Goiás

Asilado brasileiro diz que ONG fraudou vítimas de João de Deus

Investigadores colocam em dúvida suposta morte de ativista Sabrina Bittencourt. Credibilidade de OnG Vítimas Unidas é colocada em xeque e que seus objetivos seriam financeiros e visam apenas os milhões de João de Deus bloqueados pela Justiça.
27/02/2019, 19h42

O analista de sistemas brasileiro Paulo Pavesi, asilado na Inglaterra, colocou sob graves suspeitas as ações movidas pela Organização Não Governamental (ONG) “Vítimas Unidas” e seus interesses sobre o patrimônio do médium João de Deus, bloqueados pela Justiça. Somente em uma das ações movidas pelo MP goiano são R$ 50 milhões bloqueados a título de garantir indenizações para vítimas que denunciaram supostos casos de abusos sexuais.

Pavesi, que foi embora do Brasil depois de denunciar uma máfia de tráfico de órgãos humanos para transplantes, vive hoje recluso em Londres e de lá acompanha situações no Brasil e virou rato de internet descobrindo mentiras virtuais espalhadas pelo mundo. Segundo ele as ações da OnG “Vítimas Unidas” têm por escopo apenas esse patrimônio bloqueado de João de Deus.

Veja o vídeo caso de Polícia do Analista: 

Vídeo: Reprodução da internet.

Ele gravou um vídeo que circula no canal Youtube intitulado “Caso de Polícia” em que escancara uma teia de mentiras tramada pela OnG e que em nada teria de ligação com o caso do médium goiano. A começar da suposta – e muito suspeita – morte da principal ativista da “Vítimas Unidas”, Sabrina Bittencourt. Já se sabe que Sabrina era na verdade uma cidadã com outros dois possíveis nomes: Sabrina Petit e Sabrina de Campos e que desapareceu do mundo real no dia 2 desse mês. Inicialmente a notícia é de que ela teria cometido suicídio em Barcelona, na Espanha, onde viveria de acordo com familiares.

Sabrina Bittencourt aparece fazendo apelo veja o vídeo:

Vídeo: Reprodução da internet.

Mas, em seguida o filho de Sabrina, Gabriel Baum, disse que a mãe teria morrido no Líbano, onde Sabrina vivia com a namorada. Mas, o jovem cuidou de emendar que nenhuma autoridade atestaria a morte da mãe porque ele não daria “o prazer de verem seu corpo” morto. Pronto, estava armada a dúvida atroz sobre o suposto fim de uma duvidosa existência e biografia. Assim, o mundo soube de uma morte sem corpo. Jornais internacionais chegaram a noticiar a suposta morte, mas diante das suspeitas de que se tratava de uma fakenews não deram mais qualquer atenção para o caso.

Ong entrou na história de João de Deus ao saber que patrimônio do médium poderia ser bloqueado

A OnG “Vítimas Unidas” entrou de carona na história de João de Deus quando soube que seu patrimônio poderia ser bloqueado para indenizar vítimas. Em São Paulo foram quase 600 catalogadas pelo Ministério Público, mas até agora renderam apenas 19 materializações em ações penais. Sabrina Bittencourt se bateu nos últimos 45 dias a desancar o cacete em João de Deus e arrumou para ele até mesmo a acusação de que o médium manteria no norte de Minas Gerais uma fazenda com “mulheres negras” que procriariam e os filhos serviriam para tráfico internacional de órgãos. O Ministério Público e a polícia de Minas Gerais seriam de uma incompetência colossal por jamais terem descoberto uma monstruosidade dessas, não ter enviado investigação alguma, qualquer operação para estourar essa “indústria de órgãos” e somente uma mulher que vivia no mundo afora teria descoberto isso.

Asilado brasileiro diz que OnG fraudou vítimas de João de Deus
Foto: Reprodução

As dúvidas levantadas por Pavesi continuam com relação a Sabrina e o quanto ela acumulou de conhecimentos sobre Organizações Não Governamentais e as formas de obtenção de recursos para ela. Sabrina criou nos últimos anos nada menos que 38 organizações assim e nenhuma definhou por falta de dinheiro. Essa proficuidade dela pra criar organizações “sem fins lucrativos” foi, inclusive, objeto de reportagem no programa Pequenas Empresas Grandes Negócios.

Junto com Sabrina, na condução da “Vítimas Unidas” figura outra brasileira que vive em Portugal. Vana Lopes escreveu um livro contando que teria sido vítima de estupro do médico Roger Abdelmassih. Após o médico ter conseguido liberdade com uma decisão do Supremo Tribunal Federal, com liminar do ministro Gilmar Mendes, ela disse que era perseguida pelo médico e se exilou em Portugal, para de lá comandar a OnG. Pavesi é categórico em afirmar no vídeo que Vana “nem abusada foi”, pacificando o viés de que Vanúsia, nome verdadeiro de Vana, jamais teria sido estuprada por Roger Abibelmassih e que ela se vale disso para sustentar sua versão.

Afinação

Asilado brasileiro diz que OnG fraudou vítimas de João de Deus
Foto: Reprodução

O discurso feito por movimentos sociais como OnGs de que estão sempre do lado da legalidade e quem destoa de sua linha de pensamento é do mal foi pregado sempre pelas militantes da “Vítimas Unidas”. A professora Maria do Carmo Santos, outra militante dessa OnG, grava vídeos dizendo ser ameaçada por Pavesi e outros que questionam seus métodos e que se vier a morrer, como Sabrina, os responsáveis serão Paulo Pavesi e outros amigos seus, todos adversários viscerais das militantes feministas e defensoras das abusadas. “Essas bandidas se juntaram pra defender um estuprador, um pedófilo desgraçado, como João de Deus”.

A pregação de Vana e Maria do Carmo, porém, não fala nada sobre as inúmeras dúvidas que pairam sobre a suposta morte de Sabrina Bittencourt. Nem mesmo familiares da ativista supostamente morta por suicídio onde viveria com a namorada falam sobre o tema. Ao contrário, suprimiram seus perfis de redes sociais e ninguém deixou o país para ir velar o corpo ou sepultá-lo no Líbano. A embaixada brasileira no Líbano nem o consulado confirmam qualquer indício de morte de uma brasileira no país mediterrâneo.

O jornal Folha de São Paulo foi a Indaiatuba, onde vivem familiares de Sabrina, e o silêncio é total, com evasivas, mentiras, negações de toda sorte e pressão para que o assunto seja esquecido.

Mas, a tentativa de fazer com que os milhões de João de Deus sejam transferidos para as “Vítimas Unidas” corre solta, inclusive com a sondagem a escritórios de advocacia de Goiânia para que assumam as investidas por essa liberação.

Investigação

Asilado brasileiro diz que OnG fraudou vítimas de João de Deus
Foto: Reprodução

O advogado Ronivan Peixoto Júnior, que atua na defesa de João de Deus disse que vai requerer à Justiça uma rigorosa investigação sobre os reais interesses da OnG “Vítimas Unidas” e suas principais ativistas. “Precisamos saber se elas pretendem colaborar de fato com a Justiça na elucidação das acusações, se o que pretendem a o primado da Justiça ou se visam unicamente algum proveito financeiro com os recursos que estão bloqueados. Porque não podemos pactuar com quem se vale da desgraça alheia para auferir algum lucro”, frisou.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Ação do MPGO impede que Goianésia gaste dinheiro público na festa de Carnaval

Os promotores levaram em consideração que a atual gestão não está dado conta de atender às necessidades básicas da população como saúde, educação, meio ambiente e infraestrutura.
27/02/2019, 20h32

Uma ação civil pública movida pelos promotores de Justiça Antônio de Pádua e Felipe Oltramari no Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) nesta quarta-feira (27/2) tenta impedir que o município de Goianésia utilize verba pública para o Carnaval 2019.

Conforme o MPGO, o custo da festa para a cidade que vai ser comemorada entre os dias 1 e 4 de março, e que ultrapassa a casa de R$ 1 milhão de reais. Os promotores levaram em consideração para propor a ação contra o município, de que a atual gestão não está dado conta de atender às necessidades básicas da população como saúde, educação, meio ambiente e infraestrutura.

De acordo com os promotores, a empresa Camarote Sumiu Uai, foi contratada sem licitação pela Prefeitura de Goianésia. Diante do exposto pelos promotores, o MPGO solicitou liminar de tutela antecipada para impedir que o município gaste o dinheiro público no evento, suspendeu todos os processos licitatórios, empenhos e pagamentos.

Promotores estimam que o gasto para Carnaval de Goianésia possa ultrapassar R$ 1 milhão de reais

Foto: Reprodução

O MPGO exigiu que caso o pagamento tenha sido autorizado, a Prefeitura não efetue as transferências, empenhe ou repasse os valores acordados. O município tem que informar ao MP dos pagamentos que já foram efetuados, com cópia dos contratados e os procedimentos licitatórios para pedir a restituição dos valores pagos aos contratados para o Carnaval.

Os promotores que moveram a ação contra a Prefeitura, levaram em consideração o fato do município não atender ao requerimento do Ministérios, com dados publicados no Portal da Transparência, do envio dos documentos dos processos licitatórios e à planilha de gastos dos evento ao MPGO. Com base nos dados levantados, o promotores identificaram que o custo da festa foi orçado no valor de R$ 890.081,27. Segundo o MPGO, como não foi feita a prestação de contas do município, o valor estimado com todas as atrações do evento pode ultrapassar R$ 1 milhão de reais.

Não obstante a incoerência financeira encontrada para promover a festa de Carnaval no município, os promotores afirmam que os proprietários do Camarote Sumiu Uai, foram diretamente favorecidos, pela falta de licitação para contratar os serviços da empresa com exclusividade, desde 2017. O MPGO lembra que em 2017, também foi movida uma ação para impedir o uso de verba pública para promover o evento, o qual foi feito sem dinheiro da Prefeitura, mediante um acordo firmado com o órgão.

Via: MPGO 
Imagens: MPGO 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Mundo

Governador de Roraima diz que Venezuela deve reabrir fronteira amanhã

"Eu atendi a uma comitiva de ministros, não sei de qual lado partidário eles são. Não tratei de política", afirmou o governador.
27/02/2019, 20h43

O governador de Roraima, Antonio Denarium, disse na noite desta quarta-feira, 27, que a fronteira entre o Brasil e a Venezuela deve ser reaberta amanhã. Ele se reuniu com um aliado político do presidente Nicolás Maduro.

“Amanhã provavelmente a fronteira estará aberta por parte da Venezuela”, afirmou em entrevista em Pacaraima. “Com a fronteira aberta teremos a possibilidade de liberar caminhões carregados de calcário e fertilizantes e milhares de brasileiros dentro da Venezuela impossibilitados de retornar.”

Denarium disse ter se reunido com uma comitiva formada por ministros venezuelanos e um forte apoiador de Nicolas Maduro, o governador de Bolivar, Justo Noguera, em Santa Elena do Uairén. Denarium, porém, não soube nominar os ministros, tampouco especificar se eram chavistas ou opositores.

“Eu atendi a uma comitiva de ministros, não sei de qual lado partidário eles são. Não tratei de política”, afirmou o governador.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Educação

Secretário de escola em Goiânia acusado de assédio sexual é absolvido por falta de provas

Segundo denunciantes, homem propunha sexo a alunas em troca de notas e abono de faltas.
28/02/2019, 07h55

O secretário de uma escola em Goiânia, acusado de assédio sexual contra alunas, foi absolvido por falta de provas. A decisão foi da juíza Placidina Pires, da 6ª Vara dos Crimes Punidos com Reclusão da comarca da capital, que considerou os depoimentos das supostas vítimas incoerentes, além de não ter outras provas para incriminar o réu. De acordo com as denunciantes, o homem pedia fotos íntimas e propunha sexo a alunas, em troca de abono de faltas e fraude nas notas.

De acordo com a magistrada, mesmo que os depoimentos em casos contra a dignidade sexual tenham valor significativo na acusação, eles não assumem relevância quando as declarações são confusas, incoerentes e sem confirmação. Para que aja condenação, é necessário que existam provas incontestáveis.

“Havendo dúvida sobre a culpabilidade de alguém, por menor que seja, impõe-se a absolvição. É o que preconiza o princípio da presunção de inocência, insculpido no artigo 5º, inciso LVII, da Constituição Federal”, declarou Placidina Pires em relação as dúvidas quanto a autoria do crime.

Denúncia de assédio sexual em escola em Goiânia

Segundo o processo, alunas da Escola Estadual Dom Abel, em Goiânia, acusaram o secretário-geral de conduta imprópria. De acordo com as adolescentes, o homem as abordava oferecendo abono de faltas e notas extras em troca de sexo e fotos íntimas. Não se sabe ao certo quantas alunas fizeram denúncias.

Na fase judicial, apenas duas meninas foram localizadas com intimação e ouvidas. Estas, de acordo com a juíza, apresentaram depoimentos com várias controvérsias. Uma das alunos falou que a mãe estava ciente das investidas do secretário, mas em interrogatório, a mãe alegou que soube do caso somente na denúncia policial. A outra adolescente contou que teve uma falta abonada e que o secretário teria dito “você fica me devendo uma”, mas durante a apuração foi constatado que, na época, nenhuma ausência foi retirada do currículo.

Colegas defendem secretário acusado de assédio sexual

O servidor, que atua na escola há mais de 25 anos, foi defendido por oito colegas da instituição de ensino. Além de confirmarem o bom comportamento do réu, alegaram ainda que ele não tinha acesso ao sistema de notas ou meios para alterar as médias escolares.

Ainda de acordo com servidores da escola, semanas antes, o secretário foi um dos responsáveis por encontrar um aluno usando e traficando drogas dentro das dependências do colégio, o que motivou a expulsão do adolescente, que chegou a ameaçá-lo de morte. Consta nos autos que o adolescente expulso seria namorado de uma das meninas e amigo das demais, todas envolvidas no processo. Em depoimento, um professor afirmou que ouviu as supostas vítimas chorando e jurando vingança ao secretário.

Via: TJ-GO 
Imagens: Minha Biblioteca 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Governo de Goiás confirma pagamento de mais uma parcela de servidores públicos hoje

A secretária da Economia confirmou que mais de 32 mil servidores terão os salários de fevereiro creditados na conta hoje (28/2).

Por Ton Paulo
28/02/2019, 08h20

O Governo de Goiás anunciou, através da Secretaria da Economia, o pagamento do salário de fevereiro aos servidores públicos que recebem o líquido de até R$ 10.900 reais nesta quinta-feira (28/2). A secretária da Economia confirmou que mais de 32 mil servidores terão os salários creditados na conta.

O anúncio foi feito na última quarta-feira (27/2). Segundo a secretária da Economia, Cristiane Schmidt, foi feito ajuste no cronograma e serão liberados os vencimentos de todos os servidores do Poder Executivo que ganham até R$ 10.900. Segundo ela, vale ressaltar que nesses números já se consideram os servidores das Secretarias da Educação e da Segurança Pública ativos. O pagamento do mês de fevereiro se refere ao terceiro cronograma aplicado.

Ainda segundo a Secretaria da Economia, 32.954 servidores públicos estaduais receberão o salário de fevereiro em suas contas bancárias. Com a nova faixa de pagamento, serão alcançados 95,3% dos servidores do Poder Executivo.

O restante da folha, acima de R$10,9 mil receberá até o dia 10 do mês de março, junto com os servidores do Poder Judiciário, Legislativo, Tribunais de Contas, Ministério Público e Defensoria.

Na última segunda-feira (25/2), com o anúncio da liberação para quem ganha até R$ 5.400 líquido foi gerada uma onda de insatisfação que levou, inclusive, os auditores fiscais a decidir por um protesto com redução de produtividade a partir do dia 11 de março.

Servidores públicos municipais da saúde fizeram protesto na última quarta

Ontem, quarta-feira (27/2), servidores da Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia (SMS) fizeram uma manifestação em frente ao Paço Municipal. A categoria representada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Único de Saúde no Estado de Goiás (Sindsaúde), cobrou que o prefeito Iris Rezende (MDB) cumpra com o plano de carreira dos servidores.

Outra reivindicação dos servidores foi o pagamento das progressões que deveria acontecer de dois em dois anos, e que é equivalente a 6,12% dos funcionários. De acordo com os servidores que protestaram em frente a Prefeitura, desde 2014 o pagamento das progressões não é efetuado.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.