04/abr/2018 10h04

População enfrenta filas para vacinação contra H1N1 em clínicas particulares

População goiana enfrenta longas filas em clínicas particulares que comercializam a vacina na capital. Vacinação gratuita começa no dia 23 de abril.
estoque insuficiente - 04/abr/2018 10h04

Desde a manhã desta terça-feira (3/4) a procura por vacinas contra Influenza A/H1N1, H3N2 e B em clínicas particulares sofreu um grande aumento:

AO VIVO: Goianos enfrentam longas filas para vacinar contra H1N1 em clínica particular

AO VIVO: Goianos enfrentam longas filas para vacinar contra H1N1 em clínica particular

Posted by Dia Online on Tuesday, April 3, 2018

Com o atraso da campanha de vacinação contra gripe H1N1 em Goiás, centenas de pessoas voltaram a procurar pontos onde a vacina é comercializada na manhã desta quarta-feira (4/4) na capital.

Em imagens enviadas pela leitora @jujunatali para o Portal Dia Online, é possível ver uma grande fila na porta do Centro de Vacinação da Unimed desde a madrugada. Veja:

Mais tarde, nossa equipe compareceu à mesma unidade e constatou que o aglomerado de pessoas à procura da vacina continuava extensa:

Em outro ponto da cidade, na Clínica Especializada em Doenças Infecciosas e Imunizações – CEDIPI, a situação se repete. Muitas pessoas se aglomeravam na porta do centro na esperança de conseguir comprar o imunológico:

A procura está sendo tamanha que os estabelecimentos não estão conseguindo suprir à demanda.

A orientação para quem pretende comprar a vacina é entrar em contato com as clínicas para conferir a disponibilidade e ter paciência e disposição para enfrentar a longa fila de espera. O valor da imunização varia de R$ 70,00 a R$ 160,00.

A maior preocupação são pessoas pertencentes aos grupos de risco da doença, são eles:

  • pessoas com 60 anos ou mais de idade
  • crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade
  • gestantes
  • puérperas (até 45 dias após o parto)
  • trabalhadores da área da saúde
  • professores das escolas públicas e privadas
  • povos indígenas
  • portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais
  • população privada de liberdade
  • jovens cumprindo medidas socioeducativas
  • funcionários do sistema prisional

Essas pessoas tem prioridade em receber o imunológico pela rede pública. A meta nacional é vacinar, pelo menos, 90% dos grupos prioritários, no entanto a campanha de vacinação só começa no dia 23 de abril.

Embora sejam pessoas mais propensas à contraírem o vírus, ninguém está imune, por isso a extensa procura do produto em locais particulares. Mas para quem não tem condições ou não está conseguindo comprar por conta da procura, vale lembrar que a vacina não é a única forma de prevenção.

Algumas atitudes simples podem impedir a contração do vírus que apavora a população todos os anos.

Confira algumas dicas de prevenção: 

  • Evitar locais com grandes aglomerados. Principalmente bebês e idosos.
  • Ao tossir e espirrar, utilizar lenços e evitar as mãos.
  • Lavar sempre as mãos
  • Utilizar álcool gel ao tocar qualquer superfície em locais públicos

Também vale ficar atento aos sintomas para não confundir com uma gripe comum e não deixar o caso se agravar:

Sintomas

Os sintomas da gripe H1N1, no início, são muito semelhantes àqueles uma gripe comum, porém, mais acentuados. O paciente pode apresentar também sensação de garganta seca, rouquidão, pele quente e úmida e olhos lacrimejantes.

Nas crianças, a febre pode se apresentar com temperaturas mais altas, acompanhadas muitas vezes de quadros de bronquite e de sintomas gastrointestinais. Já nos idosos, as temperaturas febris não costumam ser muito altas.

Os sintomas a serem observados são:

  • Febre alta e abrupta (em geral acima de 38°C);
  • Dores no corpo;
  • Dor de garganta;
  • Prostração;
  • Dor de cabeça;
  • Tosse seca

Por: Juliana Nogueira