Goiás

Em ato heroico, homem se queima ao salvar esposa e filhos de caminhão em chamas, em Senador Canedo

O caminhoneiro teve as mãos e braços queimados ao resgatar a esposa e os dois filhos pequenos do caminhão onde estavam.

Por Ton Paulo
27/11/2018, 08h30

Um ato de bravura e heroismo fez com que um homem saísse queimado ao salvar sua família de um caminhão em chamas na noite de ontem, segunda-feira (26/11), em Senador Canedo. O caminhoneiro teve as mãos e braços queimados ao resgatar a esposa e os dois filhos pequenos do caminhão onde estavam, e que pegou fogo, no Residencial Boa Vista. Ele foi encaminhado ao hospital, e sua família saiu ilesa.

O incidente ocorreu na Rua BV 15, no Residencial Boa Vista, no município de Senador Canedo, por volta as 19h50 de ontem. De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, Eduardo Alexandre Monteiro, que é caminhoneiro, estava com a esposa e os dois filhos pequenos (de idade não informada) dentro do caminhão no local citado, quando o veículo começou a pegar fogo.

Ao retirar a família de dentro do caminhão, segundos os bombeiros, que foram acionados para atender à ocorrência, Eduardo acabou queimando as mãos e os braços, além ter ficado com uma irritação no olho, provavelmente por causa da fumaça.

Bombeiros têm hipótese sobre a causa do incêndio do caminhão em Senador Canedo

O incêndio que afetou o veículo pode ter começado de duas formas, segundo o Corpo de Bombeiros: Um material de silicone era guardado embaixo de um banco e poderia ter sido superaquecido pelo motor, iniciando o incêndio. A outra hipótese é que o motor teria pegado fogo, que se espalhou pela cabine.

As chamas atingiram parte da carroceria, mas foram contidas antes de queimarem todo o veículo. Mesmo assim, de acordo com os bombeiros, o caminhão fico bastante danificado.

Eduardo foi socorrido pelos bombeiros e levado para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Senador Canedo, de onde foi, posteriormente, transferido para o Hospital Estadual de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol). A reportagem do Dia Online entrou em contato com o hospital, que não pôde passar mais informações sobre seu estado de saúde.

A rua BV 15, onde ocorreu o incêndio do caminhão, chegou a ser interditada.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Queiroz Galvão Energia pede recuperação extrajudicial

As dívidas somam mais de R$ 3,8 bilhões.
27/11/2018, 08h51

A Queiroz Galvão Energia (QGE) entrou com pedido de recuperação extrajudicial nesta segunda-feira, 26, apresentando à Justiça de São Paulo dívidas que somam mais de R$ 3,8 bilhões. O pedido sinaliza que o grupo Queiroz Galvão, alvo da Operação Lava Jato, evoluiu nas renegociações de suas dívidas, que superariam a marca de R$ 10 bilhões.

As conversas visando à reestruturação dos débitos já se estendem por quase dois anos. Paralelamente às negociações em curso com os bancos, o grupo busca uma liquidação organizada de seus ativos. O plano de recuperação extrajudicial foi aprovado pelos detentores de 68,2% do total dos créditos sujeitos ao plano.

Venda de energia

A medida também está relacionada à tentativa da Queiroz Galvão Energia (QGE) de evitar seu desligamento da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). O processo de expulsão da QGE da entidade foi iniciado na semana passada, em razão de uma dívida de R$ 50 milhões não quitada pela empresa. Um dos motivos para o pedido de recuperação extrajudicial seria justamente essa disputa com a câmara de comercialização.

Os advogados do escritório Thomaz Bastos, Waisberg e Kurzweil (TWK) argumentam, no documento entregue à Justiça, pela suspensão do processo de desligamento e pelo restabelecimento do acesso da companhia ao sistema CliqCCEE, que é usado para a compra e venda de energia. A defesa da Queiroz Galvão Energia também solicita que a empresa fique livre da imposição de multas de qualquer natureza.

O pedido de recuperação extrajudicial envolve R$ 3,8 bilhões em dívidas. O valor se refere a cerca de 40 unidades do braço de energia do grupo Queiroz Galvão, constituído em 2012 para consolidar os investimentos em geração e comercialização de energia elétrica.

Em seus seis anos de operação, a QGE colocou em operação 20 parques eólicos, com 830 megawatts de capacidade instalada. Do total do crédito que faz parte do processo, R$ 2,7 bilhões são quirografários e R$ 1,18 bilhão têm garantia real.

Prazo

A empresa apresentou três opções de pagamento aos credores: permuta por ações de sociedade de propósito especifico (SPE), que terá a QGE como holding; a troca de 10% dos créditos por debêntures emitidas por SPE e 90% por bônus de subscrição de ações ordinárias da mesma SPE; e o pagamento em dinheiro no montante de 2% do crédito abrangido, acrescido de juro de 2% ao ano, a ser pago dez anos após a homologação do plano. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Imagens: Globo.com 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Economia

Anatel quer facilitar acordos com operadoras

Pelo acordo, a empresa substituiria R$ 3,2 bilhões em multas por investimentos de R$ 5,5 bilhões.
27/11/2018, 08h58

O novo presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Leonardo Euler de Morais, defende mudanças que deem mais flexibilidade aos Termos de Ajustamento de Conduta (TACs), acordos nos quais as empresas trocam multas por investimentos. À frente do órgão regulador desde o último dia 5, Morais diz que é possível considerar uma “segunda chance” às teles como forma de viabilizar a expansão das redes de banda larga e ampliar o acesso à internet em localidades desconectadas.

“O TAC é um dos instrumentos alternativos para dar maior efetividade às políticas públicas. O regulamento poderia ser aprimorado”, disse Morais ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado. Nenhum acordo ainda foi fechado depois que o regulamento foi aprovado, em 2013. A Anatel chegou a negociar três propostas, duas com a Oi e uma com a Telefônica/Vivo. No caso da Oi, multada em R$ 6,2 bilhões, os TACs acabaram inviabilizados após a tele ter entrado em recuperação judicial, em 2016.

Com a Vivo, houve polêmica em relação à proposta apresentada pela tele, que previa a instalação de redes de fibra óptica de alta velocidade nas periferias de municípios. Como outras concorrentes já atuavam nesses locais, o plano foi revisto pela Anatel. Mesmo assim, acabou sendo rejeitado, devido ao encerramento do prazo estabelecido para fechar o TAC. Pelo acordo, a empresa substituiria R$ 3,2 bilhões em multas por investimentos de R$ 5,5 bilhões.

Um dos pilares do regulamento do TAC é que as empresas podem desistir do requerimento doe acordos a qualquer momento. Essa decisão, no entanto, impede novo pedido de TAC que envolva multas já negociadas anteriormente.

Celeridade

Após a rejeição pela Anatel do acordo com a Vivo, a companhia tentou fechar um TAC com uma parte das multas que ainda não havia transitado em julgado, que totalizavam cerca de R$ 1 bilhão, mas o regulamento impediu essa negociação. Na opinião de Morais, essa restrição é um dos itens a serem revistos. “A questão do TAC não pode prejudicar a celeridade do processo decisório da agência.”

Procurados, o Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (Sinditelebrasil), a Oi e a Vivo não se manifestaram.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Imagens: Globo.com 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Entretenimento

'Falei para ela tentar ficar comigo', diz Sabrina Sato sobre início de gestação

A apresentadora está grávida de 40 semanas.
27/11/2018, 09h33

Conversar com a filha mesmo antes de nascer. Essa foi a primeira forma que Sabrina Sato encontrou para se relacionar com Zoe, fruto da união com o ator Duda Nagle.

Grávida de 40 semanas, a apresentadora da Record TV compartilha com os fãs todos os momentos da gestação. Nesta segunda-feira, 26, não foi diferente: Sabrina publicou uma foto na qual aparece com um vestido branco, segurando e olhando para a barriga.

“Logo no início, quando descobri sua existência, ainda tinha algumas semanas, e era frágil demais. E mesmo com medo não perdi minha fé. Pelo contrário, ela aumentou”, declarou a apresentadora ao relembrar que teve um início de gestação complicado.

Sabrina Sato também disse que conversava com Zoe desde esse momento: “Falei para ela se segurar e tentar ficar comigo, que tudo ia dar certo. Toda vez que lembro do que passamos no início, me emociono”.

Mesmo antes de nascer, Sabrina faz planos sobre o relacionamento que terá com a filha para o resto da vida. “E desde o começo, a nossa relação foi a base do respeito, confiança e amor. E é assim que vai ser. Por isso converso com ela e desejo que ela venha quando estiver pronta”, escreveu nas redes sociais.

Sobre a espera pela filha, a apresentadora conclui: “Claro que estou muito ansiosa para a sua chegada, mas me preocupo em respeitar o tempo dela, protegendo e cuidando para que dê tudo certo sempre”.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Anápolis é a primeira cidade do Brasil a receber fábrica de armas estrangeira; produção começa em 2019

Uma parceria foi firmada entre a empresa goiana DelFire Arms e a fábrica eslovena de armas Rex Fire Arms, para início da produção em Anápolis.

Por Ton Paulo
27/11/2018, 09h51

O município de Anápolis, região metropolitana de Goiânia, deu, oficialmente, a largada na corrida armamentista no Brasil, e deve começar a produção de armas de fogo ainda em 2019. A empresa goiana DelFire Arms (DFA), fundada pelo empresário Gustavo Daher Delgado, esta concluindo a construção da unidade fabril da DFA no Distrito Agro-Industrial de Anápolis (DAIA), após firmar parceria com uma fabricante de armas da Eslovênia, na Europa. Anápolis é a primeira cidade do Brasil a receber uma fabricante estrangeira de armas.

De acordo com o site 1911 Armas de Fogo, que participou da reunião de apresentação da empresa Rex Fire Arms (Arex), da Eslovênia, ocorrida em maio deste ano na Escola Superior de Polícia, da Polícia Civil do Estado de Goiás, todo o corpo das pistolas e dos outros futuros modelos serão fabricados aqui no Brasil, com a excessão dos canos que virão da Arex.

Segundo o CEO da companhia, Augusto de Jesus Delgado Júnior, em entrevista ao site Valor Econômico, a produção começa em 2019, no primeiro trimestre. Serão pistolas e rifles, diz o executivo. “A DFA é uma empresa nacional e adquirimos tecnologias de cinco fabricantes do exterior”, conta.

Ainda segundo o CEO, a princípio as armas vão ser fabricadas no calibres 9×19 mm Parabellum, e serão destinadas às forças policiais. De acordo com ele, ainda neste ano as pistolas estarão disponíveis para as corporações que desejarem adquirí-las e para o próximo ano uma versão no calibre .380 ACP será desenvolvida e comercializada exclusivamente para o mercado nacional.

Parceria de empresa de Anápolis com fábrica eslovena veio depois de desistência de fabricante árabe

A oficialização da parceria entre a DFA e a Arex só aconteceu após a desistência da  Caracal International LLC, dos Emirados Árabes, que quase fechou negócio.

Aproveitando as instalações que já estavam em construção, a DFA começou a buscar um novo parceiro, e após diversos contatos, foi escolhida a Arex. A DFA adquiriu tecnologia da fábrica eslovena e para produzir suas pistolas no Brasil.

Com uma fábrica localizada no Distrito Agroindustrial de Anápolis (DAIA), a DFA prevê a geração de 600 empregos diretos e de outros 600 indiretos. Atualmente as instalações físicas estão recebendo os últimos ajustes e já esta começando a receber o maquinário e ferramental para produção das armas. Todo o ferramental e maquinário foi importado da Eslovênia com o fim de manter os mesmos métodos de fabricação empregados na Europa.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.