Goiás

Vídeo mostra homem sendo atropelado em Cristalina; motorista foge

O carro do motorista foi encontrado abandonado na cidade, com o parabrisas quebrado.
17/10/2018, 11h07

Depois de ser atropelado, o corpo do cabeleireiro Marcelo dos Santos, de 38 anos, ficou abandonado na escura avenida Kaled Cozac, no Centro de Cristalina, a 273 km de Goiânia, na noite de segunda-feira (15/10).

Marcelo atravessava a pista quando foi atropelado por volta das 22h por um gol branco e seu corpo atingiu uma parede. Sem prestar socorro, o motorista do automóvel, Leandro Ribeiro de Araújo e a namorada, Camila Nunes, que logo depois do acidente assumiu o controle da direção do carro, fugiram.

O corpo da vítima foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) de Formosa, próximo a Cristalina. O irmão dele, Marcos Antônio, de 42, soube da morte apenas na tarde de terça-feira (16/10), por meio de uma ligação.

Morador de Santa Maria, no Distrito Federal (DF), quando conversou com o Portal Dia Online, Marcos estava em um ônibus indo para Formosa resolver os trâmites burocráticos para o enterro do irmão.

“Ele morava há uns oito meses em Cristalina, mas não sei se ele ainda trabalhava como cabeleireiro porque tinha recaído na dependência química”, conta Marcos Antônio.

O delegado Rafael Pareja não atendeu as ligações da reportagem.

Segundo apurou a reportagem, o motorista, que parece perder o controle do carro, sai da pista e atinge o homem, conforme mostra o vídeo a seguir:

Marcelo morava sozinho depois de ter se separado da mulher, com quem teve uma filha.

Depois que o vídeo de monitoramento de segurança começou a circular nas redes sociais, várias denúncias da identidade do motorista e da mulher que o acompanhava foram feitas à polícia.

O carro do motorista foi encontrado abandonado na cidade, com o parabrisas quebrado.

Pelo Facebook, a Polícia Civil em Cristalina classificou o atropelamento como “homicídio cruel”. Leia a seguir:

“A cidade de Cristalina amanheceu no dia de hoje dia 16/10/2018 em estado de choque, após homicídio cruel. A ação delituosa foi flagrada pelas câmeras de segurança, onde um motorista usou de seu veículo e jogou em cima da vítima Marcelo, o arremessando por mais de vinte metros. Polícia civil diligenciou durante percorrer do dia e no final da tarde já estava de posse da qualificação do autor do homicídio, o então qualificado Leandro Ribeiro de Araújo”, diz a nota.

Veja vídeo em que namorada assume direção de veículo em Cristalina:

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Namorado da amiga é o principal suspeito de matar jovem em Aparecida de Goiânia

Bruna estava em casa, quando o suspeito entrou em sua residência e efetuou os disparos.
17/10/2018, 11h37

A jovem Bruna Lorrany da Conceição, de 23 anos, baleada dentro de casa supostamente pelo namorada da amiga, morreu dois dias após receber alta do Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO). O crime aconteceu no último dia (6/10) quando Bruna estava dentro de sua residência e o suspeito efetuou vários disparos que atingiram o abdômen e tórax da vítima. A jovem chegou a ser encaminhada para o hospital e recebeu alta três dias depois de dar entrada na unidade, mas, não resistiu aos ferimentos morreu no sábado a tarde (13/10).

O caso vai ser investigado pelo Grupo de Investigação de Homicídios de Aparecida de Goiânia (GIH) e as investigações serão comandadas pelo delegado Rogério Bicalho.

Principal suspeito de atirar na dona de casa é o namorado de uma amiga

Segundo o delegado, o principal suspeito do crime é o namorado de uma amiga com quem Bruna morava, que não teve o nome divulgado para não prejudicar as investigações. Ainda conforme Bicalho, o suspeito ainda não foi preso.

Bicalho contou que existem informações de que Bruna teria contado a família que o autor dos disparos é o namorado de sua amiga. Todavia, o delegado disse que “nós vamos ouvir os familiares da vítima, vizinhos, testemunhas e a amiga que morava junto com ela que podem contribuir com informações valiosas sobre caso”.

Em nota divulgada pelo HUGO, o hospital afirmou que Bruna deu entrada no dia 7 com ferimentos por armas de fogo. A nota do hospital informa também que o HUGO encaminhou Bruna para o Centro de Reabilitação e Readaptação Dr.Henrique Santillo (CRER) e orientou a paciente a agendar um retorno, mas ela não agendou a consulta.

Confira na íntegra a nota do Hugo

“O Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) informa que Bruna Lorrany da Conceição foi admitida no dia 7 de outubro, após perfurações por arma de fogo (PAF), em estado regular, orientada, consciente e respirando de forma espontânea. Os ferimentos já lhe causavam paraplegia dos membros inferiores. Internada em um leito de enfermaria, foi acompanhada por equipes médicas dos serviços de Coluna e Cirurgia Geral, que definiram tratamento não cirúrgico. 

Durante período de internação, paciente permaneceu clinicamente estável e, conforme relato de Bruna Lorrany descrito em seu prontuário, não apresentava náuseas ou vômitos, nem dor torácica e aceitava bem a dieta. Visto que a paciente estava em bom estado clínico e apresentava lesão medular causada por PAF, recebeu alta hospitalar e foi direcionada para o Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (Crer) para reabilitação. Bruna Lorrany foi orientada a agendar retorno (que deve ser feito no momento em que o paciente deixa o Hugo) para 15 dias após a alta, para acompanhamento ambulatorial, mas a consulta não foi agendada.”

Imagens: G1 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Provas contra Temer vão de delações a dados bancários e laudos, afirma PF

Advogado de Temer ainda não teve acesso ao relatório.
17/10/2018, 11h47

No despacho no qual aborda o indiciamento do presidente Michel Temer (MDB) pela Polícia Federal (PF), o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), destaca que o relatório conclusivo do inquérito dos Portos reuniu “provas de diversas naturezas”.

A PF indiciou Temer, sua filha Maristela de Toledo, o ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures (MDB-PR) – o “homem da mala dos R$ 500 mil” -, o coronel reformado da Polícia Militar João Baptista Lima Filho (o coronel Lima, amigo do presidente), a arquiteta Maria Rita Fratezi (mulher do coronel), além de executivos da empresa Rodrimar e do grupo Libra no inquérito dos Portos.

“De acordo com o Relatório, foram produzidas, no âmbito do inquérito, provas de naturezas diversas, que incluíram colaborações premiadas, depoimentos, informações bancárias, fiscais, telemáticas e extratos de telefone, laudos periciais, informações e pronunciamentos do Tribunal de Contas da União, bem como foram apurados fatos envolvendo propinas em espécie, propinas dissimuladas em doações eleitorais, pagamentos de despesas pessoais por interpostas pessoas – físicas e jurídicas -, atuação de empresas de fachada e contratos fictícios de prestação de serviços, em meio a outros”, relatou Barroso.

Ao todo, onze investigados, inclusive Temer, foram indiciados pelo delegado Cleyber Malta Lopes, por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. A PF entregou nesta terça-feira, 16, a conclusão das investigações no gabinete do ministro Luís Roberto Barroso, relator do caso.

O inquérito apurou “se houve favorecimento a empresas concessionárias de terminais portuários e recebimento de vantagens indevidas por autoridades públicas na edição do Decreto nº 9.048, de 10.05.2017 (Decreto dos Portos)”.

A Polícia Federal também pediu a Barroso o bloqueio de bens de todos os indiciados – inclusive de Temer – e a prisão preventiva de quatro deles: do coronel Lima e sua mulher, além de Carlos Alberto Costa e Almir Martins Ferreira, que atuaram respectivamente como sócio e contador do oficial.

O ministro vai aguardar um parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR) para decidir sobre esses pedidos. A PGR tem 15 dias para se manifestar.

No despacho, o ministro assinala que a PF afirmou ter produzido provas de “naturezas diversas”, incluindo “colaborações premiadas, depoimentos, informações bancárias, fiscais, telemáticas e extratos de telefone, laudos periciais, informações e pronunciamentos do Tribunal de Contas da União” sobre as supostas irregularidades no decreto dos Portos.

A PF, diz Barroso, teria apurado fatos ao longo do inquérito “envolvendo propinas em espécie, propinas dissimuladas em doações eleitorais, pagamentos de despesas pessoais por interpostas pessoas – físicas e jurídicas -, atuação de empresas de fachada e contratos fictícios de prestação de serviços, em meio a outros”.

Defesa de Michel Temer

O advogado Brian Alves, responsável pela defesa do presidente Michel Temer, disse que não se manifestaria porque não teve acesso ao relatório da Polícia Federal.

O advogado Cézar Bittencourt, que defende Rodrigo Rocha Loures, também disse que não teve acesso ao relatório policial e, portanto, “não há como se manifestar globalmente”.

“No entanto, nesse inquérito, Rocha Loures não estava sendo investigado pelos crimes organizado e lavagem de dinheiro. Mas, certamente, não há elementos para a PGR oferecer denúncia contra Rocha Loures”, afirmou o advogado.

Por meio de nota, os advogados Maurício Leite e Cristiano Benzota, responsáveis pela defesa do coronel João Baptista Lima Filho, o coronel Lima, disseram estar “perplexos” com o pedido de prisão feito pela Polícia Federal.

Segundos os advogados, o coronel está “afastado de suas atividades profissionais e, permanentemente, em sua residência cuidando da saúde”. “Sempre foram apresentadas todas as informações solicitadas pelas autoridades, por intermédio de sua defesa, o que torna o pedido de prisão desprovido de fundamento legal”, afirmam os defensores.

Imagens: informe baiano 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Caminhoneiro fica preso nas ferragens do veículo após batida, em Anápolis; veja o vídeo

A batida foi tão forte que o motorista da carreta acabou ficando com as pernas presas entre as ferragens.

Por Ton Paulo
17/10/2018, 12h09

Um acidente ocorrido no município de Anápolis, a 60 quilômetros de Goiânia, envolvendo um caminhão baú e uma carreta por pouco não acabou em tragédia na manhã desta quarta-feira (17/10).

De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, por volta das 06h15 (horário em que o socorro dos bombeiros foi acionado) um caminhão baú estacionado na Avenida Pedro Ludovico, na altura das Lajes Anapolina, no Vivian Parque, foi atingido na traseira por uma carreta.

Segundo as informações, a batida teve um impacto tão forte que retorceu completamente a frente da carreta, deixando o motorista, Alex da Silva de 43 anos, com as pernas presas às ferragens do veículo.

Os militares socorristas conseguiram fazer a remoção da vítima depois de um delicado trabalho de corte das ferragens. Alex foi encaminhado com contusões e cortes nos membros inferiores para o Hospital Municipal Jamel Cecíclio, na Vila Jussara, em Anápolis.

Veja o momento em que os Bombeiros trabalhavam para remover a vítima do veículo batido

No dia 11 de agosto deste mesmo ano, também em Anápolis, um acidente de trânsito também deixou um motorista preso entre as ferragens do veículo.

De acordo com informações da polícia, houve uma colisão envolvendo uma caminhonete Hilux, um EcoSport e uma motocicleta na altura da Ala 2, antiga Base Área.

Testemunhas que estavam no local afirmam que o motorista do veículo, ainda não identificado, ficou preso nas ferragens e precisou ser socorrido.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a pista foi liberada logo depois, mas não foi divulgado, à época, um levantamento oficial sobre a quantidade de feridos nem as causas do acidente.

Segundo o inspetor da Polícia Rodoviária Federal (PRF) à reportagem do Dia Online, Newton Morais, um dos principais fatores causadores de acidentes é a imprudência no trânsito e a irresponsabilidade em ultrapassagens e manobras perigosas.

Via: Portal 6 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Médico que abusou sexualmente de paciente em Goiânia é solto depois de pagar fiança

Valor da fiança paga pelo médico foi de aproximadamente R$ 5 mil reais e ele vai responder o processo em liberdade.
17/10/2018, 12h25

O médico preso na noite da última segunda-feira (15/10) no Cais do Bairro Goiá, em Goiânia, acusado de abusar sexualmente de uma paciente durante a realização de uma consulta, foi liberado na tarde da última terça-feira (16/10) depois pagar fiança.

O caso é investigado pela Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher de Goiânia (DEAM) e conduzido pelo delegado Humberto Teófilo. O delegado confirmou ao Portal Dia Online que o profissional de saúde foi liberado, depois de pagar fiança no valor aproximado de R$ 5 mil reais e agora vai responder ao processo em liberdade.

Médico negou o abuso e disse que seguiu o procedimento padrão

Ainda de acordo com Humberto, no depoimento “o médico negou as acusações e disse que o procedimento adotado por ele é o normal durante uma consulta médica”. O delegado confirmou também que a vítima manteve as acusações de que o profissional de saúde durante a consulta tocou em suas partes íntimas, sem o seu consentimento.

O delegado comentou também que ao apurar os fatos, ficou constatado que está não foi a primeira vez que o médico agiu dessa maneira “foi verificado que o médico em questão já tinha condutas desviantes, no exercício de sua profissão”.

A assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) se manifestou na última terça-feira (16/10) por meio de nota, onde informou que o profissional foi afastado de todas as suas atividades.

Confira na íntegra a nota da Secretaria

“A Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia (SMS) repudia qualquer atitude que ofenda a dignidade da pessoa humana. A SMS esclarece que tão logo tomou ciência do caso, o médico foi afastado das atividades. Por fim, esclarece que abrirá sindicância para apurar os fatos e que está disponível para contribuir com as investigações da justiça.”

Importunação Sexual passou a ser crime

No dia 24 de setembro de 2018, Importunação Sexual passou a ser crime, quando o presidente em exercício no Supremo Tribunal Federal (STF) o ministro Dias Tofolli, sancionou o texto de projeto de lei, que prevê pena de 2 a 6 anos de reclusão.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.