Política

Publicada exoneração de Sergio Moro no Diário Oficial da União

A Operação Lava Jato ficará temporariamente a cargo da juíza Gabriela Hardt.
19/11/2018, 10h33

A exoneração do juiz federal Sergio Moro foi publicada hoje (19/11), no Diário Oficial da União, seção 2, página 47. Ele assumirá o super Ministério da Justiça, que agregará a Segurança Pública e parte do Conselho de Controle de Atividades Financeiras. Também deve participar da equipe de transição do governo.

O ato de número 428 é assinado pelo presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª região, Carlos Eduardo Thompson Flores, informando que a exoneração ocorre a pedido do próprio Moro. Na sexta-feira (16) ele enviou ofício formalizando o pedido.

No pedido de exoneração, Moro argumentou que pretende “organizar a transição e as futuras ações do Ministério da Justiça”. “Houve quem reclamasse que eu, mesmo em férias, afastado da jurisdição e sem assumir cargo executivo, não poderia sequer participar do planejamento de ações do futuro governo.”

Em substituição a Moro no comando dos processos da Operação Lava Jato ficará temporariamente a juíza Gabriela Hardt. Como substituta, ela não pode assumir de forma definitiva a vaga de Moro.

Após a publicação do ato de exoneração, deve ser expedido o edital para concurso de remoção. A remoção é um concurso interno entre magistrados da Justiça Federal da 4ª Região para preenchimento de vagas.

Imagens: Agência Brasil 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Mundo

Trump diz que não há razão para ele ouvir as gravações da morte de jornalista

Trump se pronunciou durante entrevista pela Fox News.
19/11/2018, 11h00

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que não há razão para ele ouvir as gravações da “muito violenta e muito perversa” morte do jornalista saudita Jamal Khashoggi.

Em uma entrevista veiculada no domingo, 18, pela Fox News, Trump deixou claro que a gravação, fornecida pelo governo turco, não afetaria sua reação ao assassinato do colunista do jornal The Washington Post, crítico do regime saudita, no dia 2 de outubro. “É uma fita de sofrimento, uma fita terrível. Fui informado sobre ela e não há razão para eu ouvi-la.”

O republicano afirmou que “sabe tudo o que está na gravação sem ter que escutá-la”. No sábado, ele disse que seu governo fornecerá um relatório muito completo, “provavelmente na segunda ou terça-feira”, que incluirá quem matou o jornalista. Não ficou claro se o documento será tornado público.

Agências de inteligência dos EUA concluíram que o príncipe saudita, Mohamed bin Salman, ordenou o assassinato de Khashoggi no consulado da Arábia Saudita na Turquia, de acordo com um funcionário americano com conhecimento no assunto. Ele não tem autorização para falar sobre o caso publicamente e pediu anonimato.

Outras pessoas com conhecimento no caso alegam que é provável que o príncipe esteja envolvido na morte do jornalista, mas que ainda há questões sobre que papel ele teve no crime.

Durante a entrevista, Trump destacou que Bin Salman negou repetidamente seu envolvimento no assassinato de Khashoggi. “Alguém algum dia vai realmente saber?”, questionou ele. “Ao mesmo tempo, temos um aliado e quero estar próximo a um aliado que tem sido muito bom de várias formas.” Fonte: Associated Press

Imagens: CNN 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Serviço de monitoramento das tornozeleiras eletrônicas pode ser suspenso, em Goiás

Falta de pagamento pode causar suspensão de serviço de monitoramento de presos do regime semiaberto.
19/11/2018, 11h18

O Estado de Goiás corre o risco de ter o serviço de monitoramento dos presos com tornozeleiras eletrônicas suspenso por falta de pagamento. O caso aconteceu no início do mês de outubro e poucas horas depois parecia estar resolvido, mas praticamente um mês depois, a situação volta a se repetir nesta segunda-feira (19/11) e o acompanhamento dos presos pode ser suspenso ainda hoje.

O Portal Dia Online entrou em contato com a empresa em Curitiba, que por meio da assessoria de imprensa confirmou que “a princípio o serviço vai ser suspenso”, nesta segunda-feira (19/11) por falta de pagamento, a partir das 14h, caso não tenha um acordo entre as partes.

Por telefone a assessoria da Diretoria Geral de Administração Penitenciária (DGAP) apenas informou que neste momento negocia com a empresa que monitora os presos com tornozeleiras eletrônicas, no Estado.

No mês passado serviço de monitoramento das tornozeleiras quase foi suspenso

Desde fevereiro de 2017 a Spacecom é a empresa que tem monitorado e fornecido as tornozeleiras eletrônicas para o Estado de Goiás. No entanto, com muitos altos e baixos, pelo atraso ou falta de pagamento por parte do governo estadual, na primeira semana de outubro, a possibilidade dos serviços serem suspensos foi levantada.

Em outubro a dívida de Goiás com a empresa girava em torno de R$ 5.485.060,73 referentes a falta de pagamento dos meses de Maio, Junho, Julho e Agosto deste ano. No contrato firmado entre o Estado e a empresa curitibana, em fevereiro do ano passado, prevê a suspensão dos serviços após um atraso de mais de 90 dias até que o mesmo seja normalizado.

Durante à tarde do mesmo dia, em uma reunião entre representantes da empresa, da DGAP e da Secretaria da Fazenda (Sefaz) o governo de Goiás pagou parte da dívida com a empresa. No entanto o valor que foi pago não foi divulgado.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Pai é flagrado fumando maconha com criança de quatro anos dentro do carro, em Goiás; veja vídeo

Quando os policiais perguntam a idade da criança, ela mostra os dedinhos: quatro.
19/11/2018, 11h24

Dois homens foram flagrados na manhã de domingo (18/11) fumando maconha nos bancos da frente de um carro enquanto uma menina, de 4 anos, observava tudo no banco de trás, sem cadeirinha, no perímetro urbano de Rio Verde, em Goiás.

O carro estava parado às margens da rodovia quando uma equipe da Polícia Rodoviária Federal (PRF) estranhou a movimentação dentro do veículo. Quando os policiais se aproximaram, um dos homens jogou o cigarro de maconha para fora, tentando fugir do flagrante.

Os policiais desceram da viatura, pediram esclarecimentos ao motorista, de 27 anos, e ao passageiro, de 30, e fiscalizaram o automóvel. Além do cigarro consumido, foram encontrados porções pequenas da droga.

O pai da criança, que conduzia o carro pela rodovia, informou aos policiais rodoviários que iriam para a roça, ali perto, na zona rural de Rio Verde. O avô da menor foi acionado e após apresentar a documentação que comprovou o parentesco da criança quando a PRF entregou a menina à seus familiares.

O motorista e o passageiro foram levados para a Delegacia de Polícia Civil de Rio Verde. O pai da criança foi autuado por transportar menor em desacordo com a Lei da Cadeirinha, conduzir veículo calçado com chinelos e dirigir veículo por uso e posse de maconha.

Criança conta idade para policiais que flagraram uso de droga, em Goiás

Quando os policiais perguntaram a idade da criança para o pai dentro do gol branco, a menina mostrou os quatro dedinhos. Trajando um vestidinho azul com flores, ela parecia não entender o que policiais fazem ali, o pai envergonhado pedindo para não ser filmado.

Barbudo, o pai conversava nervosamente com o colega que dividia com ele o cigarro de maconha enquanto os policiais vasculhavam o carro. Os policiais encontraram o “kit maconha”, dentro de uma caixinha vermelha, com um palheiro.

No carro, além do kit, havia um chapéu de cowboy preto

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

"Sinal de alerta", diz economista sobre a saída da Unilever de Goiânia

A multinacional, que atua em Goiânia na fabricação de produtos alimentícios, anunciou que deixará a cidade e migrará para o município de Pouso Alegre, em Minas Gerais.

Por Ton Paulo
19/11/2018, 11h54

A capital de Goiás recebeu recentemente o que é, para a economia, uma notícia não muito agradável. A multinacional Unilever, que possui mais de 400 marcas compradas em 190 países e que atua em Goiânia na fabricação de produtos alimentícios, anunciou que deixará a cidade e migrará para o município de Pouso Alegre, em Minas Gerais.

Depois de anunciarem nesta semana o investimento de R$ 127 milhões na expansão da fábrica em Pouso Alegre, diretores da multinacional Unilever afirmaram que o grupo vai transferir para a cidade mineira toda a linha de produtos alimentícios Hellmann’s e Arisco.

Um dos principais motivos da transferência para a cidade mineira foi o oferecimento do governo do Estado de benefícios fiscais à multinacional britânica-neerlandesa. Conforme noticia o jornal Valor Econômico e a imprensa mineira, que está em polvorosa, a multinacional terá isenção de tributos como Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) por cinco anos, do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) e de taxas de fiscalização sobre as obras.

Em entrevista ao Dia Online, o economista Marcus Teodoro Batista, especialista em finanças, disse que a saída da Unilever de Goiânia representa um forte impacto negativo para a economia da capital, uma vez que a multinacional oferecia centenas de empregos diretos e indiretos, compra de produtos de fornecedores goianos entre outros fatores.

Marcus Teodoro também declarou que a perda que o Estado sofreu representa um “sinal de alerta” para o governo, e que Goiás está “parado no tempo”. “Basta olhar para os últimos 15, 20 anos. Vieram para cá pouquíssimas empresas. A saída da Unilever não deve causar um ‘efeito cascata’, mas um é um sinal de alerta. Se o governo não se mexer para atrais mais empresas, vamos perder mais”, explica.

O economista também explana que a isenção tributária conta pontos, mas não é o único fator de incentivo para a vinda de empresas. “Não é só a questão dos tributos que a empresa olha. É analisado também a questão da demanda, da qualidade de mão-de-obra, há uma série de fatores”, diz.

Atualmente, Goiás possui um forte foco no agronegócio, mas, segundo o especialista, a expansão da economia goiana para outras áreas poderia melhorar o cenário econômico. “Goiás tem hoje um PIB de 170 bilhões de reais, o que é muito pouco, porque o Estado tem potencial para ter um PIB de 500 bilhões”, finaliza.

A Unilever

Unilever é uma multinacional britânica-neerlandesa de bens de consumo cossediada em Roterdã, nos Países Baixos, e em Londres, no Reino Unido. Seus produtos incluem alimentos, bebidas, produtos de limpeza e produtos de higiene pessoal. É a terceira maior empresa de bens de consumo do mundo medida pela receita de 2012, após a Procter & Gamble e a Nestlé.

A multinacional é também a maior produtora de alimentos untáveis do mundo, como a margarina. Uma das empresas multinacionais mais antigas, seus produtos estão disponíveis em cerca de 190 países. A Unilever possui mais de 400 marcas, mas concentra-se em 13 marcas com vendas de mais de 1 bilhão de euros: Axe/Lynx, Dove, Omo, Becel/Flora, Heartbrand, Hellmann’s, Knorr, Lipton, LUX, Magnum, Rama, Rexona, Seda e Surf. Ela está organizada em quatro divisões principais: Alimentos, Refrescos (bebidas e gelados), Cuidados Domésticos e Cuidados Pessoais. Possui instalações de investigação e desenvolvimento no Reino Unido, nos Países Baixos, na China, na Índia e nos Estados Unidos.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.