26/dez/2017 10h12

Pacientes reclamam da falta de médicos em Cais durante o feriado de Natal

"Não tem aparelho para reanimação, não tem estrutura", afirma o acompanhante de uma paciente.
atendimento - 26/dez/2017 10h12

Pacientes em Cais de Goiânia reclamaram sobre o descaso, a falta de profissionais e de leitos para os enfermos durante o feriado de natal.

Um homem, de 40 anos, relatou ao Dia Online que teve muitas dificuldades para conseguir uma vaga para a sogra, de 65 anos, que sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC) na tarde deste sábado (23/12).

O homem relata que acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgências (Samu) para transportar a idosa para o Cais de Campinas, chegando no local a mulher precisou ser transferida para o Hospital Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol) para fazer exames. O homem afirma que quando retornaram ao local a idosa não foi atendida por médicos especializados.

Revoltado, o homem afirma que o local não tem estrutura e nem equipamentos para atender a população. “Não tem aparelho para reanimação, não tem estrutura, a porta lateral de entrada das ambulâncias não tem vigilância, além de descaso com os pacientes”, afirma o homem.

Em outro caso, um paciente relata que levou a mãe para o Cais de Campinas, mas ela foi mandada de volta para casa. Lá, a mulher passou mal novamente e precisou retornar a unidade de saúde. Segundo familiares, ela morreu pouco depois de chegar ao hospital.

Falta de médicos

De acordo com o Diretor do Cais de Campinas, o quadro da unidade é de 65 profissionais, entre clínicos, pediatras e cirurgiões. Mas, segundo ele, muitos se descredenciaram e aguarda que a Secretaria de Saúde mande novos profissionais para atender a demanda.

Segundo um profissional da unidade, que não quis ser identificado, cinco pediatras deveriam estar no local, mas somente dois estão trabalhando.

Veja o movimento em alguns Cais na manhã desta terça-feira (26/12):

Confira a nota divulgada pela Secretaria de Saúde:

Sobre a demora no atendimento, a Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia (SMS) informa que a assistência dos pacientes nas unidades de urgência 24 horas é feita conforme classificação de risco, ou seja, com priorização dos casos mais graves. A SMS ressalta que disponibiliza semanalmente a escala médica de urgência no site da pasta. 

Por: Dinake Núbia