Esportes

Presidente do River isenta clube de culpa e cogita provocação de atletas do Boca

26/11/2018, 18h52

O presidente do River Plate, Rodolfo D’Onofrio, eximiu o clube de qualquer culpa pelos ataques ao ônibus do Boca Juniors no último sábado, momentos antes do horário programado para a grande decisão da Libertadores. Para o dirigente, falhou o esquema de segurança definido pela prefeitura de Buenos Aires para escoltar o time visitante.

“O River não pode ser responsável pelo que acontece com um ônibus que leva o elenco pela cidade. Aconteceram coisas estranhas e a segurança não protegeu o Boca em nenhum momento, os deixou sozinhos”, considerou, em entrevista ao canal TN. “A segurança falhou em tudo. O erro de operação foi visível.”

No sábado, o ônibus do Boca Juniors se aproximava do Monumental de Núñez para a esperada decisão quando foi apedrejado por torcedores do River, deixando alguns jogadores feridos. Apesar de culpar o esquema policial pelo ocorrido, D’Onofrio indicou que os atletas também provocaram a torcida rival.

“Me disseram que os jogadores do Boca fizeram gestos de dentro do ônibus para a torcida do River. Quando voltamos do estádio do Boca, também quebraram nossos vidros. Isto acontece no futebol. É preciso tomar precauções e fechar as cortinas”, afirmou. “Talvez algum gesto tenha deixado algum torcedor alterado. Não justifica, mas é necessário cuidado.”

Pablo Pérez, volante e capitão do Boca, foi o mais prejudicado pelo ataque e teve ferimentos no olho e no braço. Diante das cenas de barbárie, a Conmebol chegou a alterar o horário da partida em duas oportunidades, antes que um acordo entre os clubes adiasse a partida para domingo.

No dia seguinte, no entanto, o Boca pediu para que a final fosse suspensa, alegando “desigualdade de condições”, já que provavelmente não poderia contar com Pérez e tinha o elenco ainda abalado pelos ataques, o que foi acatado pela Conmebol, que decidirá o futuro da final da Libertadores em reunião nesta terça. O time de La Bombonera ainda cobrou punição ao River e deixou claro que quer os pontos da partida, o que lhe daria o título.

D’Onofrio se mostrou muito irritado com esta atitude da diretoria rival, já que, segundo ele, o River acatou o adiamento da partida mediante a promessa do Boca de disputar normalmente a segunda partida no Monumental de Núñez.

“Firmamos um acordo e depois nos surpreendemos com o pedido do Boca. O River tem palavra. Vamos para a reunião para que definam uma nova data para jogarmos em nosso estádio, com nossa torcida”, afirmou. “Nos encontraremos com Daniel Angelici (presidente do Boca) e lhe perguntarei o que aconteceu desde que demos as mãos depois de firmar algo em absoluto Fair Play.”

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Temer sanciona reajuste do Judiciário após acordo com o STF

Ministros passarão a receber R$ 39 mil mensais.
26/11/2018, 19h24

O presidente Michel Temer sancionou no início da noite desta segunda-feira (26/11), o reajuste salarial para os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que passarão a receber R$ 39 mil mensais ante os R$ 33 mil atuais. O valor é também a referência para o teto do funcionalismo público.

Temer sancionou o reajuste mediante acordo feito com o Supremo para que o ministro Luiz Fux revogasse as liminares que garantiam o auxílio-moradia a juízes e procuradores de todo o País para não impactar as contas públicas. O benefício é de R$ 4,3 mil.

O reajuste foi aprovado pelo Congresso em 7 de novembro. Temer tinha até quarta-feira, 28, para sancioná-lo ou vetá-lo. Ele usou praticamente todo o prazo disponível para negociar a medida compensatória com o Supremo.

Entidades de representação de categorias do Judiciário pressionaram o STF nos últimos dias para impedir o fim do auxílio-moradia. No domingo, a Associação de Magistrados Brasileiros (AMB) pediu a Fux que não revogasse as liminares de sua autoria.

Apesar da pressão, o governo buscou manter o entendimento para não estourar o teto de gastos, regra que limita o aumento das despesas. Atualmente os cofres públicos despendem pelo menos R$ 139 milhões por mês com auxílio-moradia, de acordo com um estudo da Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira da Câmara dos Deputados.

O aumento no salário dos ministros do Supremo aprovado pelo Senado, de 16,38%, elevará dos atuais R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil o salário de magistrados e procuradores e poderá custar R$ 4,1 bilhões às contas da União, em razão do efeito cascata em Estados.

Reajuste salarial do STF deve ter impacto de R$ 72,5 milhões em Goiás

O reajuste de 16,38% no salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que representa um aumento de mais de R$ 5 mil reais no salários dos magistrados, deve ter impacto de R$ 72,5 milhões no orçamento de Goiás.

O presidente Michel Temer (MDB) havia sinalizado anteriormente que que sancionaria o aumento. No final de agosto deste ano, Temer fechou um acordo com o Judiciário para incluir o reajuste salarial dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) no Orçamento de 2019, que foi enviado ao Congresso e aprovado.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

MP denuncia por latrocínio acusados de matar empresária em Aparecida de Goiânia

Crime ocorreu na madrugada de 4 de outubro, no setor Buriti Sereno; Shirley Gonçalves da Silva, de 37 anos, foi morta na frente dos filhos.
26/11/2018, 19h50

Trio acusado de matar a empresária Shirley Gonçalves da Silva, de 37 anos, na frente dos filhos, em Aparecida de Goiânia, foi denunciado por latrocínio pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO). Josué de Souza Mota, de 22 anos, Pedro Henrique Batista Gularte, de 20, e Bruno Vinícius Batista dos Santos, de 21 anos, responderão pela morte da mulher, ocorrida na madrugada do dia 4 de outubro, dentro da casa da família, no setor Buriti Sereno.

Na denúncia, assinada pela promotora de Justiça Cejana Louza Ferreira Veloso, o crime foi planejado por Josué de Souza, que trabalhava em um restaurante onde o marido da empresária já havia sido gerente e onde eles haviam jantado no dia do crime.

O documento aponta que Josué conhecia toda a rotina da família. Ele sabia que o casal estava com dinheiro em casa, que seria destinado ao pagamento dos funcionários do restaurante da família. Ele avisou os comparsas, Pedro e Bruno, sobre o dinheiro que armaram todo o esquema.

Como sabiam que o casal não estava na residência, eles pularam e aguardaram, escondidos, a família chegar. Assim que Shirley, o marido e os filhos chegaram, eles os abordaram. De acordo com a denúncia, eles perguntaram logo pelo cofre que a família tinha em casa, de onde foram roubados mais de R$ 7 mil.

Ainda segundo a denúncia, no mesmo dia em que Shirley foi assassinada o trio havia praticado ao outros três assaltos na região. Se condenados pela morte da empresária, os acusados podem pegar até 30 anos de prisão.

Empresária é morta na frente dos filhos em Aparecida de Goiânia

Durante a ação, Shirley ficou na garagem com os filhos de 2 e 14 anos, sob a mira de um dos assaltantes, enquanto o outro suspeito estava dentro da casa com o marido da empresária. Assustado, o filho mais novo do casal começou a chorar e correu para os braços da mãe e enquanto tentava acalmá-lo ela foi baleada na cabeça.

“Foi uma crueldade. Ela baixou para pegar a criança e os homens atiraram. Pode ser que ela tenha identificado um deles”, explicou o delegado ao Dia Online.

Imagens: Facebook 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Trânsito

Ministro Alexandre Baldy conhece tecnologia de monitoramento da PRF

Sistema apresenta resultados expressivos no combate a crimes nas estradas.
26/11/2018, 21h30

Em reunião com representantes, o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, conheceu nesta segunda-feira (26/11) o sistema de vídeo monitoramento da Polícia Rodoviária Federal (PRF). O encontro, ocorrido no Edifício-Sede da PRF, tratou ainda de outros assuntos relacionados à segurança pública e mobilidade urbana.

Acompanhando pelo diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal, Renato Dias, o ministro conferiu os resultados operacionais obtidos por meio do Sistema Policial Indicativo de Abordagem (SPIA), tecnologia desenvolvida pela PRF.

Mesmo com o baixo efetivo, segundo Dias, o investimento nos sistemas de inteligência artificial policial trouxe positivos e expressivos no combate a crimes nas estradas. O diretor-geral da PRF afirmou ainda que a intenção é “expandir o sistema SPIA para todo Brasil, pois ele possibilita o acompanhamento de ocorrências em tempo real, dando uma vantagem para o policial.”

De acordo com Aloísio Neto, integrante do Escritório Regional de Gestão Estratégica da PRF no Ceará e um dos responsáveis pelo desenvolvimento do SPIA, a ferramenta tecnológica age por meio de sensores espalhados pelas rodovias do estado e tem auxiliado na localização e recuperação de veículos roubados ou furtados.

“Somente em 2018, o SPIA contribuiu para uma redução de 33,5% dos índices de crimes violentos contra o patrimônio; e de 30,9% em roubos de veículos em todo o estado do Ceará. Em relação ao índice de recuperação de veículos, o aumento foi de 43% entre 2017 e o ano anterior”, reafirmou Aloísio Neto.

Alexandre Baldy, como ministro das Cidades, investe em mobilidade urbana

Em um ano à frente do Ministério das Cidades, comemorado no último dia 22 de novembro, Alexandre Baldy aplicou em mobilidade urbana investimentos que somam R$ 352, 98 milhões. Foram realizadas importantes obras como Corredor Estrutural Leste em Uberlândia; VLT, Terminal de Integração e Corredores em Piauí; Complexo da Lagoinha em Belo Horizonte; Corredor e trecho de BRT em Belém; e investimentos para o BRT em Goiás.

O ministro das Cidades trabalhou também em prol de mudanças importantes no trânsito, como a Placa Padrão Mercosul, por meio do Denatran, e as versões digitais da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV).

Via: PRF 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Operação deflagrada pela polícia investiga irregularidades no Bolsa Família, em Goiânia

As investigações mostram que em uma casa, 13 famílias que não preenchiam os requisitos necessários estavam cadastradas no programa.
27/11/2018, 07h55

A Policia Federal (PF) em conjunto com a Secretaria Municipal de Assistência Social da Prefeitura de Goiânia (SEMAS) deflagrou nesta terça-feira (27/11), a operação Grande Família, que investiga irregularidades no programa bolsa família na capital.

Segundo os dados divulgados, servidores da secretaria estariam acessando o sistema para alterar dados cadastrais e incluir pessoas que não preenchiam os requisitos necessários para receber o benefício.

De acordo com as informações divulgadas pela PF, em um único endereço, pelo menos 13 famílias que não tinham as qualificações para receber o Bolsa Família estavam cadastradas no programa. A operação cumpre cinco mandados de busca e apreensão, com mandados inclusive na sede da SEMAS.

Os servidores investigados podem responder pelos crimes de estelionato e inserção de dados falsos em sistema de informações, e as penas podem chegar até 12 anos de prisão.

Bolsa Família foi reajustado em Goiás em Julho deste ano

Em julho deste ano, o programa foi reajustado no Estado em 5,67%, subindo de R$ 177,71 para R$ 187,79. As mudanças foram anunciadas pelo Governo Federal, e o aumento no valor representa um investimento de R$ 2,9 milhões na folha de pagamento do programa.

Somente em Goiás, mais de 300 mil famílias recebem o benefício do governo. No mês de junho, quase R$ 45 milhões foram destinadas às famílias de Goiás, o incremento terá impacto de R$ 251,3 mil ao mês.

O reajuste não é exclusividade de Goiás, em todo o país, o governo deve gastar cerca de R$ 684 milhões a mais com esse reajuste.

O programa foi criado em 2004 durante o primeiro governo do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT), por meio da lei número 10.836, que unificou  o Programa Nacional de Acesso à Alimentação (PNAA) do governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). O Bolsa família uniu outros programas do governo de FHC, como Bolsa Escola, Bolsa Alimentação, Auxílio-Gás e Cadastramento Único do Governo Federal.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.