18/nov/2017 17h11

Internet móvel do Brasil está entre as mais baratas do mundo

A internet brasileira ocupa quarto lugar, aponta estudo.

internet - 18/nov/2017 17h11

O Brasil faz parte do grupo de países que menos cobra por seus planos de ligações e internet móvel. Pelo menos é o que indica um levantamento desenvolvido pela consultoria Teleco, voltada para o mercado de telecomunicação. Segundo o estudo chamado Desempenho Comparado de Preços do Celular, o valor da internet móvel no país é o quarto mais barato do mundo.

De acordo com a Teleco, o pacote de dados pré-pago com 500 MB no Brasil gira em torno de US$ 6 (valor com impostos). Com esse valor, o país fica atrás apenas da Rússia (US$ 5,9), China (US$ 4) e Índia (US$ 1,20). O comparativo da internet móvel foi realizado com outros 15 países e é importante destacar que ele não levou em conta a qualidade (ou a falta dela) dos serviços prestados nas regiões participantes.

No plano pós-pago, o valor da internet com 500 MB (US$ 8,20 com impostos) aumenta um pouco, mas o Brasil ainda se posiciona como um dos países com o menor preço em sua internet móvel. Neste caso, ele ocupa a 5ª colocação entre os 16 países participantes e fica atrás de Portugal (US$ 5,7), China (US$ 4,4), Rússia (US$ 3,4) e Índia (US$ 3,1).

Para se ter uma ideia, em 2016 o Brasil ocupou a 7ª posição no comparativo com o preço da internet móvel pré-paga e 8º lugar em relação à internet móvel pós paga. É interessante saber que sem os impostos o resultado do Brasil teria sido ainda melhor. O estudo mostra que o preço cairia para US$ 4,20 no pacote de internet pré-pago e iria para US$ 5,70 no pós-pago.

Pacotes de minutos também são os mais baratos

Além da internet ser uma das mais baratas, os minutos para ligações em linhas pré-pagas também são mais em conta no Brasil.

O mesmo levantamento indica que o país ocupa o 4º lugar entre os países com os serviços mais baratos de minutos oferecidos para as linhas pré-pagas. Segundo a Teleco, o preço do minuto com impostos caiu de US$ 0,066, em 2016, para R$ 0,039. China, Rússia e Índia são os que ocupam as primeiras colocações.

Neste recorte, 18 países participaram do estudo. A escolha se deu por eles concentrarem 55% da população mundial e 57% dos celulares do mundo.

Chamada de cesta base, a pesquisa considerou o total de 100 minutos de chamadas. Destes minutos, 70% voltados para ligações para celulares da mesma prestadora; 15% para chamadas para outras prestadoras móveis no Brasil; e 15% em ligações para telefones fixos (da própria prestadora ou de outras) também no Brasil.

Fonte: UOL