01/jun/2017 08h06

Com desligamento da TV analógica, Goiânia poderá ter 4G com maior alcance

O desligamento da TV analógica vai liberar a faixa de frequência de 700 megahertz (MHz), atualmente usado pelas emissoras de televisão, para a oferta de 4G pelas operadoras de telefonia.

sinal digital - 01/jun/2017 08h06

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, explicou recentemente que o desligamento do sinal analógico de TV em Goiânia será fundamental para melhorar a qualidade da internet móvel na região. Kassab participou de uma solenidade que marcou o início do processo de implantação do sistema de TV digital da capital goiana e outros 28 municípios do estado.

O desligamento da TV analógica vai liberar a faixa de frequência de 700 megahertz (MHz), atualmente usado pelas emissoras de televisão, para a oferta de 4G pelas operadoras de telefonia. “Com a liberação da faixa, a oferta dos serviços de telecomunicações será de mais qualidade para os cidadãos e também para os serviços públicos”, disse o ministro.

A faixa de 700 MHz tem alcance maior do que a frequência em que o serviço 4G é oferecido atualmente pelas operadoras na maior parte do país.

A transição do sistema analógico de TV para o sinal digital em Goiás deve ser concluída até o dia 21 de junho. O desligamento estava marcado para dia 31 de maio, mas uma pesquisa do Ibope constatou que apenas 88% dos domicílios estavam preparados para receber o sinal digital de TV. Uma portaria do ministério estabelece o percentual mínimo de 93% para o desligamento das transmissões analógicas. Uma nova pesquisa para verificar o índice de recepção do sinal digital nas residências deve ser realizada em 14 de junho.

Migração de rádios

Durante um evento na quarta-feira (31/5), foi realizado um mutirão de migração de 15 rádios AM para a faixa de FM. Kassab assinou os contratos que permitem a mudança de faixa de 13 emissoras goianas e duas do Tocantins.

Além da melhoria do sinal, ao migrar a operação para a faixa FM, as rádios também podem ser sintonizadas em dispositivos móveis, como tablets e smartphones.

(Fonte: Agência Brasil)