Goiás

Lúcio Flávio é reeleito presidente da OAB Goiás

Lúcio Flávio, que concorria à reeleição pela Chapa 1 – OAB Pra Frente, foi escolhido para presidir o órgão pelos próximos três anos.

Por Ton Paulo
30/11/2018, 17h58

Os advogados e advogadas de Goiás reelegeram, nesta sexta-feira (30/11), o advogado Lúcio Flávio como o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Goiás (OAB Goiás). Lúcio Flávio, que concorria à reeleição pela Chapa 1 – OAB Pra Frente, foi escolhido para presidir o órgão pelos próximos três anos.

Lúcio Flávio Siqueira de Paiva está à frente da OAB Goiás desde 2016, quando foi eleito pela primeira vez para a Presidência da Ordem, sucedendo Enil Henrique de Souza Filho. O advogado era cotado como preferido nas pesquisas.

Lúcio Flávio é advogado e professor, lecionando, inclusive, em instituições como a PUC Goiás. O presidente reeleito da OAB Goiás é Mestre em Direito, Relações Internacionais e Desenvolvimento, Especialista em Direito Empresarial e em Direito Processual Civil, e atua em Goiás, Distrito Federal e São Paulo no Direito Contencioso Cível. Também já foi professor da Esa.

O advogado foi o presidente mais jovem de todas as seccionais da OAB, fato que marcou o órgão. Além disso, Lúcio Flávio conta com elogios à sua gestão uma vez que propiciou o pagamento da dívida e investimentos na estrutura do órgão.

Processo eleitoral que reelegeu Lúcio Flávio foi marcado por polêmicas e desentendimentos

As eleições que levaram Lúcio Flávio novamente à Presidência da OAB Goiás não podem ser consideradas lá muito tranquilas, e o debate ocorrido entre os candidatos é uma prova disso.

Uma das polêmicas levantadas ao longo do debate, realizado no dia 22/11, foi o comentário considerado machista feito pelo candidato à Vice-Presidência da OAB Goiás pela Chapa 5, Ronivan Peixoto, em uma rede social.

O advogado teria feito um ataque de cunho sexista contra a candidata à Vice da Chapa 2, Míriam Barcelos, dizendo que “eleição da OAB não era concurso de miss ou de blogueira”.

Pedro Paulo Medeiros, cabeça da chapa derrotado nestas eleições, pediu desculpas, à época, e lamentou o comentário do vice.

Imagens: Facebook 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

Piloto e copiloto morreram na queda de avião na zona norte de SP

Entre os feridos, sete eram pedestres que passavam pelo local do acidente e cinco, pessoas que estavam dentro das casas atingidas pela aeronave.
30/11/2018, 18h12

O Corpo de Bombeiros informou que os corpos do piloto e do copiloto foram retirados de dentro da aeronave que caiu nesta sexta-feira, 30, na zona norte da capital paulista. As vítimas são Guilherme Murback e Leonardo Yamamura. A mãe de um deles passou mal ao chegar ao local do acidente e foi socorrida por uma ambulância.

O avião de pequeno porte caiu na tarde desta sexta-feira na Avenida Antônio Nascimento Moura, próximo ao aeroporto do Campo de Marte. De acordo com o Corpo de Bombeiros, pelo menos duas pessoas morreram (o piloto e o copiloto) e 12 ficaram feridas. A aeronave atingiu uma casa e danificou pelo menos outras duas.

A aeronave havia acabado de decolar do Campo de Marte às 15h55, com destino a Jundiaí, no interior paulista, quando caiu.

Queda de avião deixa pedestres feridos

Entre os feridos, sete eram pedestres que passavam pelo local do acidente e cinco, pessoas que estavam dentro das casas atingidas pela aeronave. Nenhum dos feridos corre risco de morrer e o foco do incêndio está controlado.

O motorista de aplicativo Selmo Eugênio da Silva, de 44 anos, levava um passageiro da Barra Funda, na zona oeste, até Santana, na zona norte, no momento da queda. “Não sei como consegui escapar daquele incêndio, veio muito rápido em cima de nós”, disse.

Segundo Silva, o carro estava parado no farol quando foi atingido. “Pensei que um carro tinha batido atrás. O passageiro saiu, passando por cima de mim. Tentei sair e não conseguia. Apertei o botão do cinto, daí saí de dentro (do carro).”

Silva queimou parte do braço e foi atendido no local. Agora, está preocupado com o passageiro que, segundo ele, “se queimou bastante”. “Quero o telefone dele, ligar para ele.” O carro onde estavam explodiu logo depois da queda do avião.

A aeronave caiu perto de um posto de gasolina, assustando funcionários. “Vi ele passando bem baixinho e, depois, teve a explosão. Deu um barulho alto, saiu fumaça preta na hora, ficou um cheiro de fumaça”, disse o frentista Francimar Tomé da Silva, de 47 anos. “Teve correria para ver, para tirar fotos. Tinha pessoa gritando, dizendo corre, corre, para sair fora, gritando pra sair.”

O arquiteto Vainer Ragusa, de 50 anos, passava pela Brás Leme, após sair de uma consulta médica, quando viu a queda. “Estava no farol da Brás Leme, no sentido Santana. Vi que o avião levantou voo e perdeu potência, começou a baixar e caiu entre a rua e uma casa”, conta.

Segundo Ragusa, a aeronave atingiu carros. “Estava a uns 200 metros e senti o calorão. Foi muito feio.”

A estudante de moda Victória Piccinn, de 19 anos, saía do edifício de 10 andares em que mora quando o avião caiu. “Passou raspando na Torre A do Campo de Marte. Estava no celular com um amigo e falei nossa, quase arrancou um pedaço do prédio’. Passou fazendo tanto barulho que achei que fosse um daqueles da caças que fazem show.”

Segundo ela, houve um clarão após a queda e o avião era branco e azul. “Quando passamos aqui, já tinha muito fogo”, disse Victória.

Uma testemunha que trabalha em uma empresa localizada na Avenida Brás Leme, a duas quadras do acidente, também viu o momento da queda. “Vi que o avião subiu do aeroporto, fez um rasante nas árvores e caiu em uma rua bem em frente (da empresa onde trabalha), atrás de um posto de gasolina.”

Segundo o economista Carneiro Filho, logo após a queda, houve uma explosão. “Explodiu, deu bastante estrondo e uma labareda bem alta.”

De acordo com o Corpo de Bombeiros, dez viaturas foram deslocadas para o local onde caiu a aeronave.

Aeroporto do Campo de Marte

O Campo de Marte, que opera com aviação geral, com voos executivos e escola de pilotagem, registrou diversos acidentes com aeronaves e helicópteros. Especialista em prevenção de acidentes, Luiz Alberto Bohrer, diz que o aeroporto tem condições regulares e está dentro das normas e regras de segurança para pousos e decolagens.

“O aeroporto não é perigoso, mas há um risco maior para as casas que ficam no seu entorno. Um risco que existe em torno de qualquer aeroporto”, diz ele. Para ele, o número alto de acidentes no local pode ser explicado pelo tipo de operação.

Segundo ele, a aviação comercial têm, em geral, maior fiscalização do que a aviação geral. “As exigências e a fiscalização são menores e isso dá margem para que o nível de risco se eleve. O proprietário de um avião pequeno é o responsável pela manutenção da aeronave e pela contratação de pilotos experientes e que respeitem as regras de treinamento.”

Imagens: Metrópoles - DF 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Dentista furta bolsa de grife durante festa em Goiânia e deve pagar mais de R$ 10 mil à dona

Mulher furtou bolsa e objetos pessoais de colega que a convidou para evento.
30/11/2018, 19h59

Uma cirurgiã dentista foi condenada a 1 ano e 4 meses em regime aberto por furtar a bolsa de grife de uma colega que a convidou para uma festa no Setor Faiçalville, em Goiânia; ela terá de pagar ainda R$ 10.500 por prejuízos causados à dona do objeto. O crime ocorreu em 2017, e além da bolsa foi furtado ainda um celular, chave do carro, documentos, cartões de crédito e R$ 1.200 em espécie. A decisão foi da juíza Placidina Pires, da 6ª Vara dos Crimes Punidos com Reclusão de Goiânia.

De acordo com o processo, a vítima havia convidado a dentista, que conheceu em um salão de beleza e por meio de conversas nas redes sociais, para irem juntas a uma festa na casa de um amigo. Ao chegarem no local, por volta das 19h, a mulher deixou a bolsa, da marca Maria Gueixa, em um cadeira ao lado da convidada. Cerca de 30 minutos depois, a acusada deixou o local carregando os objetos.

Dentista furta bolsa de grife e, mesmo com depoimento de testemunhas, nega tudo

Quando sentiu falta da bolsa, a vítima disse que tentou ligar para o próprio celular, mas nenhuma das ligações foi atendida. Por meio de outro aparelho, ela rastreou o telefone, e o endereço apontado foi o da colega que ela havia chamado para a festa, localizado no Setor Bueno.

Em seguida ela ligou para a acusada e perguntou se ela havia levado a bolsa dela por engano, pois o rastreador apontava que o celular estava no endereço dela. A mulher negou e ainda questionou porque estava sendo acusada sem provas.

A vítima então conversou com outras pessoas que estavam no evento e que afirmaram terem visto a dentista pegando duas bolsas, porém não desconfiaram de nada porque a mulher era convidada dela.

O dono da residência, notando que a acusada parecia não se sentir bem, ainda chamou um carro por meio de aplicativo e a acompanhou até a porta. Pelo aplicativo dele foi possível confirmar o trajeto feito moça e o mesmo apontado pelo rastreador do telefone.

O motorista do carro, em depoimento, disse que levou a passageira do Setor Faiçalville até o Setor Bueno e que, no caminho, ela atendeu um telefonema e começou a discutir com outra pessoa, mas que antes havia pedido para que ele atendesse a ligação. Ele reforçou que ao sair do carro ela deixou cair uma bolsa preta que estava no banco do passageiro e que em seguida pegou o objeto, a colocou dentro de outra maior.

De acordo com o documento, a vítima chegou a procurar a tal colega e pedir para que ela devolvesse os pertences, mas a mulher continuou negando o crime.

Via: TJ-GO 
Imagens: Dicas de Mulher 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Polícia apreende ônibus que transportava trabalhadores rurais de maneira irregular, em Rio Verde

Os agentes da polícia chegaram a notar que a porta traseira do ônibus era fechada com cadeado e corrente.

Por Ton Paulo
01/12/2018, 08h47

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu ontem (30/11) um coletivo que transportava trabalhadores rurais de forma irregular na BR 060, em Rio Verde. O veículo apresentava péssimo estado de conservação e não podia estar levando os trabalhadores. Os agentes da polícia chegaram a notar que a porta traseira do ônibus era fechada com cadeado e corrente.

O veículo que carregava 15 operários saiu de Rio Verde com destino a uma plantação de cana de açúcar, deveria percorrer cerca de 50 quilômetros de distância conduzindo seus passageiros, em mau estado de conservação e segurança.

Dentre as irregularidades encontradas no coletivo chamaram a atenção dos agentes a falta de cintos de segurança, os cintos disponíveis que existiam estavam defeituosos, tacógrafo irregular, falta de extintor, parabrisa trincado, limpador de parabrisa estragado, saídas de emergências isoladas e porta traseira trancada com cadeado e corrente.

Polícia apreende ônibus que transportava trabalhadores rurais de maneira irregular, em Rio Verde
Foto: PRF

Além dos passageiros não usarem os cintos de segurança, junto com os ocupantes foram encontrados pneu de estepe e ferramentas, material transportados soltos, pondo em risco a segurança de todos.

O veículo foi autuado em várias irregularidades e foi apreendido, outro coletivo foi solicitado e foi apreendido também, estava com irregularidades que colocavam em risco a vida de seus ocupantes.

Além de caso de Rio Verde, veículos usados como transporte clandestinos para Brasília foram apreendidos

Em abril deste ano, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) apreendeu sete veículos que realizavam transporte irregular de passageiros para Brasília. Os passageiros chegavam a pagar o valor de R$ 60 reais pelo transporte clandestino.

A ANTT intensificou a fiscalização a esse tipo de irregularidade, que segundo o órgão, já provocou diversos acidentes e mortes nas nossas rodovias que cortam o Estado.

Os veículos apreendidos durante a operação foram levados para o depósito credenciado da ANTT. Para serem liberados os proprietários teriam que pagar as despesas referentes à estadia e guincho, além das despesas com as passagens dos passageiros embarcados no transporte regular. A multa para quem for flagrado é de aproximadamente R$ 7 mil.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Homem de 63 anos vai consertar caminhonete e é esmagado por ela, em Anápolis

A suspeita da polícia é de que o macaco usado tenha escorregado e deixado a caminhonete cair em cima do homem.

Por Ton Paulo
01/12/2018, 09h36

O que era para ser apenas um conserto mecânico numa construtora no Distrito Agroindustrial de Anápolis (DAIA), a 55 quilômetros de Goiânia, resultou em uma tragédia. Um motorista de 63 anos que trabalhava na empresa foi esmagado por uma caminhonete na tarde da última sexta-feira (30/11), enquanto tentava consertá-la. A suspeita da polícia é de que o macaco usado tenha escorregado e deixado a caminhonete cair em cima do homem.

Segundo informações de uma representante da empresa na qual trabalhava, Gentil Latalisa Rodrigues havia sido contratado há apenas uma semana, e não havia recebido ordens para consertar a caminhonete. A responsável declarou ainda que Gentil chegou a ser aconselhado a não fazer o reparo, que respondeu dizendo que possuía “35 anos de experiência”, e por isso iria fazer.

Homem de 63 anos vai consertar caminhonete e é esmagado por ela, em Anápolis
Gentil Latalisa Rodrigues, de 63 anos, morreu após ser esmagado por veículo (Foto: Reprodução)

O caso ocorreu na tarde de sexta-feira, na sede da empresa, que fica no Distrito Agroindustrial de Anápolis (DAIA), e os responsáveis pela construtora ficaram no local do fato durante toda perícia.

O acidente será investigado pelo 6º Distrito Policial de Anápolis, responsável pela região onde o fato ocorreu.

O corpo de Gentil foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) de Anápolis e foi liberado ainda na sexta-feira para a família.

Além de caso de Anápolis, caso de homem que foi esmagado em acidente foi registrado em Mara Rosa

Em julho deste ano, um homem de 45 anos foi esmagado após sofrer um grave acidente na BR-153, km 137, próximo a Mara Rosa, no norte goiano.

Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), a vítima conduzia um caminhão carregado com melancias e o veículo teve uma pane mecânica, forçando o motorista a parar o veículo do lado direito da via. Após sinalizar com galhas de vegetação, tanto o condutor, quanto seu ajudante, foram à frente para identificar a pane, abrindo o capô. No momento em que realizavam a verificação, uma outra carreta, colidiu em sua traseira.

Com a colisão, os dois homens que estava à frente do veículo foram arremessados, e um deles ficou esmagado pela roda dianteira do caminhão. Ele não resistiu aos ferimentos e foi a óbito no local, apesar das tentativas de sua retirada para o socorro.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.