Goiás

Patrimônio de candidatos ao Governo de Goiás ultrapassa R$ 13 milhões

Senador Ronaldo Caiado (DEM) saiu na frente com R$ 7.923.371,92 declarados à Justiça Eleitoral.
15/08/2018, 20h32

A soma do patrimônio do candidatos ao Governo de Goiás nas eleições 2018, declarados até momento, ultrapassa R$ 13 milhões, segundo dados registrados nesta terça-feira (14/8) no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O senador Ronaldo Caiado (DEM) saiu na frente com R$ 7.923.371,92 declarados à Justiça Eleitoral.

Em segundo lugar no ranking de bens declarados aparece o atual governador, candidato à reeleição, José Eliton (PSDB) com R$ 4.878.905,97.

Já o deputado federal Daniel Vilela (MDB) declarou à Justiça eleitoral R$ 1.122.603,25, e o candidato Weslei Garcia informou R$ 130.000,00 em bens.

As declarações de bens da candidata Kátia Maria (PT) e do candidato Marcelo Lira (PCB) ainda não foram divulgadas no TSE.

Confira abaixo o valor de bens dos citados acima (candidatos ao governo) e outros candidatos (vice-governador senador) nas eleições deste ano.

Patrimônio de candidatos ao Governo

Ronaldo Caiado (DEM):

  • Bens declarados: R$ 7.923.371,92

José Eliton (PSDB)

  • Bens declarados: R$ 4.878.905,97

Daniel Vilela (MDB)

  • Bens declarados: R$ 1.122.603,25

Weslei Garcia

  • Bens declarados: R$ 130.000,00

Patrimônio de candidatos para vice-governador

Lincoln Tejota (Pros)

  • Bens declarados: R$ 1.242.667,53

Nildinha (Psol)

  • Bens declarados: nenhum cadastrado

Heuler Cruvinel (PP)

  • Bens declarados: R$494.359,06

Patrimônio de candidatos ao Senado

Marconi Perillo (PSDB)

  • Bens declarados: R$ R$ 6.722.020,06

Vereador Jorge Kajuru (PRP)

  • Bens declarados: R$ 95.000,00

Wilder Morais (DEM)

  • Bens declarados: R$ 28.131.823,54

Deputado federal Daniel Vilela (MDB)

  • Bens declarados: R$ 1.122.603,25

Agenor Mariano (MDB)

  • Bens declarados: R$ 1.105.000,00

Vanderlan Cardoso (PP)

  • Bens declarados: R$ 26.644.659,57

Weslei Garcia (Psol)

  • Bens declarados: R$ 130.000,00

Fabrício Rosa (Psol)

  • Bens declarados: R$ 279.364,00

Eleições 2018

No dia 7 de outubro, os eleitores vão às ruas para definir os novos ocupantes dos cargos de presidente da república, governador e vice-governador e senadores.

Os candidatos que disputam o Governo de Goiás nas eleições 2018, oficializaram suas candidaturas em convenções ocorridas nos dias 4 e 5 de agosto, em Goiânia. Já Professor Weslei (PSOL) participou da convenção de sua sigla no último domingo de julho, dia 29.

Confira abaixo as chapas majoritárias em Goiás:

  • Governador: José Eliton (PSDB)
  • Vice: Raquel Teixeira (PSDB)
  • Senado: Lúcia Vânia (PSB) / Marconi Perillo (PSDB)
  • Coligação: PSDB, PSB, PTB, PSD, PR, PPS, PV, SD, Patriota, Rede e Avante

  • Governador: Daniel Vilela (MDB)
  • Vice: Heuler Cruvinel (PP)
  • Senado: Agenor Mariano (MDB) / Vanderlan Cardoso (PP)
  • Coligação: MDB, PP, PRB e PHS

  • Governador: Ronaldo Caiado (DEM)
  • Vice: Lincoln Tejota (Pros)
  • Senado: Jorge Kajuru (PRP) / Wilder Morais (DEM)
  • Coligação: DEM, PDT, Pros, PRP, DC, Podemos, PMN, PMB, PRTB, PSC, PTC e PPL

  • Governador: Kátia Maria (PT)
  • Vice: Nivaldo dos Santos (PCdoB)
  • Senado: Geli Sanches (PT)/ Luis Cesar Bueno (PT)
  • Coligação: PT e PCdoB

  • Governador: Marcelo Lira (PCB)
  • Vice: Bruna Venceslau (PCB)
  • Senado: Magda Borges (PCB)
  • Coligação: Apenas o PCB

  • Governador: Weslei Garcia (PSOL)
  • Vice: Erenilda de Assis (PSOL)
  • Senado: Fabrício Rosa (PSOL)
  • Coligação: Apenas o PSOL

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Brasil

PT oficializa candidatura de Lula nesta quarta-feira

Em apoio ao registro do ex-presidente na disputa pela Presidência, manifestantes se reuniram em Brasília.
15/08/2018, 20h47

Na tarde desta quarta-feira (15/8) o PT oficializou a candidatura de Lula na disputa à Presidência da República, junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Ainda assim, a candidatura do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva está em questionamento na justiça, uma vez que ele está preso desde de o dia 7 de abril na sede da Polícia Federal, em Curitiba.

Como candidato a vice, a coligação registrou o ex-prefeito Fernando Haddad. Para fazer o registro da candidatura do ex-presidente estavam no tribunal a senadora Gleisi Hoffmana, a ex-presidente Dilma Rousseff, o ex-prefeito Fernando Haddad e a deputada Manuela D´Avila.

Dia 17 de setembro é o prazo final para o TSE iniciar a análise dos registros. Após esse processo, recursos poderão ser analisados e depois disso, qualquer decisão, cabe recurso no Supremo Tribunal Federal (STF).

Manifestação a favor da candidatura de Lula

Ainda na tarde de hoje, em apoio ao registro da candidatura de Lula, manifestantes se reuniram em uma marcha em Brasília. Segundo a organização do evento, 50 mil pessoas pessoas participaram do ato. Já de acordo com a Polícia militar, cerca de 10 mil manifestantes estavam na Esplanada.

O objetivo dos manifestantes era seguir do Planalto até a sede do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), até que a candidatura do ex-presidente fosse protocolada no TSE. Este é o terceiro dia de atos a favor de Lula em Brasília.

Prisão de Lula

Luís Inácio da Silva está preso desde o dia 7 de abril deste ano. Lula foi condenado a 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, no caso do triplex do Guarujá.

O ex-presidente foi julgado no dia 24 de janeiro de 2018, pela 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre. Em julho do ano passado o juiz Sérgio Moro já havia condenado o ex-presidente a nove anos e seis meses de prisão. Os desembargadores manteram a condenação, mas aumentaram a pena.

Via: Veja G1 
Imagens: Último Segundo 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Conheça o perfil dos candidatos ao Governo de Goiás

Segundo o TSE, os candidatos ao Governo de Goiás podem, a partir de hoje (16/8), começar com tudo a campanha eleitoral.

Por Ton Paulo
16/08/2018, 08h10

Segundo a regra determinada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a campanha eleitoral plena dos candidatos tanto à Presidência da República quanto ao Governo dos Estados começa hoje, dia 16 de agosto, e os candidatos ao Governo de Goiás já estão preparados na “linha de largada”.

Os concorrentes, que já participaram das convenções de seus respectivos partidos, agora já podem fazer campanha eleitoral.

Estão autorizadas, até o dia 6 de outubro, véspera do primeiro turno, a distribuição de material gráfico, a realização de caminhadas, carreatas ou passeatas e o uso de carro de som pelas ruas, divulgando jingles ou mensagens dos candidatos. Até 5 de outubro, são permitidos anúncios pagos, na imprensa escrita, e a reprodução, na internet, limitados a dez por veículo, em datas diversas, para cada candidato, com tamanho máximo de um oitavo de página de jornal padrão e um quarto de página de revista ou tabloide.

E no meio do bombardeio de campanhas e propagandas políticas, nada melhor do que o eleitor conhecer o perfil dos principais candidatos que concorrem ao Executivo.

Candidatos ao Governo de Goiás

Alda Lúcia – PCO

Conheça o perfil dos candidatos ao Governo de GoiásAlda Lúcia nasceu em 10 de julho de 1983 em Cruzeiro do Sul, Acre.

Formou-se em Sociologia pela Universidade de Brasília (UnB), se especializando na Universidade Federal de Goiás (UFG). A candidata também trabalhou no Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Daniel Vilela – MDB

Conheça o perfil dos principais candidatos ao Governo de Goiás

Daniel Elias Carvalho Vilela nasceu em Jataí, em 23 de outubro de 1983. Ele é filho de Maguito Vilela, ex-governador do Estado de Goiás.

Formou-se em Direito pela Universidade Salgado de Oliveira (Universo), e se especializou em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Daniel Vilela jogou futebol profissionalmente na juventude, no Goiás Esporte Clube e Atlético Clube Goianiense.

Em 2008, foi eleito como vereador por Goiânia. Em 2010 foi eleito para a Assembleia Legislativa de Goiás, como um dos deputados mais bem votados. Em 2014 foi eleito como deputado federal, mandato que cumpre até hoje, todos os cargos pelo MDB (antigo PMDB).

Katia Maria – PT

Conheça o perfil dos principais candidatos ao Governo de Goiás

Kátia Maria dos Santos nasceu em Goiânia em 24 de junho de 1973. Professora universitária, consultora em planejamento e coach, Katia é Mestre pela Universidade Federal de Goiás (UFG), além de empresária na área de planejamento e gestão.

Quando jovem, atuava como voluntária em associações de mulheres de Senador Canedo. Katia foi membro do Sindicato dos Servidores Públicos de Senador Canedo e do Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado de Goiás (Sintego). Paralelamente, coordenou a Organização Não-Governamental Avançar, em Senador Canedo, que atuava nas áreas de educação e cultura.

Em 2010, coordenou a campanha de Dilma Rousseff para a Presidência na internet, no estado de Goiás. Filiada ao Partido dos Trabalhadores desde 2003, foi a primeira presidente mulher do Diretório Estadual do PT.

Marcelo Lira – PCB

Conheça o perfil dos candidatos ao Governo de GoiásMarcelo Lira nasceu em 1981, em São Paulo, mudando-se posteriormente para Goiânia.

O candidato é formado em Ciências Sociais e Filosofia, e tem mestrado e doutorado em Ciências Sociais e pós-doutorado em História. É professor do Instituto Federal de Goiás (IFG).

Professor Weslei – PSOL

Conheça o perfil dos candidatos ao Governo de Goiás

Weslei Garcia de Paulo nasceu em Taguatinga (DF) em13 de janeiro de 1983. Formou-se em Pedagogia, e fez pós-graduação em Docência do Ensino superior e Mestrando em Educação na Universidade de Brasilia (UnB).

Aos 16 anos iniciou a militância no movimento estudantil, sendo presidente do Grêmio da Escola Normal de Brasília. Em 2004 foi morar em Valparaíso de Goiás onde assumiu o cargo de professor concursado da rede municipal. Foi professor da rede estadual de Goiás durante quatro anos. Em 2014, assumiu o cargo de professor concursado da rede pública no Distrito Federal, é também professor universitário.

É vice presidente do SINPROES- Sindicato dos Professores do Entorno Sul. Filiou-se ao PSOL em 2005. Foi candidato ao Governo do Estado em 2014. Atualmente é presidente do PSOL Goiás.

Ronaldo Caiado – DEM

Conheça o perfil dos principais candidatos ao Governo de Goiás

Ronaldo Ramos Caiado nasceu no município de Anápolis em 25 de setembro de 1949. Formou-se em medicina na Escola de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro e foi professor assistente do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Foi eleito deputado federal do Estado de Goiás pelo PSD em 1990, e no ano seguinte filiou-se ao PFL (atual DEM, no qual é filiado até hoje). Reelegeu-se deputado federal em 1998, 2002, 2006 e 2010, e foi eleito para o Senado em 2015 (mandato que cumpre até hoje).

Ronaldo Caiado foi o primeiro presidente da União Democrática Ruralista (UDR), associação civil criada em maio de 1985 por grandes proprietários de terras, com a finalidade de defender a propriedade privada e como expressão da radicalização patronal rural contra a política agrária promovida pelo governo federal no começo da administração do presidente José Sarney.

Ze Eliton – PSDB

Conheça o perfil dos principais candidatos ao Governo de Goiás

José Eliton de Figuerêdo Júnior nasceu em 27 de agosto de 1972, em Rio Verde. Formou-se em Direito pela Universidade Católica de Goiás (CG), atual PUC Goiás, se especializando em Direito Eleitoral.

Fez parte da Comissão de Juristas do Senado Federal na elaboração do anteprojeto de reformulação do Código Eleitoral Brasileiro. Também foi tesoureiro do Instituto Goiano de Direito Eleitoral (IGDEL) e membro da Comissão de Direito Político e Eleitoral da OAB de Goiás, além de presidente da CELG.

Foi eleito em 2010 na chapa do ex-governador Marconi Perillo (PSDB), como vice. Em abril de 2018, Marconi deixou o Governo para concorrer ao Senado, e Zé Eliton assumiu em seu lugar, sendo o atual governador do Estado.

No dia 28 de setembro de 2016, Zé Eliton sofreu um atentado durante uma carreata em Itumbiara, região sul do Estado. O candidato, que era secretário de segurança pública à época, foi atingido por uma bala depois que um atirador abriu fogo contra Zé Eliton e a equipe presente. Depois de ser internado e a bala removida, Zé Eliton se recuperou do incidente.

Via: FGV Câmara dos Deputados Senado 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Saiba quem são os candidatos ao Senado por Goiás

Ao todo, 12 candidatos ao Senado pelo Estado de Goiás vão disputar as eleições.

Por Ton Paulo
16/08/2018, 10h05

Com o aval do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e as candidaturas devidamente registradas, os concorrentes das eleições de 2018 começam oficialmente hoje (16/8) suas campanhas. E os candidatos ao Senado por Goiás, 12 ao todo, já intensificam o corpo a corpo com o eleitorado goiano.

Conheça agora o perfil daqueles que vão concorrer a uma vaga no Senado Federal.

Candidatos ao Senado por Goiás

Agenor Mariano (MDB)

Saiba quem são os candidatos ao Senado por Goiás

Aos 44 anos, o ex-vice-prefeito e ex-secretário de Planejamento da Prefeitura Agenor Mariano deixou o Paço para disputar o Senado pelo MDB.

Fabrício Rosa (PSOL)

Saiba quem são os candidatos ao Senado por Goiás

Policial rodoviário federal, Fabrício Rosa é formado em Direito pela UFG e é o único candidato assumidamente gay. Vai disputar o Senado pelo PSOL.

Jorge Kajuru (PRP)

Saiba quem são os candidatos ao Senado por Goiás

Nascido em 1961, Kajuru é jornalista esportivo, radialista, empresário e apresentador. Vai disputar pelo PRP.

Lúcia Vânia (PSB)

Saiba quem são os candidatos ao Senado por Goiás

Jornalista formada pela UFG, a senadora Lúcia Vânia é pós-graduada em História da Arte e vai tentar se reeleger pelo PSB.

Luis César Bueno (PT)

Saiba quem são os candidatos ao Senado por Goiás

Nascido em 1060, o deputado estadual Luís César Bueno é professor licenciado em História e Estudos Sociais, e pós-graduado em Políticas Públicas. Vai tentar se eleger para o Senado pelo PT.

Marconi Perillo (PSDB)

Saiba quem são os candidatos ao Senado por Goiás

Marconi nasceu em 1963, em Palmeiras de Goiás Foi deputado estadual e federal, senador e governador do Estado de Goiás. Não chegou a se formar na Universidade. e tentará o Senado pelo PSDB.

Professora Geli (PT)

Saiba quem são os candidatos ao Senado por Goiás

A vereador de Anápolis Maria Geli nasceu em 1961, em Silvânia. Formou-se em Pedagogia e fez mestrado em Educação. Tentará se eleger pelo PT.

Professor Alessandro Aquino (PCO)

Saiba quem são os candidatos ao Senado por Goiás

O professor e advogado Alessandro Aquino nasceu em 1991. Também formado em Biologia, vai concorrer a uma vaga no Senado pelo PCO.

Professora Magda Borges (PCB)

Saiba quem são os candidatos ao Senado por Goiás

A professora universitária Magda Borges nasceu em São Luís de Montes Belos, em 1974. A candidata vai tentar uma vaga no Senado Federal pelo PCB.

Santana Pires (Patriotas)

Saiba quem são os candidatos ao Senado por Goiás

O comerciante Santana Pires nasceu em Jaraguá, em 1972. Vai disputar o Senado pelo partido Patriotas.

Vanderlan Cardoso (PP)

Saiba quem são os candidatos ao Senado por Goiás

Nascido em Iporá no ano de 1962, o empresário e ex-candidato à Prefeitura de Goiânia, Vanderlan Cardoso, vai concorrer pelo PP.

Wilder (DEM)

Saiba quem são os candidatos ao Senado por Goiás

Wilder Morais nasceu em Taquaral de Goiás, em 1968. É formado em Engenharia Civil. Foi Secretário de Estado de Infraestrutura de Goiás, e vai tentar se reeleger ao Senado pelo DEM.

Via: G1 Senado 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.

Política

Lula publica carta após registrar candidatura no TSE

Publicada no site do candidato, a carta é direcionada à população em geral. No documento, Lula reafirma "caçada judicial" contra ele por parte do juiz Sérgio Moro.

Por Ton Paulo
16/08/2018, 10h47

Em meio a um mar de incertezas jurídicas, o candidato à Presidência da República pelo PT, Luís Inácio Lula da Silva, publicou ontem (15/8) uma carta em que o ex-presidente reafirma sua condição de candidato e denuncia o que ele chama de “caçada judicial”.

A carta, publicada no site do próprio Lula e direcionada à população em geral, foi divulgada logo depois que a candidatura do petista foi registrada no TSE. O documento foi lido por Fernando Haddad, vice de Lula, no ato feito em defesa da candidatura nas imediações do TSE, que reuniu, segundo os organizadores, cerca de 50 mil manifestantes.

Na carta, Lula afirma que foi condenado pelo juiz Sérgio Moro “pela prática de “atos indeterminados” para tentar tirá-lo da eleição”, e que o magistrado “usou de uma “fake news” produzida pelo jornal O Globo sobre um apartamento no Guarujá” para embasar o processo.

Lula diz ainda que “chegou-se ao ponto em que uma decisão de um desembargador que restabelecia a sua liberdade não foi cumprida por orientação telefônica dada por Moro”, o que, segundo o petista, fere a legitimidade democrática da Justiça.

O ex-presidente e candidato finaliza a carta afirmando que “não pretende morrer, e nem cogita renunciar”, e que “vai brigar pelo registro [da candidatura] até o final”.

Leia a carta na íntegra

Registrei hoje a minha candidatura à Presidência da República, após meu nome ter sido aprovado na convenção do PT, com a certeza de que posso fazer muito para tirar o Brasil de uma das piores crises da história. A partir dessa aprovação do meu nome pelas companheiras e companheiros do PT, do PCdoB e do PROS, passei a ter o direito de disputar as eleições.

Há um ano, um mês e três dias, Sérgio Moro usou do seu cargo de juiz para cometer um ato político: ele me condenou pela prática de “atos indeterminados” para tentar me tirar da eleição. Usou de uma “fake news” produzida pelo jornal O Globo sobre um apartamento no Guarujá.

Desde então, o povo brasileiro aguarda, em vão, que Moro e os demais juízes que confirmaram a minha condenação em segunda instância apresentem alguma prova material de que sou o proprietário daquele imóvel, que digam qual foi o ato que eu cometi para justificar uma condenação. Mas o que vemos, dia após dia, é a revelação de fatos que apenas reforçam uma atuação ilegítima de agentes do Sistema de Justiça para me condenar e me manter na prisão.

Chegou-se ao ponto em que uma decisão de um desembargador que restabelecia a minha liberdade não foi cumprida por orientação telefônica dada por Moro, pelo presidente do TRF-4 e pela Procurador-Geral da República ao Diretor-Geral da Polícia Federal.

Como defender a legitimidade de um processo em que conspiram contra a minha liberdade, desde o juiz de primeira instância até a Procuradora-Geral da República?

Sou vítima de uma caçada judicial que já está registrada na história.

Tenho certeza de que, se a Constituição Federal e as leis desse país ainda tiverem algum valor, serei absolvido pelas Cortes Superiores.

A expectativa de que os recursos apresentados pelos meus advogados resultem na minha absolvição no STJ ou no STF é o que basta, segundo a legislação brasileira, para afastar qualquer impedimento para que eu possa concorrer.

Não estou pedindo nenhum favor. Quero apenas que os direitos que vêm sendo reconhecidos pelos tribunais em favor de centenas de outros candidatos há anos também sejam reconhecidos para mim. Não posso admitir casuísmo e o juízo de exceção.

O Comitê de Direitos Humanos da ONU já emitiu uma decisão que impede o Estado brasileiro de causar danos irreversíveis aos meus direitos políticos – o que reforça a impossibilidade de impedirem que eu dispute as eleições de 2018.

Quero que o povo brasileiro possa decidir se me dará a oportunidade de, junto com ele, consertar este país.

A partir de amanhã, vamos nos espalhar pelo Brasil, nas ruas, no trabalho, nas redes sociais, mas, principalmente, olhando nos olhos das pessoas, para lembrar que esse país um dia já foi feliz e que os mais pobres estavam contemplados no orçamento da União como investimento, e não como despesa.

Cada um de vocês terá que ser Lula fazendo campanha pelo Brasil, lembrando ao povo brasileiro que, nos governos do PT, o povo trabalhador teve mais emprego, maiores salários e melhores condições de vida.

Que um nordestino que mora no Sul podia visitar sua família de avião e não somente de ônibus.

Que um pobre, um negro ou um índio podia ingressar na universidade.

Que o pobre podia ter casa própria e comer três vezes ao dia.

Que a luz elétrica era acessível a todos.

Que o salário mínimo foi aumentado sem causar inflação.

Que foi posto em prática aquele que a ONU considerou o melhor programa de transferência de renda do mundo, beneficiando 14 milhões de famílias e tirando o Brasil do Mapa da Fome.

Que foram criadas novas universidades e novos cursos técnicos.

Para recuperar o direito de fazer tudo isso e muito mais é que sou candidato a Presidente da República.

Vamos dialogar com aqueles que viram que o Brasil saiu do rumo, estão sem esperança, mas sabem que o país precisa resolver o seu destino nas urnas, não em golpes ou no tapetão.

Lembrar que, com democracia, com nosso trabalho, o Brasil vai voltar a ser feliz.

Enquanto eu estiver preso, cada um de vocês será a minha perna e a minha voz. Vamos retomar a esperança, a soberania e a alegria desse nosso grande país.

Companheiras e companheiros, o Moro tinha até hoje para mostrar uma prova contra mim. Não apresentou nenhuma! Fato indeterminado não é prova! Por isso, sou candidato.

Repito: com meu nome aprovado na convenção, a Lei Eleitoral garante que só não serei candidato se eu morrer, renunciar ou for arrancado pela Justiça Eleitoral. Não pretendo morrer, não cogito renunciar e vou brigar pelo meu registro até o final.

Não quero favor, quero Justiça. Não troco minha dignidade por minha liberdade.

Um forte abraço,

Lula

Via: Lula 

COMENTÁRIOS

Os comentários publicados aqui não representam a opinião do portal e são de total responsabilidade de seus autores.