Goiás

PC investiga suspeitos de desviar R$ 26 mi de banco em Goiás e outros 7 estados

Ao todo, são cumpridos 17 mandados de prisão e 28 de busca e apreensão.
09/05/2019, 10h58

Foi deflagrada na manhã desta quinta-feira (9/5), pela Polícia Civil do Distrito Federal, uma megaoperação que investiga suspeitos de desviar cerca de R$ 26 milhões do Banco do Brasil em Goiás, Pernambuco, Minas Gerais, Mato Grosso, São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Paraná e no DF. Ao todo, são cumpridos 17 mandados de prisão e 28 de busca e apreensão.

Segundo as investigações, os crimes ocorreram entre 2017 e 2018. Entre os alvos da ação policial estão dois ex-funcionários da instituição financeira e donos de 11 empresas terceirizadas que tinham contrato com o banco para cobrar dívidas dos clientes. O grupo deve responder criminalmente por peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

A operação, batizada como Crédito Viciado, é realizada pela Coordenação de Combate ao Crime Organizado (Cecor). Ao menos 140 policiais estão envolvidos na ação.

Esquema de desvios no Banco do Brasil

As investigações do esquema de desvios começaram em janeiro deste ano, após denúncia feita pelo próprio Banco do Brasil. De acordo com informações da PCDF, os ex-servidores se aproveitavam de erro técnico para fazer pagamento das comissões de forma manual, dessa foram eles para repassavam às empresas de cobrança mais dinheiro que o devido. Em troca do pagamento fraudulento, os então funcionários recebiam vantagens financeiras por meio de propina.

Ainda conforme as investigações, o erro técnico ocorria da seguinte forma: assim que o cliente do banco quitava a dívida depois de contato com a empresa terceirizada, o Banco do Brasil pagava uma comissão à empresa. Entretanto, em alguns casos, o sistema de pagamento automático apresentava um erro técnico, e o pagamento dessa comissão tinha que ser feito de forma manual.

Na época, um dos envolvidos no esquema, ao longo de dois anos, chegou a receber cerca de R$ 4 milhões; em janeiro de 2019, este servidor foi demitido. O outro funcionário teria recebido cerca de R$ 900 mil com os desvios. Durante as investigações, os envolvidos tiveram R$ 16 milhões bloqueados das contas

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Justiça bloqueia R$ 32,6 milhões de Temer e coronel Lima no Inquérito dos Portos

Segundo decisão, "o bloqueio destes valores e bens constitui medida essencial para fazer frente à eventual reparação dos danos causados pelo cometimento dos ilícitos penais em apuração".
09/05/2019, 11h31

O juiz federal Marcus Vinícius Reis Bastos, da 12ª Vara de Brasília, decretou o bloqueio de R$ 32,6 milhões das contas do ex-presidente Michel Temer, de seu velho aliado, João Baptista Lima Filho, o coronel Lima, e do sócio da Argeplan Arquitetura Carlos Alberto Costa, no âmbito do inquérito dos Portos.

Em decisão de 29 de abril, o magistrado afirma estarem “presentes indícios suficientes que apontam, prima facie, para o cometimento dos crimes de corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro, condição exigida pela lei de lavagem de dinheiro para o sequestro de bens, direitos e valores requeridos”.

“O bloqueio destes valores e bens constitui medida essencial para fazer frente à eventual reparação dos danos causados pelo cometimento dos ilícitos penais em apuração e, bem assim, satisfazer pena pecuniária acaso aplicada”, anotou.

Segundo o Ministério Público Federal, Temer, coronel Lima e Carlos Alberto Costa “ocultam a propriedade de recursos oriundos de crimes praticados por organização criminosa e contra a Administração Pública, por meio de empresas de fachada (Argeplan, Eliland do Brasil, PDA Administração e PDA Projeto)”.

O relatório de análise da Procuradoria dá conta de que entre agosto de 2016 e julho de 2017, essas empresas tiveram movimentação financeira de crédito de R$ 32.615.008,47. Do total, são R$ 20,6 milhões nas contas da Argeplan, R$ 11,6 milhões nos saldos da PDA Administração, e outros R$ 400 mil passaram pela PDA Projeto’.

A decisão judicial foi dada em 29 de abril, mesma data em que a Justiça abriu ação penal pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro contra o ex-presidente, o ex-assessor da Presidência Rodrigo Rocha Loures, os empresários Antonio Celso Grecco e Ricardo Conrado Mesquita, e o amigo do ex-presidente João Baptista Lima Filho, o Coronel Lima.

A denúncia

A acusação apontou que Michel Temer recebeu vantagens indevidas “há mais de 20 anos” e a “edição do Decreto dos Portos (Decreto n.º 9.048/2017) é o ato de ofício mais recente identificado, na sequência de tratativas ilícitas que perduram há décadas”.

“As investigações revelaram que as tratativas entre Michel Temer e os executivos do Grupo Rodrimar não eram pontuais nem recentes. Havia já uma relação de confiança, própria da prática sistêmica de esquemas sofisticados de corrupção, resultando daí que a função pública estava sempre à disposição, sendo que os delitos se renovavam ao longo do tempo a cada contato (promessa de vantagem, com a correlata aceitação: sinalagma delituoso)”, informou a denúncia.

De acordo com a acusação, a investigação comprovou que Temer, o coronel reformado da Polícia Militar João Baptista Lima Filho e Carlos Alberto Costa (que foi sócio do coronel), “atuando de modo concertado e em unidade de desígnios desde 31/8/2016 até o momento, ocultaram valores de pelo menos R$ 32 milhões provenientes diretamente de crimes contra a administração pública praticados por membros de organização criminosa por meio de empresas de fachada”.

“Michel Temer está no epicentro deste sistema criminoso, porque é o agente político com poderio suficiente para obter benefícios para os empresários do setor portuário”, informou a denúncia.

Segundo a acusação, as empresas Argeplan, Eliland e PDA Projetos, todas em nome do coronel Lima, eram de fachada, destinadas a receber propina endereçada a Temer.

“Os elementos de prova colhidos indicam que a estrutura da Argeplan serve para os sócios João Baptista Lima Filho e Carlos Alberto Costa captar recursos ilícitos, inclusive do nicho econômico do setor portuário, destinados a Michel Temer”, diz.

As empresas, sustentou a Procuradoria-Geral da República, “estão vinculadas, diretamente, ao próprio Michel Temer” e são utilizadas para “recebimento de vantagem indevida e também para operacionalizar atividades no interesse da família” do emedebista.

“Assim, ao movimentar recursos financeiros por interpostas pessoas jurídicas, administradas também por terceiros que figuram como testas de ferro, empresas recebedoras de valores da ordem de R$ 32 milhões, segundo provado nas investigações, restam caracterizados atos de ocultação e dissimulação da origem, localização, movimentação e propriedade de bens”, apontou a denúncia.

Até a publicação desta matéria, a reportagem não havia recebido o posicionamento dos citados. O espaço está aberto para as manifestações.

Imagens: DOL 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Homem que tentou matar ex de três formas diferentes, em Senador Canedo, é indiciado

O homem tentou matar a ex-mulher a tiros, esfaqueada e esganada, não obtendo êxito, felizmente, em nenhuma das vezes.

Por Ton Paulo
09/05/2019, 11h47

Depois de ser preso preventivamente, um homem acusado de tentar matar a ex-companheira por duas vezes e de três diferentes formas, em Senador Canedo, foi indiciado por tentativa de homicídio com as qualificadoras do feminicídio. O homem tentou matar a ex a tiros, esfaqueada e esganada, não obtendo êxito, felizmente, em nenhuma das vezes.

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Matheus Gomes, da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM) de Senador Canedo, Daniel Marques da Silva, de 29 anos, e a mulher eram moradores do município de Cristalina, e mantiveram união estável por mais de 13 anos, tendo cinco filhos. Entretanto, cansada da rotina de agressões a que era submetida, a mulher decidiu pôr fim ao relacionamento e fugiu para Senador Canedo em novembro do ano passado.

No mesmo mês, no dia 18/11, Daniel, contando com a ajuda do irmão que lhe emprestou um revólver, foi atrás da ex-mulher em Senador Canedo com a intenção de matá-la. Dizendo para a vítima que queria apenas conversar, o homem conseguiu ficar a sós com ela, sacou a arma e tentou matá-la. Entretanto, a arma falhou. Diante disso, ele sacou uma faca que trazia e golpeou a ex-mulher várias vezes, fugindo em seguida.

Apenas um mês depois, no dia 25/12, Daniel voltou a procurar a vítima – que, felizmente, sobreviveu às facadas. Ele descobriu seu novo endereço e armou uma emboscada, tentando matar a ex-companheira e seu novo namorado, mas errou todos os tiros disparados. O homem não desistiu. Daniel conseguiu alcançar a mulher, imobilizando-a e tentando matá-la esganada. Ele, então, sacou novamente a arma e disparou um tiro a curta distância, mas errou e acabou acertando a própria mão, fugindo na sequência.

Nesta segunda tentativa, Daniel contou com a coautoria de outro irmão, que esteve junto na empreitada homicida e forneceu a arma.

Irmãos de homem que tentou matar ex em Senador Canedo estão foragidos

Conforme o delegado, após inúmeras diligências e por meio de representação feita ao Poder Judiciário, a Polícia Civil conseguiu prender preventivamente Daniel Marques no dia 1/4. Os dois irmãos dele encontram-se foragidos, entretanto, foram indiciados no inquérito policial concluído no dia de ontem (8/5). De acordo com a investigação, a motivação do crime foi o fato de a vítima não querer mais se relacionar com o criminoso bem como o fato de que teria sido traído.

Os três autores foram indiciados por tentativa de homicídio com as qualificadoras do feminicídio e recurso que dificultou a defesa da vítima.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Justiça expede mandado de prisão contra Temer

Na noite de quarta-feira, a 1ª Turma do TRF-2 havia votado pela volta do ex-presidente à prisão.
09/05/2019, 14h21

A juíza substituta Caroline Vieira Figueiredo, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, expediu no início da tarde desta quinta-feira, 9, mandado de prisão contra o ex-presidente da República Michel Temer. Na noite de quarta-feira, a 1ª Turma do TRF-2 havia votado pela volta do ex-presidente à prisão.

Em seu despacho, a juíza “concede a oportunidade” de Temer se apresentar espontaneamente à Polícia Federal mais próxima de seu domicílio até as 17 horas.

Se isso não acontecer, sustenta a juíza, “determino que o mandado de prisão seja imediatamente cumprido pela PF, atentando-se quanto ao uso de algemas”. Ou seja, o ex-presidente não será algemado.

A juíza pede ainda em seu despacho uma consulta ao TRF-2 e à Polícia Federal em São Paulo acerca da possibilidade de manter o ex-presidente preso em São Paulo, local de sua residência, com base no que dispõe o artigo 103 da Lei de Execução Penal, que trata da permanência do preso em local próximo ao seu meio social e familiar.

No mesmo despacho, a juíza pede também a prisão de João Baptista Lima Filho, o coronel Lima, que seria o operador do esquema. Temer e Lima foram presos na Operação Descontaminação, em 21 de março, pela Justiça Federal do Rio.

Eles são acusados de corrupção, peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa, acusados de desviar R$ 1,8 bilhão nas obras de construção da usina de Angra 3. Eles foram soltos quatro dias depois, por determinação liminar do desembargador Antonio Athié, do TRF-2.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Soldado da Força Nacional é suspeito de matar a namorada, em Jataí

Casal levantou normalmente, tomou café, voltou para o quarto e momentos depois o soldado da Força Nacional matou a namorada com um tiro na cabeça.
09/05/2019, 14h50

Uma mulher identificada como Nathalia Lima Costa, de 25 anos, foi morta com um tiro na cabeça na manhã desta quinta-feira (9/5) na Vila São Pedro, em Jataí. O principal suspeito do crime é o namorado da vítima, Josimar Pereira Silva, de 29 que é soldado da Força Nacional.

Dia Online entrou em contato com o delegado Elexandre Cézar Rossignolo, que esteve no local do crime e deu mais detalhes sobre a ocorrência. “Desde domingo ela estava na casa do namorado, que na verdade é da mãe dele, e os dois acordaram hoje pela manhã, tomaram café da manhã e não houve discussão entre eles a princípio”, explica o delegado.

Elexandre confirmou que o suspeito é soldado da Força Nacional e que os dois, após tomarem o café, voltaram para o quarto onde estavam. “Eles voltaram para o quarto e depois se ouviu o disparo, que atingiu a cabeça de Nathalia, que morreu na hora”, conta o investigador.

Não houve discussão entre o casal e o soldado da Força Nacional atirou na cabeça da namorada

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgências (SAMU) chegou a ser chamado para atender a vítima, entretanto os socorristas ao chegar à casa para atender a ocorrência constataram a morte da jovem.

Soldado da força nacional é suspeito de matar a namorada, em Jataí
Foto: Reprodução

Conforme o delegado, como não houve discussão entre o casal,a polícia tenta entender o motivo que levou Josimar a atirar contra a namorada. Provavelmente o homem usou um revólver calibre 38, segundo a polícia. Após atingir a vítima o suspeito de efetuar o disparo que vitimou Nathalia, fugiu do local.

O Instituto Médico Legal (IML) esteve no local e fez a remoção do corpo da vítima. Testemunhas do caso vão ser ouvidas pelo delegado na próxima semana, para levantar o que de fato ocorreu e o que levou o integrante da Força Nacional a atirar contra a namorada.

Nota de pesar

“A jovem Nathalia morta na manhã desta quinta-feira (9/5) em Jataí é irmã de uma colaboradora do Jornal do Dia e do Portal Dia Online. A equipe presta suas condolências à família e lamenta profundamente o ocorrido.”

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.