Brasil

PCC planeja matar promotor e chefe dos presídios

10/12/2018, 07h56

O Primeiro Comando da capital (PCC) prepara uma série de atentados contra autoridades em São Paulo, caso a Justiça determine a transferência da cúpula da facção para o sistema prisional federal. Carta apreendida neste domingo, 9, pela polícia indica que os alvos seriam o promotor Lincoln Gakiya e o coordenador dos presídios na região oeste do Estado, Roberto Medina.

O documento estava com Maria Elaine de Oliveira e Alessandra Cristina Vieira, mulheres de presos da Penitenciária 2 (P2) de Presidente Venceslau, onde cumprem penas os chefes da facção criminosa, entre eles Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola. A polícia o encontrou na bolsa de Maria Elaine, guardada no carro dirigido por Alessandra.

De acordo com a inteligência da polícia, nele havia a transcrição de dois “salves”, comunicados da facção com ordens ou pronunciamentos de sua cúpula e a resposta dos subordinados. No primeiro, os bandidos afirmam à cúpula que estão com o levantamento completo do primeiro alvo, chamado pelos bandidos de “frango”. “Dá pra fazer ele a hora que quiser. Nóis (sic) já tem o carro e o orário (sic) tudo dele.” O alvo seria Medina, que, como coordenador dos presídios da região oeste, tem sob suas ordens a P2.

A comunicação continua afirmando que o outro “frango”, o “japonês” (o promotor Lincoln Gakiya, responsável por investigar a atuação da cúpula da facção) “é um pouco mais complicado”. O problema aqui seria a rota de fuga depois do ataque. “A cidade dele é bem maior”, diz o documento, que estava criptografado e foi decodificado pelos agentes.

O segundo “salve” codificado mostra que a missão de matar as duas autoridades seria cumprida pelo setor do PCC conhecido como “sintonia restrita”, responsável por assassinatos de integrantes do sistema penitenciário federal em 2016 e 2017. Ele havia sido enviado pela cúpula da facção ao grupo. “Essa missão é de extrema, pois se o amigo aqui for para a federal, essa situação tem que ser colocada no chão de qualquer forma”, diz o “salve”.

O documento prossegue mostrando a importância que a cúpula dá para a missão. “Os amigos querem informações toda semana para saber se vocês estão chegando com a sintonia com lealdade já demonstrada em outras situações importantes da família. Infelizmente a carona não deu certo. Existe (sic) traidores no meio de nois (sic) mas esses na melhor hora vão ter a resposta à altura”.

Pedido

Na semana passada, o Ministério Público Estadual (MPE) apresentou um pedido assinado por uma dezena de promotores em que se solicitava à Justiça a transferência de Marcola e outros 13 integrantes da cúpula da facção. O Judiciário ainda não decidiu o que fazer. Em novembro, a Justiça havia determinado a ida de seis presos da chamada Sintonia de Outros Estados e Países para o sistema federal, em razão da participação deles nos crimes descobertos durante a Operação Echelon, como a execução de dezenas de rivais em outros Estados e o tráfico de drogas.

A cúpula da facção de imediato começou a planejar uma represália. Seu plano era matar o ex-secretário da Segurança Pública Antonio Ferreira Pinto. Também planejou um resgate da cúpula, por meio do ataque à P2 de Presidente Venceslau. Para tanto, mercenários foram contratados para explodir a muralha e extrair de suas celas os chefes da facção, que seriam transportados para o exterior em aviões. Desde que os dois planos foram descobertos, Ferreira foi posto sob segurança e quase uma centena de homens do Comando de Operações Especiais (COE), armados com metralhadoras, e das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), blindados e helicópteros foram levados para Presidente Venceslau, a fim de proteger o perímetro.

A inteligência desconfia que a descoberta desses planos é o que explica a referencia à “carona” feita em um dos “salves” apreendidos. Com as duas havia ainda bilhetes com anotações sobre o “bob geral dos pavilhões”. Segundo a polícia, trata-se de contabilidade de venda de maconha (bob) nos presídios. Ao lado de indicações sobre quilos, havia anotações sobre valores das vendas de até R$ 7,5 mil.

Visita

Com base nos documentos, a Seccional de Presidente Venceslau prendeu em flagrante as duas sob as acusações de colaboração com tráfico e organização criminosa. Uma das mulheres estava registrada como visita na P2 de um detentos que divide a cela com Marcola, o que seria outro indício de que o líder do PCC estaria por trás dos planos de atentados contra as autoridades. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

MP de Goiás investigava médium João de Deus desde junho deste ano

Depois que as denúncias contra João de Deus foram exibidas no Conversa com Bial, mais de 200 mulheres que também fazem relatos semelhantes procuraram a promotoria.

Por Ton Paulo
10/12/2018, 08h52

O talk show Conversa com Bial, da TV Globo, que foi ao ar na última sexta-feira (7/12), trouxe relatos de mulher que teriam sido abusadas sexualmente pelo mundialmente famoso médium goiano João de Deus. Entretanto, segundo o Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO), o médium, que atende pessoas do mundo inteiro na Casa Dom Inácio de Loyola realizando as chamadas “cirurgias espirituais”, já vinha sendo investigado por abuso sexual contra suas pacientes, em sigilo, desde o mês de junho deste ano.

A informação foi repassada pelo Ministério Público à TV Globo e divulgada ontem (9/12).

O procedimento de investigação teria tido início após um ofício da promotora do MP-GO encaminhado ao diretor-geral da Polícia Civil de Goiás (PC), André Fernandes Almeida. Desde então, o trabalho dos agentes da polícia acontecem em sigilo para preservar as vítimas e evitar exposição indevida ou desnecessária junto ao público.

Ainda segundo o órgão, já existiam denúncias contra João de Deus desde 2010. Após os relatos exibidos pelo programa Conversa com Bial e pelo jornal O Globo, 25 outras mulheres relataram nas últimas 48h terem sofrido o mesmo tipo de crime. A defesa dele nega as acusações. As informações são do Fantástico.

No ano de 2012, o médium João de Deus, que é natural de Cachoeira de Goiás, chegou a ser julgado por abuso sexual, mas foi inocentado por falta de provas. A promotora Gabriela Manssur, de São Paulo, conta que, depois que as denúncias foram exibidas no Conversa com Bial, já foi procurada por mais de 200 mulheres que também fazem relatos semelhantes.

De acordo com um dos assessores de comunicação do MP-GO, Fagner Pinho, uma coletiva de imprensa será realizada na manhã desta segunda-feira (10/12), no MP-GO, onde os promotores Luciano Miranda Meireles e Patrícia Otoni esclarecerão pontos sobre sobre a investigação e o caso emblemático.

Em nota, a assessoria de João de Deus negou as acusações

Por meio de nota, a assessoria do médium João de Deus afirma que “há 44 anos, João de Deus atende milhares de pessoas em Abadiânia, praticando o bem por meio de tratamentos espirituais. Apesar de não ter sido informado dos detalhes da reportagem [veiculada no programa Conversa com Bial], ele rechaça veementemente qualquer prática imprópria em seus atendimentos”.

A reportagem do Dia Online tentou contato com a assessora do médium, Edna Gomes, mas não obteve retorno.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Lava Jato prende prefeito de Niterói

Entre os anos de 2014 e 2018 foram desviados aproximadamente R$ 10,9 milhões dos cofres públicos.
10/12/2018, 08h57

O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, foi preso nesta segunda-feira, 10, em um desdobramento da Operação Lava Jato deflagrado pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ), por meio da Subprocuradoria-Geral de Justiça de Assuntos Criminais e de Direitos Humanos (SUBCDH/MP-RJ) e do Grupo de Atribuição Originária em Matéria Criminal (GAOCRIM/MP-RJ).

O chefe do Executivo da cidade fluminense foi denunciado à Justiça com o ex-secretário municipal de Obras do município Domício Mascarenhas de Andrade e mais três empresários do ramo de transporte público rodoviário.

Todos são acusados de integrar uma organização criminosa para a prática dos crimes de corrupção ativa e passiva. Segundo o Ministério Público, o esquema foi articulado para o recebimento de propina paga por empresários do setor aos agentes públicos da cidade.

De acordo com a investigação realizada pelo MP-RJ em parceria com a Polícia Civil, entre os anos de 2014 e 2018 foram desviados aproximadamente R$ 10,9 milhões dos cofres públicos para pagamentos ilegais.

A pedido do MP-RJ, o Tribunal de Justiça expediu, além de mandados de prisão preventiva, ordens de busca e apreensão contra os acusados. A Operação Alameda foi executada pela da Polícia Civil, pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco/MP-RJ) e pela Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MP-RJ).

Além das residências dos acusados, as buscas alcançam também o gabinete do prefeito, as sedes de oito empresas de ônibus que prestam serviço no município, além de escritórios dos consórcios Transoceânico e Transnit, e do Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (SETRERJ).

A ação é um desdobramento da Operação Lava Jato no âmbito da Justiça Estadual, após adesão do MPRJ aos termos e condições do acordo de colaboração premiada celebrado pelo empresário Marcelo Traça com o Ministério Público Federal e do compartilhamento de provas autorizado pelo Juízo da 7ª Vara Federal.

Imagens: G1 Rio de Janeiro 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Cãozinho preso em poça de piche é resgatado por bombeiros, em Senador Canedo

A ocorrência foi registrada no Bairro Jardim Canedo III. No mesmo dia, um chow-chow foi salvo de um bueiro, em Jataí.

Por Ton Paulo
10/12/2018, 09h45

Um cãozinho dócil e assustado acabou ficando preso em uma poça de piche em Senador Canedo, na tarde do último domingo (9/12), e, felizmente, após o acionamento da corporação, foi resgatado pelo Corpo de Bombeiro. A ocorrência foi registrada no Bairro Jardim Canedo III.

O resgate do cachorrinho foi feito pela equipe de resgate do 14°Batalhão de Bombeiros Militar, em Senador Canedo. Eles foram foram acionados na tarde de ontem, domingo, para resgatar o animalzinho que tinha ficado preso numa poça de piche.

De acordo com os bombeiros, cerca de dois terços do corpo do animal estava preso na substância viscosa que tem forte poder de aderência. A guarnição atuou com cuidado para retirar o animal sem o ferir.

Após o resgate  os bombeiros deram um banho no animal, que permaneceu dócil durante toda operação.

Cãozinho preso em poça de piche é resgatado por bombeiros, em Senador Canedo
Foto: Corpo de Bombeiros

A reportagem do Dia Online tenta contato com o bombeiro que coordenou o resgate, para saber se o animalzinho tinha dono ou se era um cachorro de rua.

No mesmo dia, outro cãozinho foi resgatado pelos bombeiros após ficar preso em bueiro

Aparentemente, o último domingo foi o dia dos cãezinhos precisarem de salvamento. Mo município de Jataí, região sudoeste de Goiás, um cachorro acabou ficando preso em um bueiro, precisando de ajuda dos bombeiros para sair.

O caso aconteceu ontem, domingo quando o Corpo de Bombeiros de Jataí foi acionado para resgatar um cachorro da raça chow-chow que havia caído em um bueiro.

Cãozinho preso em poça de piche é resgatado por bombeiros, em Senador Canedo
Foto: Corpo de Bombeiros

A guarnição de resgate foi composta pelo Sargento Quintiliano, Sargento Roberto e Soldado Passos. Um dos militares desceu pela “boca de lobo” e constatou que o animal já havia passado pela tubulação e caído na galeria pluvial.

Os bombeiros retiraram a tampa da galeria para ter acesso ao local. O animal, apesar de assustado, foi resgatado com vida e entregue a seu dono.

Ele não apresentava lesões aparentes.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Goiás tem a maior queda na produção industrial do país, em comparação ao ano passado

De acordo com o IBGE, o estado de Goiás foi o que apresentou a maior queda na produção industrial entre os 15 estados pesquisados.

Por Ton Paulo
10/12/2018, 11h13

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados recentemente sobre a indústria brasileira não foram lá muito animadores para Goiás. De acordo com o instituto, o estado de Goiás foi o que apresentou a maior queda de na produção industrial entre os 15 estados pesquisados.

O IBGE pesquisou o desempenho da produção industrial deste ano de 15 estados brasileiros, de setembro para outubro, e constatou que nove deles tiveram recuo, apesar da alta nacional de 0,2%.

A maior queda foi observada em Pernambuco, de 10,1%. Goiás teve recuo de -1%.

Também foram constadas quedas na produção nos estados de Mato Grosso (-2,7%), Ceará (-2,6%), Pará (-2,5%), Paraná (-2,5%), Rio Grande do Sul (-2,1%) e Rio de Janeiro (-0,8%). A Região Nordeste, que reúne as produções de seus nove estados, também recuou 1,9%.

A produção da indústria de São Paulo manteve-se estável no período. Cinco estados sustentaram a alta nacional de 0,2%: Amazonas (12,4%), Santa Catarina (4,4%), Espírito Santo (1,9%), Bahia e Minas Gerais (com 1,1% cada um).

Em relação ao ano passado, enquanto Goiás teve a maior queda na produção industrial, Pará teve o melhor desempenho

Na comparação com o ano de 2017, Pará teve a melhor alta em sua produção industrial e Goiás a maior queda.

Comparando com o mês de outubro do ano passado, 11 dos 15 locais pesquisados tiveram alta, com destaque para o Rio Grande do Sul (14,8%) e o Pará (12,9%). Quatro locais tiveram queda, sendo a maior delas registrada em Goiás (-6,5%).

No acumulado do ano, 12 locais tiveram alta e três, queda. O maior crescimento foi registrado no Pará (10,1%). A maior queda, em Goiás (-3,5%). No acumulado de 12 meses, também foram 12 locais com alta e três com queda. O destaque positivo foi o Pará (9,9%). O destaque negativo ficou com Espírito Santo (-1,8%).

Com produção industrial em baixa, projeto de Ronaldo Caiado para reduzir incentivos fiscais às indústrias goianas é aprovado

Os deputados da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás (Alego) aprovaram em primeira e segunda votação, na última semana, o projeto da governadoria com o substitutivo do relator, o deputado Lívio Luciano (Podemos), que dispõe sobre a redução de incentivos fiscais a setores produtivos em Goiás.

A proposta, já aprovada, vai gerar um impacto de aproximadamente R$ 1 bilhão na economia do Estado, uma vez que mudará os quadros de reinstituição dos incentivos, dos benefícios fiscais ou financeiros-fiscais e das isenções relativos ao ICMS. O projeto foi acordado após uma reunião entre o governador eleito Ronaldo Caiado (DEM) e nomes do empresariado goiano.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.