Brasil

Em um dia, força-tarefa do MP de Goiás recebe 40 denúncias sobre João de Deus

11/12/2018, 07h40

A força-tarefa do Ministério Público de Goiás (MP-GO), criada para investigar os casos de abuso sexual que teriam sido cometidos por João Teixeira de Faria, o médium João de Deus, recebeu nesta segunda-feira, 10, 40 contatos formais de vítimas. A Promotoria e a Polícia Civil começou a agendar os depoimentos das mulheres.

As conversas informais ouvidas até o momento pelo MP-GO indicam que a investigação terá como ponto central o abuso sexual. Mas, além disso, será avaliada também a prática de outros crimes. Nem Promotoria nem polícia informaram quais seriam os demais delitos.

As duas instituições se preparam para a possibilidade de pedir o fechamento preventivo da Casa Dom Inácio de Loyola, onde os atendimentos são realizados. “Temos ainda de avaliar os depoimentos que forem formalizados. Dependendo do que for constatado, essa hipótese não está descartada”, afirmou o coordenador do Centro de Apoio Operacional Criminal do Ministério Público de Goiás, Luciano Meireles. A medida seria tomada para evitar a eventual prática de novos delitos.

As investigações agora serão feitas de forma simultânea pelo MP-GO e pela Polícia Civil, que também formou um grupo específico para a investigação. A polícia recebeu o contato de mais duas mulheres. Além disso, no fim de semana, foram registrados dois boletins de ocorrência contra o religioso.

Promotores afirmam ser indispensável que vítimas formalizem as denúncias. Além de depoimentos, serão usados como prova laudos psicólogicos. Meireles disse que, conforme o andamento da coleta de provas, casos semelhantes que já haviam sido arquivados poderão ser reabertos. A equipe já identificou um caso arquivado e um processo em que João de Deus recebeu acusação semelhante, mas foi absolvido (veja abaixo). O representante do MP-GO afirma que as penas, somadas, podem chegar a mais de 150 anos.

Para tornar mais ágil o processo de denúncia, o MP-GO criou um e-mail específico para receber relatos de vítimas: [email protected] Queixas feitos em outros Estados e até no exterior também serão registradas. Segundo Marcella Orçai, delegada de Goiás, isso poderá ser feito nas embaixadas.

No caso de vítimas em outros Estados, os depoimentos podem ser feitos diante da Polícia Civil ou Ministério Público das suas cidades. “No caso do MP, os relatos depois serão enviados para Goiás”, disse Meireles. Em Minas, ao menos duas pessoas já fizeram denúncia, segundo a Promotoria local.

São Paulo

Ao menos 30 denúncias foram levadas ao MP paulista, segundo a promotora Maria Gabriela Manssur. Como as investigações só começaram agora, não é possível dizer se há duplicidade de relatos com as denúncias feitas ao MP de Goiás. Ela considera que o número de casos de abusos pode chegar a 200 no País, segundo relatos em grupos de vítimas. No Estado, quatro promotores vão atender as autoras das queixas.

Presidente do grupo Vítimas Unidas, criado por vítimas do ex-médico Roger Abdelmassih, Maria do Carmo dos Santos diz que as autoras de denuncias ainda estão sendo ameaçadas. “Muito mais vai aparecer.” Segundo ela, vítimas e apoiadores se organizam para garantir que João de Deus seja punido, diferentemente do que ocorreu em outras acusações esparsas. Em paralelo, ativistas lançaram a hashtag #OprahWeNeedYou (Oprah, precisamos de você) para cobrar um posicionamento da apresentadora Oprah Winfrey, que retratou o médium em programas da TV americana . “Cadê o movimento ‘Mexeu com uma, mexeu com todas’?”

A Federação Espírita Brasileira divulgou nota, dizendo que “o serviço espiritual não deve ocorrer isoladamente, apenas com a presença do médium e da pessoa assistida”.

Defesa

O líder espiritual João de Deus passou a segunda-feira em São Paulo para se encontrar com seu advogado, Alberto Zacharias Toron. Segundo o defensor, um ofício foi encaminhado para o Ministério Público e outros seriam enviados para a Delegacia de Polícia e o Fórum de Abadiânia (GO), informando que João de Deus está à disposição para esclarecimentos. “Ele volta para Abadiânia para exercer o trabalho dele, ajudando as pessoas como vem fazendo nos últimos 40 anos”, afirmou o criminalista.

Conforme o site de O Globo noticiou nesta segunda à noite, no documento protocolado na Justiça de Abadiânia, a defesa diz ter recebido “com indignação” as acusações. Assinado por Toron, o ofício registra que João de Deus “rechaça” o que classifica de “qualquer prática imprópria dos seus procedimentos”, como havia dito em respostas enviadas à TV Globo. A reportagem não conseguiu contato com a assessoria de imprensa do médium. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Sem turismo espiritual, Abadiânia (GO) teme colapso

A expectativa é para ver o que ocorrerá na quarta, quando os trabalhos semanais teriam início.
11/12/2018, 07h52

Sentado em frente da sua loja de roupas “Nirvana”, em Abadiânia (GO), Antonio de Carmo não escondia a preocupação com as denúncias contra João de Deus. “Não ganho muito com as vendas, mas vivo bem. Se a Casa (Dom Inácio de Loyola, onde o médium atende) acabar, metade do comércio vai junto.” Na loja de cristais em frente, vê-se outro relato na mesma linha. O temor é de “quebradeira”.

Marcos Júnior, que há oito meses chegou à cidade para ajudar o pai no comércio, nem imagina o que seria de Abadiânia se as atividades do líder espiritual fossem encerradas. “Não gosto nem de pensar. Ele atrai muita gente, movimenta os negócios.” Isso vale até para cursos de idiomas. Marcos, por exemplo, para atender melhor fregueses, vai para cidade ao lado cursar inglês e espanhol.

“Claro que a verdade tem de ser dita, que as denúncias têm de ser investigadas. Se for culpado, merece castigo. Mas não vou esconder que fico preocupada com meu futuro”, afirma uma comerciante que trabalha na rua que leva à Casa Dom Inácio, onde João de Deus atende às quartas, quintas e sextas.

Pelas contas do prefeito José Aparecido Diniz (PSD), os atendimentos feitos pelo médium atraem mensalmente cerca de 10 mil pessoas – 40% estrangeiros. Número expressivo, sobretudo considerando os 17 mil habitantes da cidade – a 90 quilômetros de Goiânia e a 120 quilômetros de Brasília. “Olha o salto no consumo”, afirma Diniz.

Secretário de Turismo e Meio Ambiente, José Augusto Paralov concorda. “A cidade é pequena e o comércio vive em função disso. Temos 40 pousadas e hotéis, além de uma dezena de restaurantes, que dependem exclusivamente das excursões e romarias. Pode acontecer uma quebradeira.”

Pelas contas do município, a Casa Dom Inácio de Loyola cria, direta e indiretamente, 1,3 mil postos de trabalho. Mas também dá gastos. “Muita gente com problema de saúde chega aqui em busca de atendimento espiritual. Mas o que acontece é que muitos acabam parando no hospital”, completa o prefeito. Ele relata ainda mortes de fiéis. “E algumas vezes, o traslado do corpo ficou por conta do município.” Procurada, a Casa não se pronunciou.

O turismo religioso divide a cidade. De um lado da BR-060 onde está o centro religioso, o comércio de lojas esotéricas, de roupas brancas (pede-se que os visitantes usem essa cor) e do movimento de estrangeiros dá um ar movimentado e pitoresco ao lugar. No outro lado da BR, onde ficam as casas dos moradores da cidade e a maior parte dos prédios públicos, Abadiânia é uma típica cidade do interior. “Até a violência onde ficam os moradores é maior”, conta um lojista, que não quis se identificar.

“Era tudo mato”. Dona da pousada que leva seu nome, Izaíra Alves da Silva, de 84 anos, diz que “todo mundo vive em torno do médium”. Ela conta que, quando se mudou para Abadiânia, há 33 anos, “era tudo mato”. “Sou de Dourados (MS). O médium me colocou como guia e passei a trazer excursões de Belém, até conseguir montar minha pousada. Se fechar, acaba tudo mesmo. Como vamos pagar as contas?” Dono da Pousada São Gabriel, Jovelino Junior estima que 90% das ocupações da rede hoteleira local resultam do fluxo de pessoas para a Dom Inácio. “Vi alguma coisa no noticiário e estou assustado. Vai ter desemprego, não sei como a cidade vai sobreviver.”

A guia Maria da Penha Ribeiro, de 73 anos, que há mais de 30 anos leva excursões de Belo Horizonte, relata cuidar de duas viagens por mês. “Todos são bem atendidos e não se cobra. Quem quer faz doação em dinheiro ou remédio.”

Outra guia, Claudia Celina Silva, de 59 anos e de Cuiabá, está com excursão fechada para esta terça-feira, 11. “Telefonei para todos e querem ir do mesmo jeito. A maioria é portadora de câncer e vai só para agradecer. Estou apavorada com a possibilidade de fechar (a casa). Sou católica, mas devo muito ao médium. Meu filho teve cinco comas, o último de 45 dias. Nenhum médico me deu esperança, mas ele voltou a enxergar e andar.

O guia internacional Anselmo Lima, de Brasília, que organiza excursões da França, disse que não há cancelamentos. “Mas é importante que toda essa situação seja esclarecida.”

Polêmico. A expectativa é para ver o que ocorrerá na quarta, quando os trabalhos semanais teriam início. “Estou certa que muitos vão chegar. Como eu”, disse a diarista Maria Aparecida Barros. A cada quatro meses, ela viaja de Curitiba para Abadiânia, em busca de tratamento para seu filho, Luan, de 27 anos.

Com Síndrome Wolfran (doença genética rara), Luan apresenta visão comprometida. “Há cinco anos venho aqui na casa (onde o médium atende). Depois disso, a progressão da doença diminuiu.” Maria Aparecida é uma das que acreditam que em pouco tempo as denúncias serão desmentidas. “Isso vai passar.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Jayme Rincón e Júlio Vaz são liberados pela PF após cinco dias de prisão

Além de Jayme Rincón e Júlio Vaz, foram liberados também o casal Márcio Gomes Borges, gerente-geral de Distritos da Codego, e Meire Cristina Rodrigues Borges, servidora comissionada da Secretaria Extraordinária de Articulação Política.

Por Ton Paulo
11/12/2018, 07h57

O ex-presidente da Agência Goiana de Transportes e Obras (Agetop), Jayme Rincón, e Júlio Vaz, presidente da Codego, foram liberados da sede da Polícia Federal (PF) em Goiânia na madrugada desta terça-feira (11/12), após cinco dias de prisão. Jayme e Júlio tiveram prisão temporária decretada na última quinta-feira (6/12), na Operação Confraria, um desdobramento da Operação Cash Delivery que apura a suspeita de repasses indevidos a agentes públicos por meio da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Goiás (Codego). A informação é da CBN Goiânia.

Além deles, foram liberados também o casal Márcio Gomes Borges, gerente-geral de Distritos da Codego, e Meire Cristina Rodrigues Borges, servidora comissionada da Secretaria Extraordinária de Articulação Política. Todos estavam presos na Operação Confraria. Eles foram liberados por volta de meia-noite de hoje, após a Justiça aceitar os pedidos de Habeas Corpus feitos pelos seus advogados.

O grupo é suspeito de participar de esquemas de desvio de verbas do governo de Goiás e as investigações apontam incompatibilidade da vida luxuosa levada por Márcio Gomes e Meire Cristina com a renda comprovada por eles.

Operação Confraria e Cash Delivery

A Operação Confraria, desdobramento da Cash Delivery, envolveu, ao todo, 50 policiais federais que cumpriram 10 mandados de busca e apreensão e 4 mandados de prisão temporária, além de sequestros de imóveis, nas cidades de Goiânia, Caldas Novas, Aruanã, Brasília/DF e Búzios/RJ, todos expedidos pela 11ª Vara da Justiça Federal em Goiânia.

Já a Operação Cash Delivery foi desencadeada a partir de investigação depois de delação de executivos da Odebrecht, que alcança empresários, agentes públicos e doleiros pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Ao todo, foram cumpridos 14 mandados de busca e apreensão e cinco de prisão temporária, expedidos pela 11ª Vara da Justiça Federal de Goiás, nas cidades de Goiânia, Aparecida de Goiânia, Pirenópolis e Aruanã, Campinas e São Paulo. O ex-presidente da Agetop, Jayme Rincón, e o ex-governador do Estado de Goiás, Marconi Perillo, chegaram a ser presos preventivamente, obtendo um Habeas Corpus logo depois.

Durante a ação, foram apreendidos R$ 940.260 na casa de Márcio Garcia de Moura, policial militar e motorista de Jayme Rincón. Outros R$ 79 mil foram apreendidos na casa de Jayme, além de 2,4 mil euros, 80 libras esterlinas, 101 dólares e 15 pesos argentinos.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

PF cumpre 24 mandados de busca e apreensão em endereços ligados a Aécio e aliados

Aproximadamente 200 policiais federais dão cumprimento aos mandados expedidos pelo Supremo Tribunal Federal.
11/12/2018, 08h26

A Polícia Federal faz buscas nesta terça-feira, 11, em endereços ligados ao senador Aécio Neves (PSDB-MG). A investigação está relacionada à delação premiada de executivos do Grupo J&F. Ao todo, a PF cumpre 24 mandados de busca em investigação envolvendo parlamentares na Operação Ross.

A operação foi a um apartamento da família do senador em Ipanema, zona sul do Rio. As buscas alcançam mais cinco parlamentares: os deputados Paulinho da Força (SD-SP), Cristiane Brasil (PTB-RJ), Benito Gama (PTB-BA) e senadores Agripino Maia (DEM-RN) e Antonio Anastasia (PSDB-MG).

O objetivo da ação é investigar o recebimento de vantagens indevidas por parte de três senadores da República e três deputados federais, entre os anos de 2014 e 2017. As vantagens teriam sido solicitadas a um grande grupo empresarial do ramo dos frigoríficos que teria efetuado o pagamento, inclusive para fins da campanha presidencial de 2014. A ação de hoje é um desdobramento da Operação Patmos, deflagrada em maio de 2017.

Os valores investigados, que teriam sido utilizados também para a obtenção de apoio político, ultrapassam os R$ 100 milhões, Suspeita-se que os valores eram recebidos por meio da simulação de serviços que não eram efetivamente prestados e para os quais eram emitidas notas fiscais frias.

Aproximadamente 200 policiais federais dão cumprimento aos mandados expedidos pelo Supremo Tribunal Federal. Eles realizam 48 intimações para oitivas. As medidas estão sendo cumpridas no Distrito Federal e nos Estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Rio Grande do Norte, Mato Grosso do Sul, Tocantins, e Amapá.

São investigados os crimes de corrupção passiva, organização criminosa, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

O nome da apuração, Ross, faz referência a um explorador britânico que dá nome à maior plataforma de gelo do mundo localizada na Antártida fazendo – numa alusão às notas fiscais frias que estão sob investigação.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Esportes

Conselho do Corinthians se reúne e deve aprovar previsão orçamentária de 2019

O Corinthians tinha a previsão de faturar R$ 87,2 milhões neste ano.
11/12/2018, 08h37

O Conselho Deliberativo do Corinthians se reúne nesta terça-feira, às 19 horas, no Parque São Jorge, em São Paulo, para votar a previsão orçamentária de 2019. Dos 318 conselheiros do clube, a expectativa é que 250 compareçam e que a maioria aprove o relatório prévio elaborado pela atual diretoria.

O Estado revelou na última semana alguns números desse documento. Nele, havia quatro pontos na introdução para explicar quais foram os “critérios e premissas adotados”. Resumidamente, o primeiro ponto admite que o clube colocará o pé no freio mantendo “o nível das despesas e custos em linha com os valores realizados em 2018, com uma leve queda e sem incrementos significativos ainda que considerados os índices de inflação previstos”.

O segundo pede que sejam mantidos os investimentos em formação de atletas nos mesmos níveis do triênio 2016/2017/2018. Também coloca como ponto chave a busca por patrocinadores “cujos níveis estiveram abaixo do previsto no biênio 2017/2018”.

Por fim, informa que tentará reduzir as despesas financeiras baseando-se nas renegociações de contratos e na implementação de gerenciamento ativo do fluxo de caixa realizadas em 2018.

As receitas com patrocínios são um dos exemplos de frustração que levaram a um comedimento em relação ao que se espera na próxima temporada. O Corinthians tinha a previsão de faturar R$ 87,2 milhões neste ano. Mas o orçamento ajustado, que representa o balancete de janeiro a setembro e mais a projeção dos três últimos meses de 2018, alcança apenas R$ 38,7 milhões.

Essa diferença para menos de 55,5% fez a diretoria financeira baixar a expectativa para 2019 para R$ 64 milhões com patrocinadores – vale lembrar que desde abril de 2017 o clube não consegue negociar a parte mais nobre da camisa.

Outro número que explica a tentativa de contenção da atual gestão está nos valores que envolvem a negociação de jogadores. Nem mesmo o faturamento de R$ 110 milhões com a venda de atletas ajudou o clube a fechar o ano no azul. A previsão para dezembro é que o Corinthians feche com déficit de R$ 26,3 milhões.

A estimativa é que a reunião dure por volta de três horas. O principal ponto de questionamento da oposição é a falta de transparência nas contas da Arena Corinthians, em São Paulo. Na última semana, o grupo Movimento Corinthians Grande solicitou via redes sociais reivindicaram cinco documentos para explicar as despesas e receitas do novo estádio.

Imagens: Folha de São Paulo 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.