Educação

Audiência na Alego sobre Passe Livre é marcada por participação de estudantes

A audiência tem a presença de representantes de organizações e entidades estudantis. Deputados presentes demonstram apoio à classe.

Por Ton Paulo
10/05/2019, 11h59

Acontece na manhã desta sexta-feira (10/5), na Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), uma audiência que debate a proposta com mudanças e cortes no Passe Livre Estudantil enviada pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado, à Casa de Leis. Com o auditório Costa Lima cheio de estudantes, a audiência se desenrola com a fala de deputados (em sua maioria demonstrando apoio aos estudantes) e representantes de entidades estudantis.

A audiência, que teve início às 9h de hoje, foi uma iniciativa do deputado Talles Barreto (PSDB), e tem a presença de representantes de organizações e entidades estudantis como a União Nacional dos Estudantes (UNE) e o Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal de Goiás (DCE da UFG).

Para o deputado Helio de Sousa (PSDB), os estudantes encontraram na Casa o lugar certo para demonstrarem sua insatisfação e posicionamento sobre o assunto. “Além de ter a certeza de que grande maioria dos parlamentares pensa em consonância com os estudantes, aqui é também o lugar onde se ouve as demandas da sociedade”. A deputada Lêda Borges também demonstrou apoio à classe estudantil. “Vocês têm, sim, que encher a galeria da Alego para influenciar na votação desse importante projeto”, conclamou.

O presidente da Alego, Lissauer Vieira (PSB), informou que o projeto do governo chegou de forma equivocada à Casa, até porque não foi debatido antes nem mesmo com as entidades representativas dos estudantes.

Thaís Falone, diretora da UNE, disse em sua fala que o estudante precisa do Passe Livre não apenas para ir ao colégio e a universidade, mas para se locomover a locais que estão diretamente relacionados à educação, a exemplo de cinemas, teatros e museus. Ela lembrou que desde a década de 80 a UNE vem lutando por um programa que efetivamente venha ao encontro das necessidades do estudante.

Secretário de Caiado disse que novo Passe Livre, proposto por Caiado, é “mais inclusivo”

O debate acontece em razão da proposta enviada por Caiado ao Legislativo, que propões cortes e mudanças no atual Passe Livre. O governo propõe que o benefício seja restrito apenas a estudantes do Ensino Médio (atualmente ele abrange alunos de todas as categorias – Superior, Médio, Técnico e Fundamental), além de uma comprovação de renda e de condição de bolsista enquanto aluno de escolas da rede privada.

Em uma coletiva de imprensa na última quarta-feira (8/5), Marcos Cabral, titular da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Seds), deu declarações a respeito do projeto. Segundo Cabral, a proposta – que pretende cortar o benefício de alunos do Ensino Fundamental, Superior e Técnico – é “mais inclusiva”, e que o benefício “irá para quem realmente precisa”.

De acordo com o secretário, com o projeto Caiado quer “aprimorar a inclusão social dos jovens goianos na política de subsídios para o transporte público”. Segundo ele, para ampliar a capilaridade do programa, os novos critérios contemplam renda familiar de até três salários mínimos e participação da família do jovem em programas sociais a partir do Cadastro Único (CadÚnico).

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Briga de vizinhos termina após cinco horas de negociação com BOPE, em Terezópolis

Confusão ocorreu na noite desta quinta-feira (9/5). Homem atirou contra policias e ameaçou quem se aproximasse de sua residência.
10/05/2019, 12h05

Uma briga entre vizinhos só terminou depois de uma negociação de cinco horas de duração com equipes do Batalhão de Operações Especiais (BOPE), em Terezópolis de Goiás, a 33 quilômetros de Goiânia. A confusão ocorreu na noite desta quinta-feira (9/5), depois que um dos envolvidos, que estava armado, ameaçou atirar em quem estava no local. Com a chegada da polícia, ele se trancou em casa e as tentativas de rendição duraram ao menos cinco horas.

Segundo a corporação, a equipe foi acionada para atender uma ocorrência de desentendimento entre vizinhos. Ao chegarem, de acordo com o comandante da unidade, Coronel Giovane, quando tentaram abordar um dos envolvidos, que estava escondido em casa, os policiais foram recebidos a tiros.

BOPE negocia por cinco horas com homem armado, em Terezópolis

Um homem, de aproximadamente 60 anos, que segundo testemunhas apresenta distúrbios psicológicos, estava munido com um revólver calibre 38 e ameaçou atirar em quem se aproximasse. O homem agia com muita agressividade.

No local, dois policiais, sendo o coronel Giovane e o Major Batista, iniciaram as negociações, na tentativa da rendição do autor dos disparos. A negociação durou aproximadamente cinco horas; após intensas conversas, o homem se entregou, saindo da residência e deixando sua arma de fogo, com 19 munições, sendo 12 intactas e cinco deflagradas, em cima do sofá da sala.

O envolvido na confusão foi conduzido à delegacia para que as providências necessários fossem tomadas. Ainda não se sabe ao certo o que teria provocado o desentendimento entre os vizinhos. O morador não teve a identidade revelada.

Situações de crise

O Batalhão de Operações Especiais, mais conhecido como BOPE, é uma tropa de elite da Polícia Militar de Goiás, treinada especialmente para o combate em situações de risco, para o resgate de reféns e para atuação em situações de crise. Conforme a PMGO, os agentes são treinados para conseguirem negociar com os agentes ameaçadores.

Via: PMGO 
Imagens: Facebook 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Ex-governador Alcides Rodrigues é condenado a 10 anos de prisão

Conforme a sentença, Alcides foi beneficiado de esquema criminoso do qual ele tinha "pleno conhecimento do caráter ilícito".

Por Ton Paulo
10/05/2019, 13h21

O ex-governador de Goiás, Alcides Rodrigues (PRP), foi condenado a 10 anos e 10 meses de prisão em regime fechado pelos crimes de associação criminosa, peculato e declaração falsa. A condenação, proferida pelo juiz eleitoral Antônio Cézar Meneses, vem de uma denúncia feita pelo Ministério Público Estadual (MPE).

Na denúncia oferecida pelo MPE e aceita pelo juiz eleitoral no ano de 2012, são relatados crimes eleitorais cometidos por Alcides durante a campanha política de 2006.

A sentença também atinge outros indivíduos, de identidades ainda desconhecidas, mas foi Alcides Rodrigues o principal acusado. O político foi eleito governador do Estado em 2006 com 1.508.024 votos, e conforme a sentença, Alcides foi “beneficiado de todo esquema criminoso”, do qual ele tinha “pleno conhecimento do caráter ilícito”.

O juiz narra no documento condenatório que os acusados contrataram a empresa Multcooper com objetivo de fazer caixa dois para a campanha de Alcides no ano de 2006. Conforme o magistrado, com essa empresa “teria havido a celebração de um contrato, no importe de R$598.575,30 visando a contratação de pessoal, cujo pagamento seria rateado, em partes iguais, entre os candidatos A R (Alcides Rodrigues) e Marconi Perillo”.

O documento atesta ainda que a prestação de contas do candidato Marconi Perillo registou pagamento, no valor de R$416.243,21 à cooperativa. O juiz concluiu então que “isso, por si só, deixa latente a utilização dessa pessoa jurídica para movimentar recursos extraoficiais (caixa dois), mas o fato de terem sido demonstrados pagamentos realizados em espécie a prestadores de serviços não deixa pairar dúvidas da prática desse delito”.

Defesa de Alcides Rodrigues pediu absolvição

Diante da condenação do ex-governador, a defesa alegou “fragilidade das provas existentes” e requereu sua absolvição. Além disso, a defesa argumenta que Alcides Rodrigues não estava à frente de sua campanha citada na sentença e, em razão de seus afazeres como o então governador do Estado e também dos compromissos como candidato à reeleição, o controle havia sido passado à outra pessoa.

Entretanto, o juiz avaliou que “essa aparente displicência também se apresenta com o pessoal que cuida da parte financeira da campanha e da prestação de contas, tanto que afirmou não saber nem quem teria sido o responsável pela preparação e entrega da prestação de contas retificadora de sua campanha ao egrégio Tribunal Regional Eleitoral de Goiás (TRE-GO)”.

O magistrado concluiu então que “não há dúvida de que ocorreu o famigerado crime de ‘caixa dois’ na campanha do acusado, com a participação de outras diversas pessoas, vez que, pelos seus atos, existiam valores que ingressavam na contabilidade da campanha e de 2006, mas várias outras ocorriam por fora, sem declaração na prestação de contas”.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Soldado da Força Nacional que matou a namorada se entrega, em Jataí

Soldado se apresentou acompanhado da defesa e de integrantes da Força Nacional.
10/05/2019, 13h35

O soldado da Força Nacional, Josimar Pereira Silva, de 29 anos, suspeito de matar a namorada a tiros na última quinta-feira (9/5) em Jataí, acaba de se entregar à polícia no município. Josimar havia fugido após o crime na manhã de ontem e era procurado tanto pela Polícia Civil do Estado de Goiás (PCGO) como pela Polícia Militar do Estado de Goiás (PMGO).

O Dia Online entrou em contato com o delegado Marlon Luz de Jatai, que confirmou a apresentação  de Josimar. “Ele chegou acompanhado de integrantes da força nacional e da defesa, entretanto ele ainda não foi ouvido, o que vai ocorrer na lavratura da prisão em flagrante nesta tarde”, explica o delegado.

De acordo com o delegado apesar da apresentação espontânea de Josimar, a atitude não evita a prisão em flagrante, uma vez que as forças policiais estavam em busca de fazer a prisão do soldado da Força Nacional.

“Além de se apresentar, o soldado da Força Nacional entregou a arma, um revólver calibre 38 utilizada no crime com munições e uma cápsula deflagrada”, explica Marlon Luz. Outros detalhes sobre a prisão de Josimar vão ser divulgados em uma entrevista coletiva na sede da polícia civil em Jataí na tarde de hoje.

Soldado da Força Nacional matou a namorada a tiros

Na manhã da última quinta-feira (9/5) Josimar estava na casa da mãe com a namorada Nathalia Lima, de 25 anos, antes de atirar contra ela. Na ocasião à reportagem conversou com o delegado Elexandre Cézar Rossignolo que registrou o caso.

“Até onde nós sabemos os dois não chegaram a discutir, acordaram normalmente, tomaram café e voltaram para o quarto, em seguida o que se ouviu foi o disparo de uma arma de fogo, que atingiu a jovem”, explica o delegado. Josimar chegou a fugir da cena do crime, mas se apresentou na manhã de hoje à polícia.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Esportes

Cinco anos após inauguração, Corinthians deve R$ 1,1 bilhão da obra do estádio

O presidente Andrés Sanchez sabe que há juros e encargos em cima do valor inicial, mas tenta renegociar esses valores.
10/05/2019, 13h44

O Corinthians está em dia com o pagamento das contas do seu estádio em Itaquera, mas os juros que incidem sobre as parcelas da sua construção fazem a dívida só aumentar. Nesta sexta-feira, data em que marca os cinco anos da inauguração da Arena Corinthians, o clube deve cerca de R$ 1,1 bilhão de um estádio que custaria inicialmente R$ 985 milhões.

A Odebrecht precisa receber ainda R$ 650 milhões e o BNDES, R$ 460 milhões. O presidente Andrés Sanchez sabe que há juros e encargos em cima do valor inicial, mas tenta renegociar esses valores. Nas reuniões que tem acontecido entre as duas partes, o Corinthians argumenta que muitas obras prometidas para o estádio não foram feitas. A Odebrecht justifica que as obras não ocorreram porque outras que não estavam programadas foram solicitadas.

Um exemplo de construção fora do projeto inicial é o espaço da imprensa no setor Oeste. Inicialmente, os jornalistas ficariam no quarto andar. No entanto, para não tirar espaço dos torcedores, as cabines foram realocadas para o décimo andar. Prova de que não estava nos planos é que para chegar ao local, os jornalistas precisam passar por um corredor com fiação aparente e ainda sem piso.

ACORDO – A relação entre Corinthians e Odebrecht não é ruim. A construtora cogita tirar encargos e juros desse total da dívida. Dos R$ 650 milhões, o Corinthians só pretende pagar cerca de R$ 122 milhões, que é quanto o clube ainda tem a receber dos Certificado de Incentivo ao Desenvolvimento (CIDs).

Os CIDs são títulos emitidos pela prefeitura de São Paulo e abatidos do imposto de renda de empresas. A prefeitura já emitiu R$ 166,4 milhões, incluindo os R$ 45 milhões previstos para 2019. O saldo a ser utilizado, já considerando a atualização pelo IPCA, é de R$ 382,95 milhões. Desse total, no entanto, a Odebrecht já se comprometeu a comprar R$ 260 milhões. Ou seja, restam os R$ 122 milhões.

Com o BNDES, cujo financiamento é feito via Caixa Econômica Federal, o Corinthians conseguiu um acordo para quitar a dívida até 2028, pagando parcelas mensais de R$ 6 milhões, de março a outubro, e R$ 2,5 milhões entre novembro e fevereiro, período em que há um menor número de jogos no calendário brasileiro.

QUANTO JÁ PAGOU? – O Corinthians já pagou até agora R$ 306 milhões, cerca de R$ 140 milhões ao financiamento do BNDES e R$ 166 milhões por meio dos CIDs. Esse dinheiro, o clube faz questão de destacar, é separado do que o clube arrecada com venda de jogadores e patrocínios.

Cerca de 75% dos ganhos da bilheteria são destinados para pagar a dívida. O restante vem do que o clube arrecada com a venda de camarotes, do tour no estádio, da academia e do aluguel das lanchonetes. O Corinthians não divulga números financeiros além da bilheteria. E a assessoria de imprensa do clube informou também que ninguém da diretoria falaria com o Estado sobre o assunto.

PARA ENTENDER – A Odebrecht foi quem pagou toda a conta do estádio, que inicialmente estava orçado em R$ 820 milhões. Os custos passaram a R$ 985 milhões quando o estádio foi definido como palco de abertura da Copa do Mundo de 2014. Com a correção para os dias de hoje, a Arena Corinthians deve custar algo em torno de R$ 1,4 bilhão.

A construtora já recebeu os R$ 400 milhões adiantados pelo BNDES, e também os R$ 166 milhões dos CIDs emitidos até 2019. Como comprou R$ 260 milhões do certificado, que é descontado do seu imposto, pode-se dizer que a Odebrecht recebeu R$ 826 milhões até agora. Esse valor, corrigido pela inflação de 2015 para cá, daria R$ 975 milhões. Com isso, dos custos que teve com a obra, a empreiteira precisa receber só mais R$ 10 milhões para cobrir quanto investiu no estádio inicialmente.

RETROSPECTO – O Corinthians disputou 171 jogos oficiais na arena inaugurada há cinco anos, com 109 vitórias, 44 empates e 18 derrotas – aproveitamento de 72,3%. São 280 gols marcados e 113 sofridos. O artilheiro do clube no estádio é o paraguaio Angel Romero, que está de saída. Ele marcou 27 gols e está na frente de Jadson, que fez 24 e é o segundo corintiano com mais gols no estádio.

A primeira volta olímpica aconteceu no Brasileirão de 2015, vencido em duelo com o Vasco, em São Januário. Mas a comemoração foi realizada na arena logo depois em uma histórica goleada de 6 a 1 sobre o São Paulo.

Em 2017, o Corinthians foi campeão pela primeira vez jogando na sua arena. Pelo Campeonato Paulista, o time empatou com a Ponte Preta por 1 a 1, após vitória por 3 a 0 em Campinas, e iniciou a trajetória rumo ao tri consecutivo, que foi comemorado recentemente no estádio com o gol de Vagner Love aos 44 minutos do segundo tempo na vitória por 2 a 1 sobre o São Paulo. Entre essas conquistas ainda houve o heptacampeonato brasileiro, em 2017, comemorado após vitória por 3 a 1 sobre o Fluminense.

PÚBLICO – A Arena Corinthians tem média de público de 32.564 torcedores por jogo. O recorde em duelo do time aconteceu na decisão do Paulistão deste ano, quando 46.481 corintianos assistiram os jogadores levantarem mais uma taça. O recorde, total, no entanto foi registrado na semifinal da Copa do Mundo de 2014, entre Holanda e Argentina, quando 63.267 torcedores compareceram ao local. Esse número não pode ser batido, já que a arena contava com duas arquibancadas provisórias que aumentaram a sua capacidade de público para receber seis jogos daquele Mundial.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.