Goiás

UniRV cede 10 computadores a PM de Rio Verde

"A assinatura do acordo não tem uma contra partida para universidade, é uma seção de uso dos equipamentos para a sociedade rioverdense, é para a segurança da nossa cidade", explica o reitor da UniRV.
28/05/2019, 21h11

O reitor da Universidade de Rio Verde (UniRV) professor Tatão assinou nesta terça-feira (28/5) um termo em que a universidade cede 10 computadores ao batalhão da Polícia Militar do Estado de Goiás (PMGO) de Rio Verde.

Além do professor Tatão, os comandantes da PM no município estiveram presente na assinatura do termo. “A assinatura do acordo não tem uma contra partida para universidade, é uma seção de uso dos equipamentos para a sociedade rioverdense, é para a segurança da nossa cidade”, explica o reitor da UniRV.

De acordo com o professor Tatão, a universidade tem que colaborar sim com a segurança pública do município e por isso atendeu ao pedido dos comandantes do policiamento da cidade. A coronel Silvana, que esteve na solenidade de assinatura do termo fez questão de agradecer o apoio da UniRV ao ceder os equipamentos.

Comandante da PM de Rio Verde afirmou que parceria com a UniRV vai permitir uma trabalho mais eficaz da polícia no município

“A parceria é importante pois ela aproxima a polícia militar da comunidade e estamos felizes que a universidade abriu essa porta”, comenta a coronel. A comandante afirmou que o acordo vai proporcionar um trabalho mais eficaz por parte da PM junto à comunidade.

“Hoje nós trabalhamos em rede e todas nossas informações são compartilhadas com todas as forças de segurança municipal, estadual e federal”, explica a Coronel Silvana. De acordo com a Coronel, além de aproximar a polícia da sociedade, a parceria vai permitir um trabalho mais ágil e profissional da PM e quem sai ganhando é a comunidade.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Correios fecham nove agências em Goiás até início de julho; veja lista

Ao todo, 161 unidades serão fechadas no país até o dia 5 de julho. Serviços e funcionários serão remanejados para agências próximas.
29/05/2019, 07h53

Até o dia 5 de julho, os Correios encerrarão os serviços de 161 agências em todo o país. Em Goiás, nove unidades serão fechadas, sendo cinco em Goiânia, duas em cidades do interior e outras duas na Região Metropolitana da capital. De acordo com comunicado da estatal, a medida é uma “sequência ao processo de readequação da rede de atendimento iniciado em 2018”.

A maioria das unidades que serão desativadas ocupa imóveis alugados e está sombreada por outras. O objetivo, além da economia, é “assegurar maior produtividade e garantir unidades rentáveis.” Os Correios garantem ainda que o fechamento dessas unidades será feito sem comprometer e causar prejuízos à prestação dos serviços e produtos.

Agências dos Correios fechadas em Goiás

Conforme lista divulgada pela empresa, o maior número de fechamentos deve ocorrer no Rio de Janeiro e São Paulo, que terão respectivamente 24 e 15 postos desativados. Entre as capitais afetadas também estão Salvador, Fortaleza e Porto Alegre. Em Goiás, nove agências serão descontinuadas. Ainda segundo a publicação dos Correios, “o atendimento será absorvido por outras agências próximas.”

Veja abaixo as unidades que serão fechadas no estado e em seguida a agência mais próxima que ficará responsável pelo serviços:

Anápolis

  • AC Jamel Cecílio / Agência próxima: AC Anápolis – Vila Nossa Senhora da Abadia
  • AC Jayara / Agência próxima: AC Anápolis – Vila Nossa Senhora da Abadia

Goiânia

  • AC FIEG – Setor Leste Vila Nova / Agência próxima: AC Pedro Ludovico
  • AC Jardim Ana Lúcia / Agência próxima: AC Canaã – Setor Cidade Jardim
  • AC Nova Esperança / Agência próxima: AC Portal Shopping – Bairro Capuava
  • AC Pátio do Lago – Setor Bueno / Agência próxima: AC Nova Suíça
  • AC UFG CAMPUS II / Agência próxima: AC Urias Magalhães

Itumbiara e Rio Verde

  • AC Santos Dumont – Setor Planalto / Agência próxima: AC Itumbiara – Setor Central
  • AC Bairro Popular / Agência próxima: AC Rio Verde – Setor Central

Servidores de agências fechadas serão realocados

Em relação aos servidores que atuam nessas unidades, a empresa esclareceu que todos serão transferidos para outras agências ou poderão optar pelo reenquadramento de atividade. Para conferir a lista completa de unidades que serão fechadas no país, até 5 de julho, acesse o link https://saladeimprensa.correios.com.br/wp-content/uploads/2019/05/AGENCIAS2019_-ATUALIZADA_22-5.pdf

Via: Correios 
Imagens: Frenet 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Polícia reconstitui caso de professora agredida por assessor de vereador em Goiânia

O mulher foi agredida em março depois de tentar impedir o assessor de colocar um faixa de agradecimento ao político na entrada do Cmei.

Por Ton Paulo
29/05/2019, 08h41

A Polícia Civil faz na manhã desta terça-feira (29/5) uma reconstituição do caso da professora agredida na entrada de um Centro Municipal de Educação Infantil (Cmei) de Goiânia pelo assessor de um vereador do município, em março deste ano. O mulher foi agredida depois de tentar impedir o assessor de colocar um faixa na entrada do Cmei.

A reconstituição será feita pelo delegado Germano Cesar de Castro Melo, titular da 15ª Delegacia Distrital de Polícia (DDP) de Goiânia, e será uma reprodução simulada do caso que aconteceu no di 13 de março deste ano e teve bastante repercussão. A agressão ocorreu no Cmei do Buena Vista 1, em Goiânia. A professora Keilly Mágila Gonçalves Assis Moura foi agredida (veja o vídeo aqui) na porta da escola pelo assessor do vereador Paulo Magalhães, que colocava uma faixa em agradecimento ao político na entrada do Cmei.

O Cmei onde será feita a reconstituição fica na Rua João Amorele, APM 01, Lt. 01, Setor Residencial Buena Vista I, Goiânia. Um inquérito policial foi instaurado para apurar o fato. Até o momento, a Polícia Civil já ouviu todas as pessoas envolvidas no caso: testemunhas, a vítima, o autor e um filho do vereador que emprestou o carro para colocação da faixa. Todos os laudos já ficaram prontos. Assim que o laudo da reprodução simulada for finalizado, o delegado concluirá o inquérito.

O autor poderá ser indiciado por tentativa de lesão corporal de natureza grave, por ter colocado em risco a vida da vítima.

Relembre o caso da professora agredida na porta do Cmei

O caso aconteceu numa quarta-feira, dia 13/3 deste ano. A diretora do Cmei do Residencial Buena Vista I, em Goiânia, Keilly Mágila, foi agredida na entrada da instituição por um homem que estaria a serviço do vereador Paulo Magalhães e tentava colocar uma faixa na frente da instituição em agradecimento ao político.

De acordo com a assessoria do vereador Paulo Magalhães na época, logo após tomar conhecimento do ocorrido, o político solicitou a exoneração do servidor. “O vereador lamenta profundamente o ato e deixa claro não compactuar com qualquer ato de violência, sobretudo, contra as mulheres”, disse a nota.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

PC procura dono de R$ 12 mil encontrados por adolescentes no interior de Goiás

Dinheiro foi encontrado dentro de um saquinho de arroz, escondido em uma parede falsa de um prédio abandonado, em Santa Rosa de Goiás.
29/05/2019, 09h35

A Polícia Civil de Santa Rosa de Goiás, interior do estado, procura pelo dono dos R$ 12 mil encontrados por três adolescentes em um prédio abandonado na cidade. O dinheiro estava dentro de um saco plástico, escondido em uma parede falsa da cozinha; no local funcionava uma creche da Prefeitura.

Gabriel Valentim de Souza, de 13 anos, Marcos Antônio de Araújo, de 12, Bruno Feliciano da Silva Santos, de 13, e Luiz Augusto Araújo, de 16 anos,  jogavam futebol no prédio quando a bola foi parar na cozinha. Durante a brincadeira, eles vasculharam o local e encontraram, dentro do fundo falso de uma parede, a quantia embrulhada em um saquinho de arroz.

Polícia procura dono de R$ 12 mil encontrados por adolescentes no interior de Goiás
Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Em seguida, os meninos, que são de famílias humildes, decidiram procurar a polícia para devolver o dinheiro. O caso foi publicado nesta terça-feira (28/5), pelo site G1. Em entrevista à TV Anhanguera, os pais dos adolescentes se disseram orgulhosos da atitude dos filhos. “Foi digno”, destacou um deles.

PC procura dono de R$ 12 mil encontrados pelos adolescentes em Goiás

Os R$ 12 mil foram entregues ao sargento da Polícia Militar, José Gracia Neto, que logo registrou uma ocorrência e entregou o valor na Delegacia da cidade. Em entrevista à emissora, ele contou que ele e outros PMs estavam no destacamento quando os meninos chegaram contando que havia achado um saco com dinheiro. “Fizemos a contagem do valor, registramos a ocorrência e fomos para a delegacia”, explicou.

De acordo com moradores da região, um senhor aposentado, que recolhia materiais reciclados nas ruas, morou por um tempo no prédio abandonado, mas ele morreu há cerca de dois anos.

Agora a Polícia Civil de Santa Rosa de Goiás apura as informações e tenta encontrar a família desse antigo morador do prédio, que seria o dono do dinheiro. Até a conclusão das investigações, segundo a PC, o dinheiro ficará em uma conta judicial.

Via: G1 
Imagens: G1 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Polícia prende vigilante que matou porteiro por causa de bola de papel em Itumbiara

O vigilante Wallas Gomes de Lima executou o colega de trabalho Guilherme Alves Pereira por motivo banal, sem dar à vítima nenhuma chance de defesa.

Por Ton Paulo
29/05/2019, 10h45

A Polícia Civil do Estado de Goiás, através do 2ª Distrito Policial de Itumbiara/6ªDRP, prendeu na manhã desta quarta-feira (29/5) Wallas Gomes de Lima, de 27 anos, acusado de ter matado o porteiro e colega de trabalho Guilherme Alves Pereira, de 23, em outubro do ano passado por causa de uma discussão em torno de uma bola de papel. Wallas, que trabalhava como vigilante no condomínio de luxo em Itumbiara, onde o crime aconteceu, executou Guilherme Alves com tiros a queima roupa, mesmo com a vítima em posição indefesa.

Desde a ocorrência do crime, no dia 13 de outubro de 2018, Polícia Civil procurava pelo criminoso, de 27 anos, que teve sua prisão Preventiva decretada no mesmo dia do ocorrido e deferida mediante representação da Polícia Civil.

Nas últimas semanas, a Polícia Civil realizou várias diligências na tentativa de capturar o foragido. A corporação, então, iniciou negociações com a defesa de Wallas, e este apresentou-se na sede da Distrital no início da manhã de hoje.

Ele agora segue para o Presídio Regional de Itumbiara, onde passa à disposição do Poder Judiciário.

Vigilante matou colega em condomínio de Itumbiara por motivo banal e de forma fria

Na época do crime, a Polícia Civil constatou que o vigilante Wallas, acusado de matar Guilherme no dia 13/10 do ano passado, provocava a vítima praticamente o tempo todo, mas a mesma não reagia. Apesar de nunca ceder às provocações, Guilherme acabou sendo morto. Imagens de câmeras de segurança do condomínio fechado em Itumbiara, onde ambos trabalhavam, mostram o momento chocante do homicídio. Segundo a corporação na ocasião, o assassinato teria ocorrido após uma discussão por conta de uma bola de papel jogada no chão.

De acordo com o delegado Vinícius Penna, responsável pelo caso, a um jornal local na época, Wallas, que foi preso hoje, implicava constantemente com o colega. O motivo da rixa ainda é desconhecido. Nas imagens que flagram o crime, Guilherme é rendido pelo suspeito, armado, mas não esboça qualquer reação. O delegado chegou a declarar que só viu tamanha frieza em filmes como ‘A Lista de Schindler’.

Via: G1 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.