04/jan/2018 11h01

Temer é obrigado a antecipar troca de ministros por conta de demissões

Reacomodação ocorre antes de tentativa de Governo votar reforma da Previdência.

governo temer - 04/jan/2018 11h01

Mais um ministro deixou seu cargo na Esplanada dos Ministérios. Marcos Pereira (PRB), que respondia pela pasta de Desenvolvimento, Indústria, Comércio Exterior e Serviços, entregou sua carta de demissão nesta quarta-feira (3/1). É a quarta baixa em dois meses. Todas por conta das eleições de 2018. A saída força com que o presidente antecipe uma reforma ministerial. As trocas estavam previstas para ocorrerem apenas em abril, mês limite para os candidatos a cargos eletivos se demitirem de suas funções comissionadas.

A saída de Marcos Pereira, de Ronaldo Nogueira (PTB) do Ministério Trabalho, Antônio Imbassahy (PSDB) da Secretaria de Governo e de Bruno Araújo (PSDB) de Cidades obrigam Temer a reformar seu Governo a um mês e meio de talvez a última votação da reforma da Previdência. Ou seja, tem de articular para que as trocas ajudem a garantir os 308 votos necessários para a aprovação das mudanças nas aposentadorias.

Tudo isso em um momento em que a saúde do presidente voltou a apresentar debilidades. Ele foi orientado pelos médicos a reduzir sua carga de trabalho e a passar a virada do ano em casa porque apresentou um quadro de infecção urinária.

Os ex-ministros do PSDB deixaram os cargos porque a legenda não definiu oficialmente se continua ou não no Governo Temer.  Já os ex-deputados do PRB e do PTB deixam os cargos porque querem se dedicar às suas campanhas eleitorais neste ano. Ambos concorrerão a uma vaga na Câmara dos Deputados.

Fonte: El Pais