Saúde

UFG desenvolve medicamento que reverte overdose de cocaína

Lançamento no mercado depende de parceria com a indústria farmacêutica.
10/05/2019, 09h39

A Universidade Federal de Goiás (UFG) anunciou o desenvolvimento de uma nanopartícula capaz de capturar a cocaína em circulação na corrente sanguínea e, assim, evitar os efeitos da droga, até mesmo quando consumida em quantidades que causam “overdose” e podem levar à morte.

A nanopartícula é administrada por meio de medicamento intravenoso. Testes feitos com ratos nos laboratórios do Centro de Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação em Fármacos, Medicamentos e Cosméticos da UFG, o FarmaTec, indicam a capacidade de captura de até 70% da cocaína no organismo e o retorno quase imediato da pressão arterial e dos batimentos cardíacos ao estado normal.

“A pressão arterial e os batimentos cardíacos começam a voltar ao normal cerca de dois minutos após a administração da nanopartícula que desenvolvemos”, diz a farmacêutica Sarah Rodrigues Fernandes, em material de divulgação da UFG. Ela é autora da pesquisa, que resultou em sua dissertação de mestrado defendida há três semanas no Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas da universidade.

“Ao capturar a cocaína, a nanopartícula mantém a droga aprisionada em seu interior. Não permite que a droga se difunda pelo cérebro ou outras regiões do organismo. Possibilita, então, que haja tempo para uma terapia de resgate”, explica à Agência Brasil a farmacêutica Eliana Martins Lima, orientadora do trabalho e professora de nanotecnologia aplicada à área farmacêutica.

A cocaína aprisionada na partícula é retida pelo fígado na passagem da corrente sanguínea e é destruída no metabolismo feito pelo órgão.

“O que nós buscamos com isso foi viabilizar uma forma de que, no momento em que o paciente começa a perder sinais vitais, seja possível ao médico ou ao Samu [Serviço de Atendimento Móvel de Urgência] salvá-lo, reduzindo aquela dose tóxica que está na corrente sanguínea”, acrescenta a orientadora, que trabalhou como professora visitante no Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos Estados Unidos.

Inovações

O experimento bem-sucedido traz duas inovações. Além de obter resultados quase imediatos para diminuir os efeitos da cocaína, a pesquisa muda e acrescenta o modo de usar nanotecnologia em terapias com medicamentos.

Desde os anos 1990, a nanotecnologia é utilizada para levar de forma mais eficaz partículas aos alvos no organismo que precisam de recuperação e proteção. O experimento mostra que a nanotecnologia também pode ser proveitosa para buscar e aprisionar substâncias e reverter um quadro crítico.

As chamadas partículas nanométricas, obtidas a partir de componentes químicos orgânicos naturais (lipídeos) e de moléculas de baixa massa (polímeros), são extremamente pequenas (1 nanômetro é 1 milhão de vezes menor que o milímetro) e, por isso, eficientes na circulação sanguínea.

Comercialização

A eventual disponibilização do medicamento para uso no socorro de pessoas em processo de overdose depende de parceria entre a universidade e laboratórios farmacêuticos. Até poder ser utilizado em seres humanos, o medicamento deve ser submetido a testes clínicos exigidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A produção de medicamento é investimento de médio a longo prazo. Além dos testes, a indústria farmacêutica precisa custear os laboratórios de fabricação em massa e fazer a comercialização. O laboratório que venha a se associar para a produção deverá fazer o registro para a venda.

“Nosso papel como universidade pública é formar pessoas altamente qualificadas, jovens cientistas, pesquisadores e, no meio desse caminho, produzir conhecimento novo. É muito importante, agora, que as indústrias farmacêuticas, percebam a capacidade de contribuir com esse processo de inovação e, dessa forma, identifiquem que vão conseguir manter um espaço importante no mercado”, diz Eliana.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Presidente da Câmara Municipal não vê indícios para impeachment de Iris Rezende

Ele também declarou que o pedido da cassação do prefeito seria pautado em "críticas pontuais".

Por Ton Paulo
10/05/2019, 09h59

Em entrevista a um jornal local, o presidente da Câmara Municipal de Goiânia, Romário Policarpo (Pros), disse acreditar não haver crimes que possam levar a um impeachment de Iris Rezende (MDB), prefeito de Goiânia. Ele também declarou que o pedido da cassação do prefeito seria pautado em críticas.

As declarações vieram depois que o ex-vereador e deputado estadual Alysson Lima (PRB) foi pessoalmente à Câmara Municipal, no último dia 8/5, protocolar um pedido de impeachment contra o prefeito. Na ocasião, o parlamentar chegou a afirmar que a peça tinha “fortes elementos jurídicos” que podem levar “ao impeachment do prefeito Iris Rezende”. Entretanto, o presidente da Casa parece não concordar muito com ele.

Segundo Policarpo, o pedido do impeachment protocolado será encaminhado para a Procuradoria, que irá emitir um parecer técnico sobre a peça. Entretanto, o presidente disse que “por acompanhar a gestão do prefeito”, acredita que, contra ele, só existem “críticas pontuais” e que não acredita que “haja crimes que possam levar ao impeachment”.

“Os procuradores [que darão o parecer técnico sobre o pedido de impeachment] são servidores de carreira na Câmara. Eu como vereador não consigo identificar crimes que possam atentar a permanência do prefeito no caso”.

Vereador líder do prefeito na Câmara reagiu a deputado que apresentou pedido de impeachment de Iris Rezende e disse que ele “não tinha o senso do ridículo”

A protocolização do pedido de impeachment de Iris Rezende por parte do deputado estadual Alysson Lima na manhã desta quarta-feira acendeu, além de uma confusão com bate-boca na Câmara Municipal de Goiânia, também uma rixa entre o vereador Oséias Varão (PSB) e o membro da Assembleia Legislativa. Após o deputado ir pessoalmente à Câmara para apresentar o pedido e ser impedido de usar a tribuna, Oséias chegou a dizer que Alysson era “ridículo” e que tentava usar a Câmara como “palanque político”.

Conforme o vereador, o pedido de impeachment apresentado pelo deputado Alysson Lima é “vazio de argumentos e fundamentos jurídicos”, uma vez que seria baseado apenas “numa denúncia do MPF”. A ação referida pelo vereador, que alega improbidade administrativa, foi proposta à 7ª Vara da Justiça Federal.

Em resposta ao vereador Oséias Varão, o deputado Alysson Lima chamou de “equivocadas” suas declarações, e disse que ao contrário do que foi dito pelo vereador, o processo montado por ele dispõe de três crimes de improbidade administrativa que foram reunidos em uma única peça jurídica.

Via: O Hoje 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Bombeiros socorrem recém-nascida engasgada com remédio, no interior de Goiás

Incidente ocorreu nesta quinta-feira (9/5), em São Miguel de Araguaia.
10/05/2019, 10h48

Uma equipe do Corpo de Bombeiros de Goiás (CBMGO) resgatou uma recém-nascida de 1 mês engasgada com remédio. O incidente ocorreu nesta quinta-feira (9/5), na Vila Renascer, em São Miguel de Araguaia, no interior do estado.

De acordo com a corporação, a mãe da pequena Isa Gabriela acionou os bombeiros pelo 193, após perceber que sua filha estava ficando roxa depois de se engasgar com um remédio. Por telefone, o soldado Luciano orientou o procedimento necessário para que a criança voltasse a respirar.

Enquanto o primeiro atendimento era feito por ligação, uma Unidade de Resgate da corporação foi até o endereço da família. No local, foi feita a limpeza de secreção da boca da bebê e a continuação da manobra de tapotagem até que a bebê retornasse totalmente à consciência.

Logo após os primeiros socorros, mãe e bebê foram encaminhadas ao Hospital Municipal de São Miguel do Araguaia para avaliação médica. A mãe agradeceu o atendimento que ajudou a salvar a vida da filha.

Por telefone, bombeiros orientam socorro a bebê engasgado com remédio

Em abril deste ano, os Bombeiros de Goiás também ajudaram no socorro de outro bebê engasgado. O caso ocorreu em Goianésia, cidade também do interior goiano. Conforme o sargento Solismar, a mãe da criança acionou a corporação por volta das 20h8. O bebê, de 36 dias de vida, de engasgou também com remédio.

Imediatamente uma viatura foi disponibilizada para ir ao local, na Rua 27, Setor Carrilho, mas a situação pedia urgência. O telefonista do Corpo de Bombeiros então, enquanto a viatura se dirigia para a ocorrência, começou a acalmar e a orientar a mulher, que estava em desespero, passando todo o procedimento padrão, passo a passo, em casos de engasgamento.

Ainda de acordo com o sargento, quando a viatura da corporação chegou ao local, a criança já tinha sido desengasgada, graças ao procedimento realizado pela mãe e repassado pelos bombeiros. Ela já amamentava a criança e teve que assinar um termo de responsabilidade, uma vez que se recusou a levar o bebê para o hospital, que já aparentava estar bem.

O que fazer em caso de engasgamento

Ao Dia Online, o sargento explicou que qualquer adulto pode realizar um procedimento de salvamento de desengasgamento numa criança, desde que siga as instruções corretas. Veja abaixo quais são:

A primeira coisa a se fazer é manter a calma e não entrar me pânico; pegar a criança engasgada nos braços, de bruços. Ela deve estar com a cabeça um pouco abaixo do resto corpo, inclinada. O adulto, então, deve dar leves tapinhas nas costas da criança, até que ela seja desengasgada.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Educação

Audiência na Alego sobre Passe Livre é marcada por participação de estudantes

A audiência tem a presença de representantes de organizações e entidades estudantis. Deputados presentes demonstram apoio à classe.

Por Ton Paulo
10/05/2019, 11h59

Acontece na manhã desta sexta-feira (10/5), na Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), uma audiência que debate a proposta com mudanças e cortes no Passe Livre Estudantil enviada pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado, à Casa de Leis. Com o auditório Costa Lima cheio de estudantes, a audiência se desenrola com a fala de deputados (em sua maioria demonstrando apoio aos estudantes) e representantes de entidades estudantis.

A audiência, que teve início às 9h de hoje, foi uma iniciativa do deputado Talles Barreto (PSDB), e tem a presença de representantes de organizações e entidades estudantis como a União Nacional dos Estudantes (UNE) e o Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal de Goiás (DCE da UFG).

Para o deputado Helio de Sousa (PSDB), os estudantes encontraram na Casa o lugar certo para demonstrarem sua insatisfação e posicionamento sobre o assunto. “Além de ter a certeza de que grande maioria dos parlamentares pensa em consonância com os estudantes, aqui é também o lugar onde se ouve as demandas da sociedade”. A deputada Lêda Borges também demonstrou apoio à classe estudantil. “Vocês têm, sim, que encher a galeria da Alego para influenciar na votação desse importante projeto”, conclamou.

O presidente da Alego, Lissauer Vieira (PSB), informou que o projeto do governo chegou de forma equivocada à Casa, até porque não foi debatido antes nem mesmo com as entidades representativas dos estudantes.

Thaís Falone, diretora da UNE, disse em sua fala que o estudante precisa do Passe Livre não apenas para ir ao colégio e a universidade, mas para se locomover a locais que estão diretamente relacionados à educação, a exemplo de cinemas, teatros e museus. Ela lembrou que desde a década de 80 a UNE vem lutando por um programa que efetivamente venha ao encontro das necessidades do estudante.

Secretário de Caiado disse que novo Passe Livre, proposto por Caiado, é “mais inclusivo”

O debate acontece em razão da proposta enviada por Caiado ao Legislativo, que propões cortes e mudanças no atual Passe Livre. O governo propõe que o benefício seja restrito apenas a estudantes do Ensino Médio (atualmente ele abrange alunos de todas as categorias – Superior, Médio, Técnico e Fundamental), além de uma comprovação de renda e de condição de bolsista enquanto aluno de escolas da rede privada.

Em uma coletiva de imprensa na última quarta-feira (8/5), Marcos Cabral, titular da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Seds), deu declarações a respeito do projeto. Segundo Cabral, a proposta – que pretende cortar o benefício de alunos do Ensino Fundamental, Superior e Técnico – é “mais inclusiva”, e que o benefício “irá para quem realmente precisa”.

De acordo com o secretário, com o projeto Caiado quer “aprimorar a inclusão social dos jovens goianos na política de subsídios para o transporte público”. Segundo ele, para ampliar a capilaridade do programa, os novos critérios contemplam renda familiar de até três salários mínimos e participação da família do jovem em programas sociais a partir do Cadastro Único (CadÚnico).

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Briga de vizinhos termina após cinco horas de negociação com BOPE, em Terezópolis

Confusão ocorreu na noite desta quinta-feira (9/5). Homem atirou contra policias e ameaçou quem se aproximasse de sua residência.
10/05/2019, 12h05

Uma briga entre vizinhos só terminou depois de uma negociação de cinco horas de duração com equipes do Batalhão de Operações Especiais (BOPE), em Terezópolis de Goiás, a 33 quilômetros de Goiânia. A confusão ocorreu na noite desta quinta-feira (9/5), depois que um dos envolvidos, que estava armado, ameaçou atirar em quem estava no local. Com a chegada da polícia, ele se trancou em casa e as tentativas de rendição duraram ao menos cinco horas.

Segundo a corporação, a equipe foi acionada para atender uma ocorrência de desentendimento entre vizinhos. Ao chegarem, de acordo com o comandante da unidade, Coronel Giovane, quando tentaram abordar um dos envolvidos, que estava escondido em casa, os policiais foram recebidos a tiros.

BOPE negocia por cinco horas com homem armado, em Terezópolis

Um homem, de aproximadamente 60 anos, que segundo testemunhas apresenta distúrbios psicológicos, estava munido com um revólver calibre 38 e ameaçou atirar em quem se aproximasse. O homem agia com muita agressividade.

No local, dois policiais, sendo o coronel Giovane e o Major Batista, iniciaram as negociações, na tentativa da rendição do autor dos disparos. A negociação durou aproximadamente cinco horas; após intensas conversas, o homem se entregou, saindo da residência e deixando sua arma de fogo, com 19 munições, sendo 12 intactas e cinco deflagradas, em cima do sofá da sala.

O envolvido na confusão foi conduzido à delegacia para que as providências necessários fossem tomadas. Ainda não se sabe ao certo o que teria provocado o desentendimento entre os vizinhos. O morador não teve a identidade revelada.

Situações de crise

O Batalhão de Operações Especiais, mais conhecido como BOPE, é uma tropa de elite da Polícia Militar de Goiás, treinada especialmente para o combate em situações de risco, para o resgate de reféns e para atuação em situações de crise. Conforme a PMGO, os agentes são treinados para conseguirem negociar com os agentes ameaçadores.

Via: PMGO 
Imagens: Facebook 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.