Brasil

Papa canoniza Oscar Romero e Paulo VI

14/10/2018, 10h10

O papa Francisco vai canonizar hoje (14), durante a celebração de missa solene na Praça de São Pedro, no Vaticano, Paulo VI, D. Oscar Romero e mais cinco beatos europeus. Entre eles está Nunzio Sulprizio, um jovem de 19 anos que nasceu em Pescara, na Itália, e foi operário e aprendiz de ferreiro. A cerimônia está marcada para as 10h30 no horário local (5h30 em Brasília).

A Oficina para a Canonização, da Arquidiocese de San Salvador, capital de El Salvador, da qual D. Oscar Ranulfo Romero y Galdamez foi arcebispo por pouco mais de três anos, organizou uma caravana para assistir à celebração. Deverão participar quase 7 mil romeiros saídos de El Salvador, segundo o cardeal salvadorenho Gregorio Rosa Chavez. Esses peregrinos estão alojados em hotéis e casas religiosas em Roma.

O maior número do público será formado por devotos do Norte da Itália, da região de Brescia e de Milão, onde Giovanni Montini exerceu o apostolado, antes de ser eleito papa em 1963, quando assumiu o nome de Paulo VI. Espera-se uma multidão próxima de um milhão de fiéis, somando-se as caravanas de devotos de todos os novos santos. A cerimônia de canonização de São João XXIII e de São João Paulo II, em 2014, reuniu aproximadamente 800 mil pessoas, segundo estimativas do Vaticano.

Falecido em Castelgandolfo, aos 80 anos, em 6 de agosto de 1978, após 15 anos de pontificado, Paulo VI foi beatificado pelo papa Francisco, com a presença do papa emérito Bento XVI, em 19 de outubro de 2014. Seu corpo está sepultado na Basílica de São Pedro em um túmulo simples, como pediu em seu testamento.

Já D. Oscar Romero foi beatificado em maio de 2015. O papa Francisco empenhou-se pessoalmente em seu processo de canonização, que vinha sendo mantido em banho-maria na Congregação para as Causas dos Santos durante os pontificados de João Paulo II e de Bento XVI.

Como mártir, ele não precisaria do reconhecimento de um milagre para ser declarado santo, mas foi apresentado um: a cura uma mulher que sofria grave risco de morrer de parto.

Os bispos de El Salvador pediram que Oscar Romero fosse canonizado em San Salvador ou na Cidade do Panamá, onde Francisco participará, em janeiro, da Jornada Mundial da Juventude. Como não poderia viajar a El Salvador e não queria encaixar a canonização na Jornada, o papa marcou a cerimônia para a Praça de São Pedro.

Ao contrário dos beatos, que têm culto limitado, os santos podem ser venerados no mundo inteiro.

Concílio Vaticano II

Dos três papas canonizados após o Concílio Vaticano II – João XXIII e João Paulo II, em 2014, e agora Paulo VI -, este último foi o que tinha temperamento mais discreto e era o intelectualmente mais preparado.

Filho de uma família de classe média alta, com traços de nobreza de parte da mãe, nasceu em 1897 na cidadezinha de Concesio, perto de Brescia, na Itália, e recebeu no batismo o nome de Giovanni Battista Enrico Antonio Maria Montini. Era de saúde frágil, tanto que, ao se matricular no seminário em 1916, foi autorizado a morar em casa.

Enviado a Varsóvia como adido na Nunciatura Apostólica em 1923, três anos após a ordenação sacerdotal, foi chamado a Roma porque não suportou o inverno polonês. Formado em Direito Canônico pela Universidade Gregoriana, foi professor na Accademia dei Nobili Ecclesiastici e funcionário da Secretaria de Estado, onde trabalhou por 30 anos.

Em 1937, Montini foi nomeado substituto para Assuntos Comuns, sob o então secretário de Estado, cardeal Eugenio Pacelli. Foi reconfirmado no cargo, em 1939, quando Pacelli foi eleito papa com o nome de Pio XII. Era um colaborador eficiente e muito próximo do papa, que em 1954 o nomeou arcebispo de Milão. João XXIII lhe deu o título de cardeal em 1958. No conclave de 1963, sucedeu a João XXIII e escolheu o nome de Paulo. Reabriu o Concílio, que havia sido fechado com a morte de João XXIII prometeu levar adiante as reformas propostas para renovação da Igreja.

Em 1968, abriu a Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano, em Medellín, na Colômbia. Seguiu uma linha conciliadora entre as expectativas conflitantes dos vários grupos, na interpretação e implementação de documentos revolucionários. Foi um papa de pulso forte, apesar da aparência de fragilidade.

Diálogo

Paulo VI foi também um homem de diálogo. Quando era arcebispo de Milão, aproximou-se dos trabalhadores e da Democracia Cristã, de Aldo Moro, de quem foi amigo. Pregava a doutrina social da Igreja, base de sua encíclica Populorum Progressio, sobre o desenvolvimento dos povos, de 1967, e da carta apostólica Octogesima Adveniens, de 1971, no octogésimo aniversário da Rerum Novarum, de Leão XIII. Outros documentos importantes foram as encíclicas Sacerdotalis Caelibatus, de 1967, sobre o celibato dos padres, e a Humanae Vitae, de 1968, sobre o uso de métodos anticoncepcionais e aborto. Dois documentos polêmicos, porque havia expectativa de abertura, mas Paulo VI manteve a doutrina tradicional.

‘Eu entrevistei um santo’

Era uma sexta-feira, 21 de março de 1980, véspera de minha partida de El Salvador, após uma semana de trabalho para uma série de reportagens sobre a violência no país. Guerrilheiros e militantes de esquerda lutavam contra uma junta militar, empenhados em derrubar uma ditadura de centro-direita, instalada cinco meses antes com apoio dos Estados Unidos. Marquei uma entrevista com D. Oscar Romero, arcebispo de San Salvador, a capital. Ele me recebeu em seu escritório no Seminário São José com mais dois jornalistas, um americano, do jornal Dallas Times Herald, e um alemão, da agência de notícias DPA.

“O senhor não tem medo de morrer?”, perguntei ao arcebispo, quando ele se referiu à sua ação pastoral como mediador, que denunciava os extremismos de direita e de esquerda e lia, nas missas dominicais, a relação de mortos e de desaparecidos da semana anterior. A igreja ficava sempre lotada. Havia ameaças contra ele, e eu queria saber se não temia ser assassinado.

“Em Salvador, todos temos medo. Eu prego a verdade e a justiça. Prego um Evangelho que é o Cristo, solução por caminhos de paz e de amor. Pode parecer ridículo pregar isso, mas é a solução. As soluções violentas não são dignas do homem nem são estáveis. A violência é uma espécie de operação cirúrgica para que o doente se cure logo. A Igreja admite a violência quando não há outro caminho, mas é preciso que seja apenas uma passagem. A insurreição como insurreição não tem sentido”, respondeu D. Oscar.

O arcebispo admitiu o risco de ser morto e, três dias depois, levou um tiro no peito, por volta das 18h30 da segunda-feira, 24 de março, enquanto celebrava a missa no Hospital da Providência. Foi um único disparo, ninguém percebeu de onde saiu a bala. O assassino fugiu, após um ronco do motor de um carro que escapou em disparada.

A polícia atribuiu o crime a um atirador contratado pela extrema direita. A Comissão da Verdade da Organização das Nações Unidas (ONU) apurou que o mandante do assassinato foi o major Roberto d’ Aubuisson, fundador da Alianza Republicana Nacionalista, em 1981.

No fim da entrevista ao Estado, D. Oscar escreveu um cartão, pedindo-me para entregá-lo a D. Paulo Evaristo Arns, arcebispo de São Paulo. O cardeal revelou o conteúdo da mensagem em sua autobiografia, Da Esperança à Utopia, publicada pela editora Sextante em 2001. O arcebispo de San Salvador dizia “que nunca esquecia o Brasil e as vítimas do governo ditatorial em suas preces e particularmente em sua missa”. Os dois arcebispos eram amigos desde 1979, quando se conheceram durante a Conferência do Episcopado Latino-Americano de Puebla, no México.

Tranquilo e afável. D. Oscar Arnulfo Romero y Galdamez, então com 62 anos, nasceu em Ciudad Barrios, a 138 quilômetros de San Salvador. Era um homem tranquilo e afável que não se alterava nem quando falava da terrível situação de seu pequeno país, de 21.040 quilômetros quadrados e cerca de 4,5 milhões de habitantes em 1980. Combatia os extremismos, cuja luta custou mais de 75 mil mortos em 13 anos de guerra civil. A direita o odiava, a esquerda o olhava com desconfiança.

“Critiquei as organizações populares (de esquerda), mas a reação do governo é desproporcional e as vítimas são mais numerosas nas esquerdas. A resposta às provocações não deve ser somente militar. É preciso ouvir a voz que clama por justiça. Nos últimos dias, houve vítimas que não morreram em choques, mas em suas casas, após sequestros e torturas”, disse d. Oscar. “Dou números comprovados, temos documentos em nosso Socorro Jurídico: foram mais de 600 os mortos em janeiro e fevereiro”, acrescentou.

Apesar de tudo, d. Oscar ainda confiava na Junta Revolucionária que tomou o poder em outubro de 1979, porque dela participava o Partido Democrata Cristão. Mantinha um diálogo com o governo para solução de problemas. “Chamam-me, às vezes, da Casa Presidencial, ou eu recorro, quando necessário, a membros do governo. Sou um mediador em favor do povo. Quando há ameaças de um massacre, por exemplo, entro em contato com o governo. Mas eles também costumam recorrer a mim.”

A fama de santidade, primeira condição para a abertura do processo de beatificação e canonização, alastrou-se por El Salvador e outros países imediatamente. Chamado de mártir das Américas por ter dado a vida em defesa dos direitos dos pobres e perseguidos, D. Oscar ganhou devotos pelo mundo afora. O papa João Paulo II rezou junto de seu túmulo, quando visitou San Salvador em março de 1983. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Paraense vence sozinho Mega-Sena e vai receber R$ 27 milhões

Com o dinheiro, ganhador poderá comprar frota de 180 carros de luxo ou adquirir 33 imóveis no valor de R$ 800 mil.
14/10/2018, 10h30

Um apostador de Marabá, no Pará, acertou sozinho o concurso 2.087 da Mega-Sena e vai receber um prêmio de R$ 27 milhões.

Ele acertou as dezenas 02,18,19,23,34 e 53 sorteadas nesse sábado (13) em Joaçaba (SC). A quina teve 52 apostas ganhadoras e pagou prêmio de R$ 41.598,96 a cada uma.

Com dinheiro, ganhador poderá comprar frota de 180 carros de luxo ou adquirir 33 imóveis no valor de R$ 800 mil.

A quadra teve 4.898 apostas ganhadoras e pagou prêmio de R$ 630,91 a cada uma.

De acordo com a Caixa, o próximo sorteio da Mega-Sena está marcado para o dia 17 de outubro, com prêmio estimado em R$ 2,5 milhões.

Dicas de como ganhar na Mega-Sena

1) As dezenas 01, 02, 03, 11, 22, 44, 55, 48 e 57 saem pouco.

2) Não jogue números seguidos.

3) Não jogue em números que estejam na mesma linha vertical.

4) Divida a cartela em quatro quadrantes e distribua seu jogo entre eles.

5) Prefira apenas um cartão com mais de seis dezenas do que vários cartões de seis dezenas.

No site da Caixa Econômica Federal, algumas dicas:

Como jogar

A Mega-Sena paga milhões para o acertador dos 6 números sorteados. Ainda é possível ganhar prêmios ao acertar 4 ou 5 números dentre os 60 disponíveis no volante de apostas. Para realizar o sonho de ser o próximo milionário, você deve marcar de 6 a 15 números do volante, podendo deixar que o sistema escolha os números para você (Surpresinha) e/ou concorrer com a mesma aposta por 2, 4 ou 8 concursos consecutivos (Teimosinha).

Sorteios

Os sorteios da Mega-Sena são realizados duas vezes por semana, às quartas e aos sábados.

Apostas

A aposta mínima, de 6 números, custa R$ 3,50. Quanto mais números marcar, maior o preço da aposta e maiores as chances de faturar o prêmio mais cobiçado do país.

Premiação

O prêmio bruto corresponde a 43,35% da arrecadação. Dessa porcentagem:

35% são distribuídos entre os acertadores dos 6 números sorteados (Sena);

19% entre os acertadores de 5 números (Quina);

19% entre os acertadores de 4 números (Quadra);

22% ficam acumulados e são distribuídos aos acertadores dos 6 números nos concursos de final 0 ou 5.

5% ficam acumulados para a primeira faixa – sena – do último concurso do ano de final 0 ou 5 (Mega da Virada).

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

"Um marco", diz delegado que coordenou equipe que prendeu Serial Killer

Há quatro anos a Polícia Civil do Estado de Goiás prendia Tiago Henrique Gomes da Rocha, o Serial Killer de Goiânia.
14/10/2018, 11h25

Há quatro anos, no dia 14 de outubro de 2014, a Polícia Civil de Goiás concluía uma das mais complexas e amplas investigações de sua história: era capturado o Serial Killer, Tiago Henrique Gomes da Rocha.

A seguir, leia na íntegra uma entrevista do coordenador desse trabalho, o delegado de polícia Deusny Aparecido, superintendente de Polícia Judiciária à época. Ele revela detalhes importantes e momentos marcantes da formação da força-tarefa destinada a investigar a onda de assassinatos na região da Grande Goiânia e os desdobramentos da ação.

"Um marco", diz delegado que coordenou equipe que prendeu Serial Killer
Deusny Aparecido, coordenador de equipe que prendeu o criminoso. Foto: PC

1) O senhor coordenou a investigação mais complexa da história da PCGO. O que o senhor sentiu ao receber essa responsabilidade?

Delegado Deusny: Na verdade a responsabilidade já era minha de forma genérica, porque, à época, eu era o superintendente de Polícia Judiciária, ou seja: era o responsável pela parte operacional da Polícia Civil. Como tal, eu tinha a responsabilidade pela condução das investigações de polícia judiciária no Estado de Goiás.

De forma específica, essas investigações estavam sob responsabilidade da Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH), pois os fatos.

À época, é bom lembrar que nada indicava se tratar de uma só pessoa, ou da ação de um serial killer. O que existia eram indícios. Ninguém tinha certeza nenhuma. Eram apenas conjecturas.

Por isso, foi criada a Força-Tarefa, que envolveu outros policiais de outras unidades da Polícia Civil, que não apenas aqueles da Delegacia de Homicídios. Percebemos a necessidade de haver uma estrutura maior e que nos possibilitasse analisar e trabalhar aqueles casos especificamente, para que pudéssemos chegar a uma solução.

À frente da Superintendência de Polícia Judiciária, fomos buscar, em todo o estado, aqueles policiais com perfil para atuar nesse tipo de investigação para integrar essa força-tarefa no mês de agosto de 2014 para investigar especificamente aqueles crimes que estavam ocorrendo em toda a região da Grande Goiânia.

Quando resolvi assumir a coordenação da força-tarefa, é claro que isso foi feito a partir de um grande sacrifício profissional e pessoal, mas eu não podia deixar de realizar aquela missão, tendo em vista o nosso compromisso junto à sociedade e aos parentes das vítimas.

Foi um momento difícil da minha vida, mas que, graças a Deus, com a colaboração de cada um desses setores que foram indicados para a força-tarefa, que se desdobraram e se sacrificaram mas conseguiram chegar ao resultado, conseguimos realizá-lo, claro que, sempre, com Deus à frente para nos guiar e conduzir nessa árdua jornada.

2) Como foi a composição da força-tarefa? O senhor se recorda de quantos policiais civis foram engajados para compô-la?

Aconteceu da seguinte forma: no dia 02 de agosto de 2014, logo após o lamentável assassinato da adolescente Ana Lídia, eu mesmo fui até o local do crime, na companhia do colega da Inteligência e o colega plantonista da Delegacia de Homicídios, além de vários agentes, escrivães e papiloscopistas que trabalhavam conosco. Ao conversar com os familiares da jovem, ficamos muito comovidos.

A partir daquele instante, a nossa percepção foi de que precisávamos de algo a mais, sentimos que a Polícia Civil tinha que dar uma resposta à altura para aquele lamentável crime.

Então, dois dias depois, já iniciamos o dia com a missão estabelecida de formar a força-tarefa para a resolução de todos esses casos. Até então, só existiam conjecturas de que se tratava de um assassino em série.

Então, baixamos uma Portaria criando a força-tarefa. Sabíamos que não podíamos contar apenas com os colegas da Homicídios. Inicialmente, convocamos 70 colegas.

Dentre eles, 16 delegados, 30 agentes de polícia, 20 escrivães e quatro papiloscopistas. Essa foi a primeira composição da força tarefa. Todos abnegados, que vestem acamisa da Polícia Civil e não medem esforços para atender a sociedade.

Nosso sentimento é mais o de dever cumprido

3) A investigação é considerada modelo não só para a polícia judiciária goiana, mas para todo o Brasil. Quais foram os momentos determinantes desse trabalho?

Olha, realmente essa investigação foi um marco. Não dizemos isso com alegria, por conta do preço humano que se pagou para a produção desse resultado. Afinal, foram muitos assassinatos que ocorreram. Nosso sentimento é mais o de dever cumprido. Unimos as forças em nome de um objetivo único, que era fazer cessar aquele número de homicídios.

Foram vários os momentos determinantes, marcantes. O fato que desencadeou essa percepção da necessidade de uma ação diferenciada foi, como já disse, o assassinato da jovem Ana Lídia. A partir daí, e da composição da força-tarefa, o nível de comprometimento foi total, tanto que, ao longo de todo o funcionamento da força-tarefa, nenhuma informação importante para o trabalho investigativo chegou vazar, mesmo com o envolvimento de tantos policiais.

Tudo era tratado em grupo. Compartilhávamos as ideias e avanços. Isso permitiu que informações sensíveis não saíssem do contexto da força-tarefa. Cada colega sentiu o peso e importância da responsabilidade que carregava, e isso marcou muito e positivamente aquela investigação. Foi impressionante a participação de cada um desses setores.

Esse espírito de união e de equipe foi o que trouxe o resultado. Foi o trabalho sem vaidade, sem discórdias, com todos imbuídos na produção do resultado que, afinal, alcançamos.

A cada passo, descoberta, indício formulado, detalhe confirmado, nisso tudo nós sentíamos que estávamos nos aproximando da solução do caso. Mas houve muita pressão, legítima, por parte da imprensa e da sociedade. A cada passo, ficávamos como coração na mão mesmo, apreensivos com a possibilidade de surgir mais uma vítima.

Felizmente, da formação da força-tarefa, no dia 04 de agosto, até a prisão do Tiago, no dia 14 de outubro, não ocorreram mais homicídios. Mas, do dia 11 para o dia 12 de outubro, ou seja, um final de semana antes da prisão, ocorreu uma tentativa de homicídio de autoria dele no Jardim América.

Esse fato foi muito marcante porque, quando ele acionou o gatilho no peito da jovem, ela não disparou. Por duas ou três vezes ele acionou o gatilho, mas a arma falhou.

Serial Killer fez uma oração que os católicos chamam de ‘Maria, passa na frente.

A vítima relatou, nos autos, que, no momento da ação do serial killer, ela fez uma oração que os católicos chamam de “Maria, passa na frente”.

Na segunda-feira, dia 13, esse fato fez com que tomássemos a decisão de realmente tomar as providências para prender o serial killer, porque já tínhamos reunido muitos elementos de informação que poderiam possibilitar a sua captura. Já tínhamos tudo sobre ele, menos a identificação.

Serial Killer foi pego desprevenido

4) No briefing para organizar as equipes que iriam realizar a prisão do Tiago, o senhor afirmou que tinha certeza absoluta de que ele seria preso dentro de poucas horas, o que de fato aconteceu. De onde o senhor acredita que veio essa certeza?

Realmente eu tinha essa certeza, e nesse momento preciso testemunhar que, diante dos 140 colegas que estavam ali, essa certeza vinha da fé. Eu acredito em um Deus Maior.

Quando a Ana Lídia foi assassinada, eu fui a uma igreja, muito consternado com aquela situação. Ao fim da missa, eu procurei o padre e disse a ele: “A Polícia Civil, a sociedade de Goiás precisam da bênção do Senhor Jesus para que a gente possa prender essa pessoa que está praticando esses homicídios”.

Nesse momento, o padre estendeu a mão e abençoou toda a Polícia Civil. A partir daquele momento, eu fui tomado de uma fé muito forte e de uma certeza de que nós conseguiríamos cessar aquela onda de homicídios. Foi essa certeza que me tomou no momento daquele briefing, no dia 14 de outubro de 2014. Eu sabia que, ao sair dali, naquela operação, nós conseguiríamos o resultado.

E a graça que obtivemos foi muito maior. Eu mesmo fiquei surpreso, pois esperava que nós faríamos aquela prisão um, dois dias após o brefing, com equipes se revezando 24 horas por dia de maneira ininterrupta no encalço do criminoso para prendê-lo. Mas a piedade divina e a grande capacidade dos policiais civis.

Estamos com o homem na mão

Cerca de 20 minutos após a saída das equipes, um agente da equipe perspicaz das operações de inteligência me liga e diz: “Deusny, estamos com o homem na mão”. Era a realização de um trabalho conjunto que deu um resultado positivo para todos os que estavam ali. Toda a sociedade precisava daquele resultado.

Foi uma vitoria de todos, inclusive, das famílias das vítimas que clamavam por justiça. Após sua prisão, aquele elemento foi levado para a delegacia especializada e, com o trabalho dos competentíssimos delegados, agentes, escrivães e papiloscopistas, começou a confessar todos os seus crimes, pois os elementos de prova contra ele eram muito fortes.

5) Quatro anos depois desse trabalho, qual é o balanço que o senhor faz da evolução da PCGO como polícia investigativa?

Após esses quatro anos, que realmente foi um divisor de águas, não somente para a Polícia Civil de Goiás mas para todas as polícias judiciárias do país, eu vejo que a Polícia Civil de Goiás vem evoluindo a cada dia.

Ela tem mostrado a cada momento a qualidade e especificidade de seu trabalho e a importância desse trabalho para a sociedade. Nossos servidores tê, a cada ano, se profissionalizado e aprimorado mais.

Hoje, sou muito grato e fico muito feliz com o nível de maturidade e profissionalismo com que a Polícia Civil vem se aprimorando a cada dia se passa. E fico mais feliz ainda de ter participado dessa investigação, junto a esses colegas, que são mais que amigos. São nossos parceiros e nossos irmãos. Nossa busca é uma só: defender essa sociedade tão carente de justiça e de segurança. Um abraço a todos e muito obrigado.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Menores invadem casa, matam neto e baleiam avó em Caldas Novas

A dupla só foi encontrada porque um dos adolescentes deixou o celular cair no local do crime.
14/10/2018, 13h31

Dois adolescentes invadiram na madrugada deste domingo (14/10) uma residência no Setor Chácaras Ipanema, em Caldas Novas, e mataram a tiros Genival de Alencar Coelho e baleiam a avó dele, que não foi identificada. Os menores bateram no portão por volta de 3h20, em busca de Genival, que recepcionou os atiradores.

Para o Portal Dia Online, a PM informou que dois adolescentes de 15 anos foram apreendidos suspeitos de participação no crime. A dupla está na Delegacia de Caldas Novas e já foi ouvida pelo delegado plantonista. “Eles ficaram calados”, contou um policial. “O delegado veio aqui apenas para ouvi-los e saiu. Deve voltar mais tarde”, disse.

A dupla só foi encontrada porque um dos adolescentes deixou o celular cair no local do crime.

Idosa baleada em tiroteio em Caldas Novas foi levada ao hospital

A idosa que se feriu no momento em que o neto era executado, foi levada ao Hospital Municipal de Caldas Novas. Quando a reportagem ligou para o hospital, uma mulher informou que não tem autorização para passar informações. Sem passar o contato de assessoria de imprensa, desligou a ligação.

No celular do suspeito que ficou no no local do crime, havia fotografias. Uma das testemunhas, explica PM, identificou pelo menos um deles.

A dupla, então, foi encontrada em um casa, na Rua NC1, no Setor Mansões Recanto da Serra. Desde o momento em que foi identificado o celular, os policiais militar do Grupo de Patrulhamento Tático se dividiram nos bairros em busca dos suspeitos.

Monitorados desde a madrugada, quando acordaram, foram cercados pelos policiais e apreendidos.

Genival tinha passagens pela polícia por porte ilegal de arma de fogo, roubo, homicídio.  Genival também respondia por um latrocínio, cometido quando ele roubou o celular de um jovem.

Existe a suspeita de que os adolescentes foram contratados por um preso do presídio de Caldas Novas ou de Formosa para assassinar Genival.

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Goiás

Neste domingo, este casal comemora 66 anos de casamento

Dona Maria pediu seu Jorge em casamento em 1952. Com 16 anos de diferença, o casal nunca se separou.
14/10/2018, 14h19

Quando pediu para seu Jorge ficar de vez em Goiás e se casar com ela, Maria Lúcia fugiu do costume de tempos antigos, em 1952. Ela mesma escolheu seu Jorge para o matrimônio. Aposta que algo lhe dizia que era amor para mais de banda. Aos 86 anos, ela não sai de perto do marido, que tem 101 anos, na casa da família em Ceres, interior de Goiás.

Com seu Jorge, Maria encheu a casa de filhos. Primeiro veio José, depois João, Mauro, Lourdes, Maria Filha e Marlene. “Tive outros dois”, se lembra, “mas Deus levou”.

Depois vieram os 14 netos e outros nove bisnetos. “É gente demais, fi”, diz com sotaque mineiro. Contadora de histórias, mesmo por telefone, enquanto vê a movimentação na casa em que durante todo este domingo (14/10) a família comemora os 66 anos desde que ela e seu Jorge deram o primeiro beijo no altar.

E se lembra de tudinho: “Nois dançou demais, sô”. Ela vai contando a história dela com seu Jorge como se tudo tivesse ocorrido ontem. Desde que seu Jorge começou a escurecer a memória, ia se esquecendo de tudo. “A tal de Alzheimer, meu fi. É bão demais da conta meu véi aqui comigo. Minha famía, tudinho.”

Dona Maria Lúcia tem vida no sorriso. Quando sorri, é como se ganhasse mais combustível para continuar vivendo e ensinando que o tempo é o melhor remédio mesmo. “Óia, nois trabaiou muito. Muito mesmo. Hoje não sou rica, mas não sou pobre. Eu sou eu, assim, vivendo de tiquinho. Não fosse a doença do meu marido, nois viajar muito mais. Andamo por demais nesse Goiás.”

Agora, diante da movimentação da festança para a Bodas de Ébano, Maria quer mesmo é não esquecer. “Eu vim para Goiás com sete anos. E conheci meu marido quando ele veio ver a namorada. Quando ele chegou, ele foi na casa de papai. Eu estava tecendo.”

Antes de continuar, Maria dá uma gaitada: “Rapaz feio demais, mas ele também me achou feia. A gente tomou banho e melhorou. Aí fomo passear e eu mesma falei, ó: ‘se você quiser casar comigo, nóis casa. Só vim pra Goiás'”.

Casou com o homem que veio desfiando a vida. Perdeu a sensibilidade dos braços e não consegue mais tocar sanfona e violão, capinar, espantar onça e nem dar milho às galinhas. “Mas hoje ele é um velho bonito, vaidoso. Tem que passar perfume, calçar um calçadinho bão, senão ele não sai de jeito nenhum.”

Antes de despedir do repórter, agradece pela ligação e recomenda. “Anota aí, meu filho: A vida é bão demais.”

Neste domingo, este casal comemora 66 anos de casados
“Amo demais da conta meu velho”, declara Maria

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.