o delegado em uma viatura policial. A reportagem ainda não conseguiu a defesa da suspeita.

Fontes da Maternidade Nascer Cidadão contaram para a reportagem do Dia Online que dias antes ela demonstrava interesse pelo bebê.

Outra funcionária disse, ainda, que dois casais foram juntos à unidade de saúde insistindo para ter informações sobre o bebê que nasceu na última sexta-feira (24/5).

O bebê foi sequestrado na Maternidade Nascer Cidadão, no Jardim Curitiba na noite de quarta-feira (29/5).

O conselheiro tutelar Júnior Borges Leite, em entrevista ao Jornal do Meio Dia, disse ao Serviço Social do hospital que daria o bebê para a adoção. “A criança ficou acolhida e a mãe foi embora”. O conselheiro disse que tem câmeras, mas que não teve acesso ainda.

“Assim que foi descoberto o desaparecimento do bebê, prontamento foi comunicado à Guarda Municipal e Polícia Militar”.

Para o conselheiro Júnior Borges, quem levou a criança certamente é alguém que tem conhecimento do funcionamento do hospital.

O bebê foi abandonado pela mãe na unidade de saúde.

Sequestro na Maternidade Nascer Cidadão é confirmado pela polícia

De acordo com a Polícia Militar de Goiás (PMGO), o caso foi registrado na delegacia próxima a Maternidade. A reportagem entrou em contato com a Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM) da Região Noroeste, que confirmou a ocorrência de sequestro.

Equipes da Polícia Civil apuram o caso e tentam localizar o bebê. Alguns servidores da unidade estão sendo ouvidos na manhã desta quinta-feira (30/5) inclusive a suspeita.

Sob a responsabilidade do delegado  Wellington Ferreira Lemos, do 22º DP, as investigações seguem em sigilo, conforme a Polícia Civil informou por meio de nota.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Identificada técnica de enfermagem suspeita de sequestro de bebê, em Goiânia

Além de ter pedido para sair mais cedo, suspeita fez movimentações estranhas na maternidade.
30/05/2019, 14h22

A polícia prendeu a técnica de enfermagem Elenita Aparecida Lucas. Ela é suspeita de ter sequestrado um recém-nascido na Maternidade Nascer Cidadão, em Goiânia, na última quarta-feira (30/5).

O delegado Wellington Ferreira Lemos, do 22º Distrito Policial, ouviu a suspeita e, em seguida, a levou dentro de uma viatura para dirigências. O policial não se pronunciou ainda.

Segundo informações de funcionários da unidade que pediram anonimato, Elenita trabalha há pelo menos 7 meses no local. Ela entrou por meio de um contrato temporário pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) após processo seletivo.

A suspeita, que prestou depoimento no final da manhã no 22° Distrito Policial de Goiânia, pediu para sair mais cedo no final do plantão de ontem (29/5), dia em que criança desapareceu. Outro indício é de que ela se movimentou estranhamente na ala em que o bebê estava internado.

A mesma fonte informou para a reportagem do Dia Online que a técnica disse para uma coordenadora do hospital que o marido havia sofrido um acidente. Era a justificativa para sair mais cedo, como você pode ler aqui. A técnica teria saído às 5h da madrugada com uma sacola e uma jaqueta, como registraram imagens de monitoramento.

Técnica suspeita de sequestro de bebê na Nascer Cidadão teria tido interesse no bebê

Fontes da Maternidade Nascer Cidadã contaram ainda para a reportagem do Dia Online que dias antes ela demonstrava interesse pelo bebê.

Outra funcionária disse que dois casais foram juntos à unidade de saúde insistindo para ter informações sobre o bebê que nasceu na última sexta-feira (24/5).

O conselheiro tutelar Júnior Borges Leite, em entrevista ao Jornal do Meio Dia, disse ao Serviço Social do hospital que daria o bebê para a adoção. “A criança ficou acolhida e a mãe foi embora”. O conselheiro disse que tem câmeras, mas que não teve acesso ainda.

“Assim que foi descoberto o desaparecimento do bebê, prontamento foi comunicado à Guarda Municipal e Polícia Militar”.

Para o conselheiro Júnior Borges, quem levou a criança certamente é alguém que tem conhecimento do funcionamento do hospital.

O bebê foi abandonado pela mãe na unidade de saúde. Ela foi ouvida pela Polícia Civil.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Trânsito

Acidente na BR-153 envolvendo carros, caminhão e moto deixa feridos

Ao todo, dois carros de passeio, um caminhão e uma moto foram afetadas no abalroamento.

Por Ton Paulo
30/05/2019, 15h19

Um acidente na BR-153  envolvendo quatro veículos foi registrado na manhã desta quinta-feira (30/5), em Goiânia, e deixou duas pessoas feridas. Ao todo, dois carros de passeio, um caminhão e uma moto foram afetadas no abalroamento.

Tanto o Corpo de Bombeiros quanto a Polícia Rodoviária Federal (PRF) atuaram no resgate às vítimas do acidente, que aconteceu por volta de 8h40 de hoje no Km 491 da BR-153, no sentido Goiânia-Anápolis, próximo ao Aeroporto Santa Genoveva.

De acordo com os bombeiros, a corporação foi acionada para socorrer duas vítimas que saíram feridas do acidente envolvendo os dois carros, o caminhão e a moto. As equipes da ASA-94 e UR-96 atuaram no resgate das vítimas que foram imobilizadas. Uma delas apresentava escoriações e suspeita de fratura no pé direito e foi encaminhada com vida ao Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO). A outra, também com escoriações, recusou atendimento.

Os outros dois envolvidos no acidente não se machucaram. A operação de resgate contou com apoio da Polícia Rodoviária Federal.

Veja abaixo as fotos do momento do resgate:

Outro acidente na BR-153 deixou caminhões destruídos

No dia 26 de março deste ano, um acidente envolvendo dois caminhões deixou um trecho da BR-153 em Porangatu, a 410 quilômetros de Goiânia, interditado durante quase todo o período da manhã, além de ter espalhado combustível por toda a pista. Por incrível que pareça, devido ao estado amorfo que ficaram os caminhões após o acidente, nenhum dos dois motoristas sofreu ferimentos graves.

De acordo com o Tenente André, do Corpo de Bombeiros, na ocasião, a corporação foi acionada por volta das 9h do dia para atender a uma ocorrência de acidente com vítimas no Km 55 da BR-153, em Porangatu. Segundo ele, ao chegarem no local, os bombeiros constataram que um dos motoristas já havia sido levado por terceiros para o hospital. Testemunhas contaram à corporação que o motorista seguiu consciente para o hospital e até ajudando na locomoção.

Já o outro motorista, segundo o Tenente, nem sequer foi atendido e recusou ir para o hospital.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.