Brasil

Movimentação de talude em Barão de Cocais acelera e atinge até 20 cm, diz ANM

A previsão da agência era de que rompimento ocorresse até ontem.
26/05/2019, 16h00

O talude norte da mina de Gongo Soco da mineradora Vale em Barão de Cocais (MG) passou a se movimentar 20 centímetros por dia em alguns pontos isolados e 15,7 centímetros por dia em sua porção inferior, segundo informações divulgadas pela Agência Nacional de Mineração (ANM). No sábado, 25, no boletim anterior publicado pela agência, a velocidade da movimentação era de 14,1 centímetros por dia na parte inferior e 19 centímetros por dia nos pontos mais críticos. A previsão da agência era de que rompimento ocorresse até ontem.

A Defesa Civil continua monitorando a movimentação do talude, conforme informações da Agência Brasil. O risco de rompimento segue no nível 3, o mais alto, de acordo com o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico da cidade e membro efetivo da Defesa Civil. O receio das autoridades é que o rompimento possa atingir a barragem sul superior, 1,5 quilômetro abaixo da contenção do talude norte.

A Vale avisou autoridades acerca da movimentação do talude no último dia 13, quando a movimentação era de 4 centímetros por dia – a previsão anunciada pela companhia era de que o talude desmoronaria entre o último dia 19 e este final de semana. A barragem da mineradora está localizada a 100 quilômetros de Belo Horizonte.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Manifestantes pedem aprovação da reforma da previdência, em Goiânia

Além da reforma da previdência grupo pede também a aprovação do "pacote anticrime".
26/05/2019, 17h00

Com o pedido para que a reforma da previdência e o “pacote anticrime” sejam aprovados, um grupo de manifestantes se reuniu na tarde deste domingo (26/5) em frente a sede da Polícia Federal (PF) em Goiânia. O grupo começou a se aglomerar no local a partir das 14h e o protesto teve início às 15h. Os organizadores da mobilização alugaram um trio elétrico e interditaram completamente a Avenida Edmundo Pinheiro de Abreu.

A Polícia Militar do Estado de Goiás (PMGO) acompanha de perto o protesto, mas ainda não informou a quantidade de pessoas que participam da manifestação, em Goiânia.

Vale lembrar que as manifestações são uma resposta, aos protestos do último dia 15 de Maio, contra o contigenciamento da verba da educação proposta pelo governo federal.

Entre as exigências dos manifestantes estão as aprovações da Reforma da Previdência e do pacote anticrime

Uma das prioridades do governo federal neste primeiro semestre é aprovar a reforma da previdência proposta pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. A reforma segue sendo discutida na Câmara dos Deputados e no Senado Federal,  prevê uma economia de R$ 1,2 trilhão em 10 anos. Porém há especialistas que afirmam que a mudança com a reforma pode ser menor do que o estimado pelo governo.

Outra exigência dos manifestantes da tarde deste domingo, é que o “pacote anticrime” apresentado pelo ministro Sérgio Moro também seja aprovado, pois a proposta tem como objetivo, um combate maior à corrupção, ao crime organizado e crime violentos. Entre o itens da proposta estão a criminalização do caixa 2, prisão após condenação em segunda instância como regra no processo penal e penas mais rigorosas.

Em sua maioria os manifestantes estavam usando roupas com as cores da bandeira do Brasil, verde e amarela e com a própria bandeira nacional, além de cartazes pedido a aprovação das propostas do governo federal.

Via: G1 
Imagens: G1 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Entretenimento

Ivete Sangalo é uma das mulheres mais poderosas do Brasil, segundo Forbes

A seleção também traz o nome de Rosa Weber, ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e reúne diversas executivas.
26/05/2019, 17h36

A Forbes divulgou neste sábado, 25, em seu site a lista das 20 mulheres mais poderosas do Brasil. O ranking, que foi publicado originalmente na edição de fevereiro da revista, traz personalidades como a cantora Ivete Sangalo, a influenciadora digital Camila Coelho, as atletas Marta e Maya Gabeira.

A seleção também traz o nome de Rosa Weber, ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e reúne diversas executivas.

Veja a lista das 20 mulheres mais poderosas do Brasil, segundo a Forbes:

Alice Ferraz, CEO e fundadora da plataforma de blogs Fhits

Ana Fontes, CEO da Rede Mulher Empreendedora (RME) e presidente do Instituto RME

Ana Paula Assis, presidente da IBM para a América Latina

Ana Paula Bógus, general manager da Kimberly-Clark Professional Brasil

Camila Coelho, influenciadora digital

Camilla Junqueira, CEO da Endeavor

Gabriela Manssur, promotora de justiça do MP do Estado de São Paulo

Ivete Sangalo, cantora, atriz e apresentadora

Juliana Azevedo, presidente da Procter & Gamble Brasil

Luciana Marsiano,diretora-geral da Tiffany & Co. no Brasil

Maria Silvia Bastos Marques, presidente e CEO da Goldman Sachs Brasil

Marta, jogadora de futebol

Maya Gabeira, surfista

Nina Silva, CEO do Movimento Black Money

Patrícia Villela Marino, presidente do Humanitas360 e cofundadora do Civi-co

Renata Campos, head da Takeda Brasil

Rosa Weber, ministra do STF e do TSE

Sandrine Ferdane, CEO do BNP Paribas Brasil

Viveka Kaitila, presidente e CEO da General Electric Brasil

Vivien Rosso, CEO do A.C.Camargo

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

O assassinato do jornalista que denunciava políticos no Rio de Janeiro

Jornalista que publicava reportagens denunciando políticos foi morto a tiros.
26/05/2019, 19h28

Robson Giorno, de 45 anos, era um crítico jornalista no município Maricá, no Rio de Janeiro, e pretendia ser prefeito quando, na noite de sábado (26/5) foi morto a tiros.

Segundo informações do Jornal O Dia, o jornalista estava na porta de casa às 22h no bairro Boqueirão quando foi baleado pelo atirador que se aproximou em um Palio prata.

Além de dono do jornal O Maricá, Giorno era filiado ao partido Avante e pretendia concorrer, no pleito do ano que vem, a prefeito.

Assim que soube da morte do jornalista, a Polícia Civil foi à região em que ocorreu o assassinato para colher depoimentos de familiares.

Os policiais procuraram testemunhas e imagens de câmeras de segurança que possam contribuir com a identificação do automóvel usado e os assassinos.

Segundo fontes ouvidas pelo repórter do Jornal O Dia, Rafael Nascimento, a polícia não vai descartar nenhuma hipótese de motivação, mas que a principal delas é a de crime político.

Dez dias antes de morrer, jornalista publicou reportagem contra político do Rio de Janeiro

O jornalista e sua equipe divulgaram diversas reportagens contra políticos locais. Dez dias antes de ser morto a tiros, Robson Giorno publicou uma investigação contra o deputado federal do PSL, Filippe Poubel.

Segundo a reportagem de Giorno, o deputado teria adquirido uma mansão na cidade avaliada em R$ 1 milhão.

A mesma reportagem investigativa indicava que o político do PSL não teria condições de comprar um imóvel com este valor já que ele teria declarado R$ 55 mil em bens.

Robson, depois de a reportagem ser publicada, disse que procuraria a Polícia Federal (PF) para que o órgão investigasse o caso.

Dias depois foi morto a tiros enquanto chegava caminhando em casa e sem realizar o sonho de ser prefeito do município.

Enquanto o corpo do jornalista era velado e sepultado, nenhuma palavra mais foi publicada no site O Maricá.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

O fim de Joãozinho, o menino que matou pela primeira vez aos 11 anos, em Goiás

Veja imagens que mostram momento em que Joãozinho foi morto com 6 tiros no meio da rua.
26/05/2019, 22h18

O Brasil conheceu a história do adolescente João Carlos de Souza Silva, de 14 anos, após reportagem do Domingo Espetacular, da Record TV, na noite de 26 de maio. Joãozinho, como era conhecido, foi assassinado a tiros, no Setor Vida Nova, na periferia de Trindade, em Goiás, no último dia 21.

Na ficha de Joãozinho arquivada em uma delegacia de Trindade, a cronologia de crimes que terminaria com o adolescente caído morto em cima da bicicleta, uma Monark preta, com seis perfurações pelo corpo franzino. Para policiais da cidade, a morte era questão de tempo.

Veja o vídeo:

Filho de pai, mãe e avô envolvidos com o tráfico de drogas, Joãozinho fez carreira precoce na criminalidade.

Aos 11 anos, foi apreendido pela primeira vez ao confessar que matou com um tiro Deuzelino Francisco da Conceição, de 56 anos, na tarde do dia 29 de outubro de 2015. Deuzelino era motorista e fazia entregas em um supermercado quando foi abordado por Joãozinho e um comparsa. Como a vítima disse que não tinha dinheiro, foi morta com um tiro.

Do final de 2015 até janeiro de 2019, o adolescente somou 13 passagens: latrocínio, receptação, tráfico de drogas, desobediências, posse de drogas, porte ilegal de arma de fogo, roubo, furto de veículo e desacato.

O fim de Joãozinho, o menino que matou pela primeira vez aos 11 anos, em GoiásDepois de provavelmente ter matado o motorista durante o assalto, Joãozinho, ainda uma criança, foi matriculado em uma escola e inscrito em um projeto da Polícia Militar. Ele não sofreu qualquer punição por conta do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

No primeiro dia de aula, no entanto, Joãozinho bateu em uma criança de 4 anos, ameaçado colegas, professores e até quebrou uma carteira. Ele acabou sendo transferido e, depois, abandonou os estudos.

Aos cuidados de um tio, Joãozinho transformou o cotidiano da casa que passou a morar. Agredia os primos e chegou a ameaça-los. Acabou sendo entregue ao Conselho Tutelar novamente conforme um relatório assinado pelo tio no dia 3 de março de 2016.

Órfão de pai traficantes, Joãozinho foi morar com avô, também traficante em Goiás

O fim de Joãozinho, o menino que matou pela primeira vez aos 11 anos, em Goiás
Foto: reprodução.

O pai de Joãozinho foi assassinado em 2011 a tiros. Em 2012, a mãe do menino morreu esfaqueada. Órfão, ele passou a morar com o avô, José Tavares de Miranda. Em fevereiro deste ano, José morreu na cadeia pública de Trindade, onde cumpria pena por tráfico de drogas.

Segundo a Polícia, Joãozinho assumiu o posto do avô. Envolvido com uma facção criminosa, foi executado enquanto conversava com rapazes em cima de sua bicicleta, uma “monark” preta. Ele vestia uma desgastada camisa do Goiás Esporte Clube.

Joãozinho foi sepultado em um cemitério público de Trindade três dias depois de ter sido assassinado. Apenas o tio compareceu ao velório que durou 30 minutos.

No enterro, apenas o barulho da terra caindo sobre o caixão do menino de 14 anos.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.