Economia

Começa despacho de bagagem de mão fora do padrão no aeroporto de Goiânia

Segundo a nova regra, válida a partir desta segunda-feira (13/5), a mala deve conter 55 centímetros de altura x 35 centímetros de largura e 25 centímetros de profundidade. Peso máximo é de 10 kg.
13/05/2019, 08h14

A partir desta segunda-feira (13/5), o Aeroporto Santa Genoveva, em Goiânia, passa a despachar bagagens de mão que estiverem fora do tamanho padrão. A nova regra passa a vigorar também nos aeroportos Salgado Filho, em Porto Alegre; Congonhas, em São Paulo; no Galeão, Rio de Janeiro; e Santos Dumont, também no Rio.

Desde a implementação da mudança, que tem como objetivo agilizar o fluxo dos clientes nas áreas de embarque e evitar atrasos, oito aeroportos já realizam a triagem das bagagens de mão, sendo eles: Juscelino Kubitschek (Brasília), Afonso Pena (Curitiba), Viracopos (Campinas/SP), Aluízio Alves (Natal), Confins (Belo Horizonte), Pinto Martins (Fortaleza), Guararapes (Recife) e Val-de-Cans (Belém). A partir do dia 23, o despache obrigatório passa a vigorar nos terminais Luis Eduardo Magalhães, em Salvador; e Internacional de São Paulo, em Guarulhos.

A campanha de orientação aos passageiros começou no dia 10 de abril. Segundo a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR), cada aeroporto tem um período de duas semanas para ações de caráter estritamente educativo. Após o prazo, as malas fora do padrão precisarão ser despachadas nos check-ins das companhias aéreas, estando sujeitas a cobranças de acordo com o tipo de franquia contratado para a viagem.

Novas regras para bagagem de mão

A bagagem de mão deve conter as seguintes medidas: 55 centímetros de altura x 35 centímetros de largura e 25 centímetros de profundidade, de acordo com padrões da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA, na sigla em inglês).  O peso máximo deve ser de 10 quilos. Segundo a Abear, a regra vale para voos dentro do Brasil ou que tenham o país como origem ou destino.

Conforme a Abear, as medidas são adotadas Avianca, Gol e Latam. A Azul deixou a associação no início de maio. A Passaredo também considera o limite de 10 quilos, mas determina as seguintes dimensões máximas: 55 cm X 35 cm X 22 cm. Já a MAP, por conta dos modelos de aeronaves que opera, tem como peso limite para a bagagem de mão 5 quilos e dimensões máximas de 55 cm X 35 cm X 22 cm.

Caso a mala ultrapasse as especificações da companhia, o passageiro pode despachá-la e pagar pelos quilos excedentes.

Via: Abear 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Pescador encontra cadáver boiando em represa de Goianésia

O pescador, que estava arrancando minhocas no local, acionou o Corpo de Bombeiros ao fazer a descoberta do cadáver.

Por Ton Paulo
13/05/2019, 08h28

Um homem que pescava em uma represa de Goianésia, município a 175 quilômetros de Goiânia, acabou encontrando, infelizmente, outra coisa maior e mais chocante além de peixes no início da manhã do último domingo (12/5). O homem, que estaria no local arrumando iscas para a pescaria acabou se deparando com um corpo já em estado de decomposição boiando na água.

Conforme informações adiantadas por um veículo da região, o corpo foi encontrado na Chácara do Carucho, região sul da cidade. O pescador, que estava arrancando minhocas no local, acionou o Corpo de Bombeiros ao fazer a descoberta do cadáver. A corporação, por sua vez, amarrou o corpo junto à margem e acionou a Polícia Civil, que ligou para a Polícia Técnico-Científica para que uma perícia fosse realizada.

Posteriormente, o corpo foi levado ao Instituto Médico Legal (IML) que fará exames no intuito de descobrir a causa morte. Entretanto, tudo indica que a morte tenha sido provocada por afogamento.

Ainda segundo o jornal local, o IML fará ainda exames cadavéricos no sentido de identificar a vítima, uma vez que nestes casos, como o corpo já estava em avançado estado de decomposição, apenas o reconhecimento de supostos familiares não é o suficiente. Ainda há a informação de que existe um morador da região que está desaparecido desde a noite de quarta-feira (8/5).

O jornal conta também que familiares desta suposta vítima estiveram no local alegando ser o desaparecido, no entanto, a real identificação da vítima só acontecerá após a realização dos exames.

Autoridades já possuem hipótese sobre a identidade de cadáver encontrado em represa de Goianésia

A primeira hipótese sobre a identidade do corpo encontrado é que este trata-se de José Lino Rodrigues, de 47 anos, morador da Rua 27 Sul, Bairro Eurípides Barsanulfo. A última vez que ele foi visto teria sido na quarta-feira no período noturno. Porém, nem a Polícia Técnico-Científica e nem o IML confirmaram sua real identificação. O corpo deverá passar por exames de Papiloscopia, ou até mesmo de DNA, caso não haja a identificação na primeira opção.

Via: Meganésia 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Homem vai à Câmara de Goiânia procurar emprego e é preso ao furtar celular da presidência

Caso ocorreu na tarde da última sexta-feira (10/5). O suspeito foi detido quando deixava o local com o aparelho escondido na mochila.
13/05/2019, 09h10

Um homem foi preso em flagrante depois de tentar furtar um celular da presidência do Legislativo, na Câmara Municipal de Goiânia. O caso ocorreu na tarde da última sexta-feira (10/5). Isaías Francisco dos Santos, de 41 anos, foi detido por agentes da pela Polícia Militar (PM) e da Guarda Civil Metropolitana (GCM) quando deixava o prédio. De acordo com informações da Câmara, Isaías foi ao Legislativo em busca de uma vaga de emprego.

A denúncia foi feita depois que um servidor da Câmara de Goiânia sentiu falta do telefone. Durante a abordagem, o aparelho foi encontrado na mochila de Isaías. O homem foi levado para a Central de Flagrantes, no Setor Cidade Jardim, onde a ocorrência foi registrada. Ele prestou depoimento no mesmo dia.

Após o ocorrido, o presidente da Casa, vereador Romário Policarpo (PROS), agradeceu o trabalho dos PMs e dos GCMs. “Os serviços prestados pela Guarda Metropolitana e pela Polícia Militar de Goiás no Legislativo têm justamente o objetivo proteger o patrimônio público e, em especial, a segurança de nossos servidores e visitantes. Felizmente, não se tratou de um caso mais grave”, afirmou Policarpo.

Cadastro de acesso à Câmara de Goiânia

Câmara Municipal de Goiânia adotou medidas para organizar o acesso de entrada à Casa, sendo uma delas o cadastro de visitantes. As mudanças foram tomadas depois de manifestações racistas contra o presidente Romário Policarpo (PROS) ocorridas durante a sessão legislativa em fevereiro deste ano.

Os dados dos visitantes, com foto, são armazenados para o registro de próximas entradas nas dependências da Câmara de Goiânia. De acordo com o presidente, as medidas não visam restringir a entrada da população e sim coibir, por meio da identificação, situações como a ocorrida na última quinta-feira.

“Não se trata, de forma alguma, de restringir o acesso ao Poder Legislativo, que continuará aberto a toda a população. A Câmara é a casa do povo, mas o cadastro vai colaborar para que situações como essa sejam evitadas”, explicou Romário Policarpo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Mundo

Guerrilha da Venezuela recebe míssil portátil

A Venezuela comprou 5 mil unidades desde 2010 e o país é de longe o maior usuário da América Latina.
13/05/2019, 09h10

A ameaça é leve, fácil de usar e eficiente – qualquer veículo aéreo que se desloque pelo espaço na distância entre 500 metros e 5,2 km, na altitude entre 10 metros e 3,5 mil metros, corre o risco de ser abatido bem depressa pelo míssil russo SA-24, o Igla-S, carregado com uma ogiva de 1,2 quilo de alto explosivo. A arma é portátil, para ser disparada por um homem só.

A Venezuela comprou 5 mil unidades desde 2010 e o país é de longe o maior usuário da América Latina. Agora, na hora da crise do regime de Nicolás Maduro, ameaçado por uma intervenção militar internacional, ele está repassando um número desconhecido de conjuntos de disparadores e de “agulhas” – como são chamados os mísseis finos e longos – para guerrilheiros do Exército de Libertação Nacional (ELN), da Colômbia, que se refugiam desde 2017 em 12 dos 23 Estados venezuelanos. A informação circula entre os serviços de inteligência de Brasil e EUA, a partir de fontes colombianas.

Autoridades da Defesa do regime de Maduro contestam a informação. Um dos líderes guerrilheiros, Israel Ramírez, disse, em vídeo gravado em Havana, que não há cooperação entre chavismo e ELN. Mas não é o que sustenta o general Luis Navarro, comandante colombiano, segundo o qual os rebeldes, “ou certo número deles”, receberam instrução de combate para uso do Igla-S.

A negativa da Venezuela é interpretada pelo analista Pedro Scarpa, ex-pesquisador do Centro de Estudos Estratégicos da Universidade Militar Bolivariana, como “um artifício para justificar um ataque contra uma aeronave estrangeira. Se lançado pelo ELN, descaracterizaria o envolvimento da tropa regular venezuelana – e permitiria criar dúvida quanto à obtenção, por um desvio de estoque”.

O conceito do míssil foi apresentado na Rússia em 1972, entrou em produção em 1981 e é adotado, em três versões, por cerca de 30 países – o Brasil, entre eles. Desenhado para ser apoiado no ombro, o sistema pesa pouco mais de 17 quilos.

Um visor digital lateral e mais dois sensores acoplados fazem a localização do alvo em aproximação. Sinais claros de cor, vibração e barras indicam a sequência para o disparo e, quase como em um videogame, a exatidão do enquadramento. É o suficiente. O preço varia segundo dispositivos opcionais, mas pode custar entre US$ 60 mil e US$ 90 mil. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Saúde

PSDB de Goiás diz que corte no CRER é "dano irreparável" para a saúde pública

Na última semana, o CRER perdeu pelo menos três especialidades que atendiam cerca de 140 pacientes que estão agora com a situação indefinida.

Por Ton Paulo
13/05/2019, 10h05

O Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) divulgou uma nota de repúdio, no último domingo (12/5), onde chama os cortes feitos pelo governo Caiado no Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (CRER) de “grave retrocesso social”. Pela página do Facebook do PSDB de Goiás, o partido ainda diz que as demissões recentemente feitas e o corte no CRER, que é referência no país, constituem “dano irreparável para a saúde pública de Goiás”.

A nota, publicada no Facebook do diretório estadual do partido tucano, tem um tom duro de crítica e diz que medida de Caiado, através de novo contrato assinado para o CRER com a Organização Social (OS) responsável, “fere os interesses da população”. Veja abaixo a íntegra da nota:

“O desmonte que o Governo do Estado atualmente promove no Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (Crer) representa um grave retrocesso social e um dano irreparável para a saúde pública de Goiás. O PSDB posiciona-se contra mais essa medida que fere os interesses da população.

Por determinação do governo, o Crer acaba de perder três especialidades médicas: musicoterapia, reumatologia e psiquiatria. A decisão exclui do atendimento 140 pacientes com incapacidades ou sequelas.

O novo contrato assinado com o Governo do Estado pela da Associação Goiana de Integralização e Reabilitação (Agir), organização social (OS) que gerencia o Crer, prevê cortes drásticos de recursos e metas dobradas, o que impossibilita a continuidade de atendimentos fundamentais para a população.

O PSDB continuará em constante mobilização da sociedade na defesa de instituições que prestam serviços essenciais voltados para a saúde e o bem-estar dos cidadãos.”

Corte no CRER teria vindo após renovação de contrato com a OS

Na última semana, o CRER perdeu pelo menos três especialidades que atendiam cerca de 140 pacientes que estão agora com a situação indefinida. Os alvos foram a Musicoterapia, Reumatologia e Psiquiatria).

As demissões dos profissionais das áreas teriam sido realizadas depois de uma revisão do contrato do Estado com a Associação Goiana de Integralização e Reabilitação (Agir), OS que gere o CRER. O novo contrato, renovado em abril, prevê diminuição de verba e meta dobrada.

Em nota divulgada, o CRER afirmou que “as adequações promovidas no corpo clínico do hospital não guardam nenhuma relação com a renovação do contrato de estão, mas sim uma decisão dos profissionais em não manter o vínculo celetista com a instituição”.

Via: O Popular 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.